JOAQUIM SIMÕES

“Devias ter feito uma Fundação, pá…” ou De convicções está o inferno cheio

Na passada quarta-feira, nos telejornais da hora do almoço, pudemos ver um Mário Soares envelhecido, de saúde claramente debilitada, alterado, destrambelhado nos modos como no discurso, afirmar fora de qualquer dúvida a inocência de José Sócrates bem como a existência de uma conspiração, apoiada no aparelho de Justiça e na Comunicação Social, que visa destruir a reputação desse ex-“primeiro-ministro exemplar”, de cuja seriedade ninguém duvidará. Hoje, um familiar meu mostrou-me a frase que dá título a este post, posta na boca de Soares dirigindo-se a Sócrates na foto acima, a circular na internet.

A frase insinua e a insinuação é algo que me repugna, a não ser quando visa o óbvio, assim se mudando em subtileza do humor. Aproveitei-a, porém, porque, se relacionada com o que se seguirá, reforça a compreensão do que, a meu ver, a detenção e prisão preventiva de José Sócrates trouxeram à superfície do Portugal profundo, de um Portugal mais esquecido do que a mais recôndita das suas aldeias.

Alguns amigos, militantes do PS, perguntaram-me o que achava eu do ex-ministro do Ambiente de António Guterres à época em que ele se candidatou pela primeira vez a secretário-geral do partido. Respondi-lhes – e, desde então, tenho-os lembrado disso várias vezes – que seria uma péssima escolha não só para os socialistas como para o país, uma vez que não encontrava nele nem perfil nem capacidade quer para desempenhar as funções a que se propunha quer, muito menos, para o cargo de primeiro-ministro que, em breve, com certeza viria a ocupar. Agressivo, prepotente e, o que é pior, o paradigma, no plano político, de um mestre d’obras com a correspondente visão sobre o desenvolvimento do país e os meios para o concretizar. Um “caudilho europeu” que nada traria de bom, era o que me davam a entender as suas tiradas e acções governativas e públicas. Riram-se.

Foi, afinal, muito mas mesmo muito pior do que eu poderia esperar. José Sócrates governou Portugal como um antigo regedor de aldeia: berrando do alto do varapau da maioria; fazendo descer o debate de ideias (desde sempre escasso) ao nível da ausência; reinando, vingativo, pela divisão de todos e deste modo inibindo em todos, por ressentimento ou medo, a livre expressão; impondo, com meios à toa, medidas avulsas a que pomposamente chamou reformas, com elas esfrangalhando a eito a estrutura do Estado sem critério nem dó. A meu ver, foi, depois de Salazar, a catástrofe que o país mais poderia ter temido.

Durante o período em que mandou no país, tive no blog Portugal e outras touradas, que criei em Maio de 2007 e encerrei, de facto, em Julho de 2011, o meio de aliviar um pouco o sufoco que senti nesse atoleiro quotidiano. Nele fui falando de tudo isto, à medida dos despautérios e desastres consecutivos. Não o apaguei, continua online, e qualquer um poderá verificar que foi sempre nos planos político e social que me referi a Sócrates e ao seu governo, tal como a quem o acompanhou, de perto ou de longe. Mesmo tendo em atenção, entre outras coisas, ao que aqui diz José Gomes Ferreira, atento, tal como eu e muitos outros, aos sinais equívocos que emergiam quanto ao carácter do primeiro-ministro.

A prisão preventiva de José Sócrates continua a não permitir, por agora, desfazer ou confirmar as suspeitas que o levaram ao estabelecimento prisional de Évora. Aguarda-se o resultado das investigações e, até lá, ao contrário de muita gente, demasiada gente, pelo respeito devido a qualquer ser humano não me permito o luxo de ter convicções num sentido ou noutro. Mas, por isso mesmo, gostaria de deixar um pouco do que tenho vindo a reflectir sobre aqueles que vivem acima das suas possibilidades de crença e certeza, e do nível de ostentação que disso se permitem. Bem como da possível origem desse seu capital lógico e ético.

Em particular, o dos que se revoltaram em público quer com a detenção de José Sócrates quer com o modo como ela ocorreu. Pois confesso que as operações mentais utilizadas nesse seu empreendimento de indignação moralizadora são para mim um mistério. Parecem-me de todo obscuras e, por isso, carentes de uma investigação impeditiva de que os seus eventuais reflexos causem maiores prejuízos na frágil economia moral da nação.

Convém, no entanto, um aviso prévio. Dizia Sartre que se o nosso objectivo for consciencializar uma família burguesa do horror que a sua vida constituiu não bastará simplesmente gravá-la ou filmá-la e mostrar-lhe o resultado, porque, como é natural, continuaria a nada estranhar no que visse e ouvisse. Teremos que ampliar, acentuar os pormenores decisivos que lhe escapam ou que contribuem para o seu torpor, numa palavra: até certo ponto, caricaturar. Não gosto de Sartre por aí além, mas dou-lhe razão quanto a isto. O mesmo farei eu, portanto, em relação a esses meus compatriotas indignados, e as imagens que utilizar seguidamente assim deverão ser entendidas.

Consideram eles, em primeiro lugar, que nem a detenção nem o modo como foi realizada são compatíveis com o cidadão que a sofreu, que constituiu um procedimento vergonhoso, por humilhante, para com quem ocupou o mais alto cargo governativo. Mas imaginemos (e, relembro-o, irei exagerar, caricaturar para melhor me fazer entender) que Al Capone, no intuito de lograr um maior enriquecimento e poder pessoais, ao invés de enveredar pela actividade criminosa explicitamente violenta, mas local, se propusesse alcançar a presidência dos Estados-Unidos, deitando mão de influências. E que, havendo-o conseguido, reforçasse e cimentasse a rede de corrupção, valendo-se de favorecimentos e promoção de obras e políticas públicas, apresentadas como fazendo parte de um plano desenvolvimento dos USA, mas que visariam apenas concretizar os seus intentos e alargar em definitivo a sua riqueza e esfera de acção pessoais. E que não tivesse pejo nem escrúpulos de, para tal, levar o país até à beira da bancarrota. O facto de ter ocupado a mais alta posição do Estado reverteria na dignificação do seu carácter? Ou, antes, isso sim, em perversidade acrescentada, que o próprio Estado, enquanto instrumento de bem-comum, deveria repudiar e banir com maior vigor ainda?

Porque estaríamos num plano onde criminalidade e política não se distinguiriam uma da outra e a extensão do delito se estenderia não somente a todo o país como também a mais de uma geração. Acusação, aliás, que, infelizmente, muito pouco inédita tantas vezes ouvimos fazê-la a muitos dos chefes de Estado africanos e da América Central e do Sul. 

Relembrando-o de novo: ninguém sabe se é este o caso (mitigado) de José Sócrates. Ninguém se pode arrogar a emitir juízos que lhe sejam favoráveis ou acusatórios antes de se apurar a verdade. Mas também ninguém, muito menos os que enaltecem constantemente a igualdade dos cidadãos perante a lei, pode invocar o argumento de que, por o havermos tido como governante, a Justiça e a polícia procederam mal (nas palavras subentendidas de alguns, criminosamente) não lhe atribuindo um tratamento de excepção, ao invés de procederem com ele como o fizeram, isto é, da mesma maneira como procederiam com qualquer outro suspeito de actividades ilícitas.

Admitamos, porém uma segunda hipótese, a de um caso de distúrbio de personalidade do tipo romanceado por Robert Louis Stevenson em O médico e o monstro. O caso em que teríamos, ao mesmo tempo, um Sócrates “primeiro-ministro exemplar” (para retomar a expressão de Mário Soares) e um outro, meliante mafioso nas horas livres da governação, embora para tal se aproveitando dos conhecimentos e influências que o cargo ocupado lhe facultavam. Quem deveria então a polícia escolher para a detenção: um dr. Jekyll com Mr. Hyde à perna; ou um Mr. Hyde trazendo a reboque o dr. Jekyll? Uma escolha impossível julgo eu, já que tal exigiria das autoridades um prévio conhecimento da psique de José Sócrates, produto do exame que, tanto quanto se saiba, nunca foi realizado.

Chamo, a propósito, a atenção para que a argumentação dos responsáveis maiores do PS e alguns dos defensores de Sócrates segue em paralelo com esta linha de raciocínio, ao afirmarem que não se pode nem deve confundir o Sócrates político com um eventual Sócrates criminoso. De outro modo: que coexistam em sincronia, numa só pessoa, um brilhante e patriótico primeiro-ministro e um escroque de primeira linha, que age em proveito próprio suportado pelas funções que desempenha. A hipótese, como disse anteriormente, não é descartável, mas terá que ser provada; e a polícia não é, nem costuma ir, à bruxa. Limitou-se, pois, a proceder segundo as regras do mais elementar bom-senso quando se trata de prender um suspeito de crimes graves.

Donde virá, então, aquilo que me parece ser uma espécie de incoerência toldada pelas emoções (ou por quaisquer outros factores desconhecidos) por parte de quem se indignou com a prisão de um antigo primeiro-ministro? Esta a pergunta a que, como já disse ao início, me propus responder a mim próprio, mas que achei pertinente o bastante para dever partilhá-la.

É que neste “não se prende nem se trata assim um antigo primeiro-ministro!” há qualquer coisa de “ancien régime” com cheiro a peúga de ex-seminarista, algo entre o bafio e o cheiro a beco escuso e escuro da vontade. Algo que cheira a “argumento de autoridade” e a “você sabe com quem está a falar?” que me assombrou em menino com voz roufenha.

Juro: estremeci de apreensão e um arrepio percorreu-me a espinha quando ouvi, repetido até por quem não esperaria, aquele “não se prende nem se trata assim um antigo primeiro-ministro”! Parecia-me que, como num vulgar filme de terror, um grupo de zombies fazia ecoar, no país, a voz de quem tivesse feito das suas cabeças sepultura, assombrando os vivos com os seus restos que nelas permanecessem antes de se tornar para sempre em pó.

A simples possibilidade de enunciar tudo isto de forma explícita me enoja e violenta. Respondi, portanto, à pergunta metaforicamente. Mas julgo que fui bastante claro sobre a identidade desse avesso de Lázaro, doentio e violento, que tão fundo cravou as suas garras na mente de Portugal. Mesmo nos que são (ou se dizem) paladinos da democracia.

Voltando ao tom anterior, e antes de terminar quero ainda, porém, acrescentar algo que julgo oportuno e de certa importância para alguns militantes socialistas.

Começarei por recordar os elogios que Miguel Macedo recebeu de toda a oposição quando há pouco tempo pediu a demissão das suas funções de ministro da Administração Interna. Fê-lo devido à prisão do responsável máximo do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras e de outros funcionários envolvidos em casos de corrupção. Gente, note-se, cuja nomeação para as posições que ocupavam não fora feita por ele, mas por quem o antecedera como responsável do MAI – não me lembro se o director do SEF foi nomeado logo no início do primeiro governo de José Sócrates ou no final do de Durão Barroso. Não teria necessidade de sair, mas demitiu-se em benefício da credibilidade do regime enquanto aguarda pelo apuramento da investigação e pela consequente decisão judicial.

Os ministros são-no por convite do primeiro-ministro indigitado após as eleições. Seriam, assim, da confiança de José Sócrates aqueles que integraram os seus governos e discutiram as diferentes políticas sectoriais e as medidas destinadas a implementá-las. Não ignoravam as motivações e os objectivos apresentados pelo chefe da equipa governamental de que decidiram fazer parte. Não podem afirmar, portanto, que desconheciam o alcance e as implicações do plano que ajudaram a estruturar e a fazer cumprir. Se não se aperceberam, em qualquer caso não passam de incapazes de desempenhar devidamente as funções atribuídas. Se se aperceberam, das duas uma: ou não se deram conta de eventuais irregularidades; ou, se deram, serão cúmplices passivos ou activos de Sócrates.

Ora alguém duvida de que a incapacidade de detectar  crimes de lesa-pátria é incomparavelmente mais grave do que o desconhecimento de um ministro sobre actividades criminosas de um conjunto de funcionários de um dos sectores de um ministério? Sem falar já na possibilidade de se ser suspeito de conivência…

Daí o meu apelo aos antigos militantes do PS que colaboraram com Sócrates, a começar por António Costa: a bem do regime democrático, demitam-se de todas as suas funções políticas partidárias. Sigam o exemplo que tanto – e tão a-propósito – elogiaram de Miguel Macedo e esperem pelo apuramento da verdade para as retomarem, rebrilhando de inocência e verticalidade cívica.

E que não vociferem como o pobre “pai da nossa democracia”, cada vez mais fragilizado, que “aquilo não se faz a um antigo primeiro-ministro!”. Para que os portugueses, eles próprios alheios ao fantasma ainda habita em muitos dos seus maiores, mas tendo em mente o velho provérbio “diz-me com quem andas, dir-te-ei quem és”, não discorram de modo tão distorcido como a frase inscrita na foto deixa transparecer.

http://expresso.sapo.pt/e-legitimo-supor=f899560
 

Joaquim Simões nasceu em Paço d’Arcos, em 1950.

Licenciou-se em Filosofia, na Universidade Católica Portuguesa. Frequentou o mestrado em Cultura Clássica da Universidade de Lisboa, sob orientação do Professor Victor Jabouille, tendo sido investigador da Linha de Acção 1 do Departamento de Línguas e Cultura Clássicas da mesma Universidade, abandonando, porém, ambas as actividades por motivo de doença.

Foi professor do Ensino Secundário em diversas escolas da área de Lisboa e, para além da actividade docente, exerceu funções de orientador de estágio profissionalizante e de representante de uma delas em alguns encontros, nacionais e internacionais, sobre multiculturalidade.

Em 1979, publicou um livro de poemas em edição de autor, com prefácio de Manuel Grangeio Crespo.

Entre 1980 e 1983 participou no projecto de teatro para a infância e juventude do Teatro do Nosso Tempo, em Lisboa. Em 1982, em parceria com o músico Francisco (Xico Zé) Henriques, constrói um espectáculo, “Astrolábio”, composto por canções feitas a partir de poemas seus.

Entre 1989 e 2010, colaborou permanentemente com Manuel Almeida e Sousa e a Mandrágora em diferentes realizações na área da performance teatral.

Em 2010, colabora com Maria Morbey Henriques no espectáculo “Banjazz – Um bichinho esquisito”, levado à cena, em Fevereiro, no Centro Cultural de Belém.

 

 

 

 




 



hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano