Procurar imagens
     
Procurar textos
 

 

 

 

 


 

 

MARIA DO SAMEIRO BARROSO

CANCIONEIRO DE SILVES - II

UM ROSTO DE SÍLABAS BRANCAS
(ODE A SILVES)

Num rosto de sílabas brancas te escrevo, templo de luz,

útero de estrelas, semente de douradas neblinas.

De fábulas e perfume é o teu nome,

relógio onde a claridade pára e se incendeia.

cristal que arde, na lonjura do tempo.

 

Nos teus hortos, há jasmim e hortelã, silfos, sílfides,

flautas de Pã, que recriam a flor cristalina,

a herança taifa, na cal perfurada de raízes brancas.

 

Na tua água, deslizam palácios mouros, qasîdas brilhantes.

Junto aos poços de ouro profundo, repousam as garças.

Nos teus jardins, princesas submersas, em jardins

de outrora, envoltas em candelabros luminosos,

níveos perfumes, tangem alaúdes, harpas,

laranjais de mistério, nas sílabas embriagadas

dos jardins da aurora.

 

Num rosto de sílabas brancas, és chama de um deserto

ardente.

Ver-te, uma vez só, é aspirar à glória de ‘Itimad,

ser nuvem, sol, nívea cintura, centáurea azul,

água e murmúrio, ressonância de frutos, aves,

rumor deleitoso, nascente da algas, citrinos,

 

no corpo das raparigas morenas.

 
 

 




 



hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano