GLEDSON SOUSA
Olho de Hórus
Maio

Aprendi a noite em maio

o frio era pedra, primavera

enquanto aqueles sentavam

esperando deuses invisíveis

 

Dormiam muitas mortes

banhava-me em cios secretos

o que nas constelações

era amanhecer

 

a caminho de Odessa, caí de joelhos

a luz da yoni me cegava

molhado de secreções de flores

ressuscitava como um falo

 

torre branca em triângulo vermelho

labirinto de kundalini, terra

aprendi a noite em maio

mas eu não sabia

tanto sol

INDEX

Olho de Hórus
A Poesia Jorra
A Alma dos Poetas
Autógenos
Maio

 
gledson_sousa@yahoo.com.br
 

 




 



hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano