REVISTA TRIPLOV
de Artes, Religiões e Ciências

 

 

 

 











.JOSÉ EDUARDO FRANCO

 

Uma obra há muito esperada - A Obra Completa do PADRE ANTÓNIO VIEIRA oferecida ao Papa Francisco

 

“A justiça está primeiro que a devoção” 
 
Vieira

 
 
 

Em julho de 1997 foi promovida na Assembleia da República uma cerimónia homenagem, unanimemente aplaudida por todos os partidos, ao Padre António Vieira no quadro da comemoração do terceiro centenário da sua morte. Discursaram membros de todos dos partidos com assento parlamentar, assim como o Presidente da Assembleia da República e o Presidente da República, louvando em uníssono o alto legado literário e o arguto pensamento de uma génio que tinha sido no século XVII pregador real, embaixador e conselheiro de Estado de Portugal. Muitas figuras ilustres,  nesse ano de homenagem de depois repetido em 2008 com diversas iniciativas comemorativas do quarto centenário do seu nascimento, reclamaram a urgência de ser concretizado definitivamente o projeto de edição da Obra Completa de Vieira, a importância que teria lhe ser edificada uma estátua em Lisboa e ainda lhe ser dedicada uma grande avenida da capital portuguesa. Passaram mais de 15 anos sobre estas comemorações e pedidos insistentes. Cumpriu-se pelo menos uma das mais graves lacunas da Cultura Portuguesa: preparou-se nos últimos anos e publicou-se a totalidade todos os textos do Padre António Vieira em 30 grossos volumes numa edição sequencial em Portugal e no Brasil.

“Vieira Global” é como que se intitula o gigantesco projeto de investigação liderado pelo CLEPUL da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa para disponibilizar ao grande público a obra toda e o conhecimento nacional e internacional do legado intelectual do Padre António Vieira. O volumoso resultado da primeira fase deste projeto em 30 volumes, levada  a cabo e concluída em tempo recorde por uma equipa luso-brasileira de especialistas e investigadores, foi razão para a Reitoria da Universidade de Lisboa e o Reitor em exercício, António Cruz Serra, assim como o Reitor Honorário, António Nóvoa, liderarem uma comitiva para oferecer esta opera omnia ao Papa Francisco no dia 4 de março deste ano com a realização nesse mesmo dia de uma sessão solene de apresentação pública no Instituto Português de Santo António em Roma.

Na verdade, o leitor amante da cultura, da criação literária, da ciência e da beleza começa a  dispor, a partir de agora, da obra toda de um dos maiores e mais proficientes oradores e escritores da Língua Portuguesa de todos os tempos.

O pregador, o conselheiro régio, o diplomata e o missionário jesuíta Padre António Vieira contribuiu para aperfeiçoar, de forma significativa,  a língua portuguesa nos diferentes usos que fez da nossa língua ao longo do século XVII em que viveu e encheu com as seus altos ideais e ação apaixonada.

A preparação cuidada e sistemática da obra completa do Padre António Vieira tem sido reivindicada e tentada desde há mais de século e meio por estudiosos importantes da vida e do pensamento deste orador luso-brasileiro.

Na verdade, não se pode avançar com estudos abrangentes sobre a complexidade de uma vida e de uma obra tão vasta como a de Vieira sem primeiro realizar o trabalho preliminar e essencial de levantamento e edição total do legado escrito que chegou até nós e que se encontra disperso por muitos arquivos e bibliotecas portuguesas, brasileiras e de outros países, onde a produção escrita deste autor encontrou acolhimento.

Projetos desta dimensão exigem um financiamento significativo e a reunião de equipas de investigadores qualificados em várias áreas e de vários países, assim como exigem um entendimento de base quanto a metodologias a respeitar e prazos a cumprir.

A dimensão do legado pluriforme dos escritos de Vieira e a sua dispersão em diferentes arquivos e bibliotecas de Portugal e do estrangeiro obrigada a recrutar, de facto, uma grande e qualificada equipa de carácter interdisciplinar  para realizar o seu levantamento sistemático e exaustivo em ordem ao seu subsequente tratamento pré-editorial e editorial.

Em vez de apostarmos numa pequena equipa, como aconteceu com os projetos anteriores, decidimos reunir uma grande equipa de mais de meia centenas de investigadores e especialistas em estudos vieirinos e áreas afins, fundamentalmente de universidades portuguesas e brasileiras, que aceitaram o desafio de trabalhar em conjunto, de forma concertada, dos dois lados do atlântico para levar a bom termo este projeto. Além do concerto de vontades e de métodos conseguido em intensivas reuniões de trabalho, foi necessário garantir um financiamento suficiente. Primeiro conseguimos pequenos apoios de alguns instituições beneméritas, mas que estavam a ser manifestamente insuficientes na fase de arranque do projeto, correndo o risco de fazer perigar o andamento da obra. Até que a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, na pessoa do seu Provedor Dr. Pedro Santana Lopes, decidiu, com uma extraordinária visão e sensibilidade, tornar-se mecenas principal e dar o apoio decisivo  e substancial para que este projeto fosse bem sucedido. Assim aconteceu. As pessoas que já estavam a trabalhar no projeto estiveram à altura de corresponder à confiança depositada através de um financiamento suficiente para que o projeto não deixasse de se concretizar-se por falta de recursos financeiros, como tinha acontecido nos noutros casos.

Por seu lado, também foi academicamente importante o apoio institucional da Universidade de Lisboa na pessoa do seu Reitor, António Sampaio da Nóvoa, e continuado pelo atual, António Cruz Serra, que colocaram este projeto sob a égide desta universidade onde decorria o projeto num dos seus maiores centros de investigação em humanidades: O Centro de Literaturas e Culturas Lusófonas e Europeias. Não menos relevante foi a disponibilidade revelada pelo Círculo de Leitores para apostar num projeto editorial desta grandeza e complexidade em tempo de grave crise no mundo editorial português, arriscando editar 30 volumes de um clássico do século XVII sem a certeza do sucesso do bom acolhimento dos leitores, que depois veio na verdade a verificar-se.

Oferecer ao grande público a obra completa dos criadores maiores que foram construtores da nossa língua e da nossa cultura, dos que geraram o que há de melhor no património imaterial das nossas comunidades de destino que se expressam em língua portuguesa constitui um dos serviços mais importantes à história literária de povos unidos pelo extraordinário veículo de modelação identitárias e de criação de  afinidades e proximidades que é, com efeito, uso de uma língua comum.

                Vieira e a sua obra são um símbolo poderoso da força unitiva de uma língua e do poder performativo, ou seja, criador e transformador da Palavra dita e escrita. É Vieira “esse povo de palavras” (1) e toda riqueza do seu legado definido magistralmente nesta muito significativa expressão, que colocamos à nas mãos dos leitores numa edição de grande dimensão.

                A presente publicação cumpre um ideário de serviço à cultura e à língua do mundo lusófono, mas também atende ao desejo de muitos admiradores e cultores da obra de Vieira que, desde o tempo deste autor, procuraram dar ao prelo a sua obra. A publicação dos escritos de Vieira permitirão conhecer melhor aspectos da história e do pensamento do século XVII, mas também os trânsitos da vida plurifacetada deste membro da Companhia de Jesus na relação com a vida, as grandes questões e o pensamento do seu tempo. (2) Dele escreveu impressionado Álvaro Dória para afirmar que Vieira representa por antonomásia o conturbado e ao mesmo tempo fascinante século XVII: "Quando penetramos no estudo da história do século XVII português, tão contraditoriamente  considerado por historiadores e pensadores, uma figura há que avulta imediatamente aos nossos olhos, majestosa e absorvente: o Pe. António Vieira. Efetivamente ele encheu aquele século; podemos aventar que ele é o seu século, e também que este se encontra inteiro no grande Jesuíta." (3) Vieira foi grande como eram as representações dos modelos feitas do homem barroco. Foi excessivo, desmesurado tanto nas suas ideias e projetos como até nas suas contradições. Mas também, no juízo de muitos, ressalta a percepção de que o século português de seiscentos não esteve à altura do seu génio incompreendido e, não poucas vezes, perseguido, ameaçado, preso e condenado.

Os textos de Vieira ainda revelam uma grande atualidade, por exemplo, no plano da sua reflexão sobre a coerência entre Fé e Vida, sobre os Direitos Humanosa paz, o ecumenismo, a crítica à corrupçãoo diagnóstico que faz aos problemas estruturais perenes de Portugal, as soluções que apresenta para tornar o nosso país mais empreendedor, assim como a sua crítica às instituições de bloqueio do nosso progresso como o caso da Inquisição, além da análise certeira que realizou à mentalidade atávica portuguesa, como a inveja, a maledicência sistemática e a falta de incentivo político e social aos portugueses com talento e mérito, que muitas vezes têm de sair da sua pátria para encontrar reconhecimento e espaço para pôr a render as suas competências. 

J. E. Franco


(1) Expressão utilizada pelo Presidente da República Portuguesa, no discurso de homenagem a Vieira aquando das comemorações do III Centenário da Morte de Vieira promovidas pela Assembleia da República Portuguesa: “Em Vieira, no princípio, era o verbo e, no fim, será ainda o verbo. Ele habitará sempre esse povo de palavras com as quais confundiu a vida e fez a obra. É nelas – e não na ordem do político, como alguns pensam – que as suas palavras se cumprem. Esse império discursivo, essa catedral verbal, esse teatro de eloquência, esse prodígio de ‘engenharia sintáctica’, essa ‘grande certeza sinfónica’, como disse Fernando Pessoa/Bernardo Soares, permanecerá como um monumento de palavras que desafiará o tempo e a passagens dos homens. A obra de António Vieira é, se será sempre, por isso, a confirmação da grandeza de Portugal”.  Atas da Reunião Plenária de 18 de Julho de 1997, “Sessão Solene Evocativa dos 300 Anos da Morte do Padre António Vieira”, in Diário da Assembleia da República, 2ª Sessão Legislativa, 19 de Julho de 1997, p. 3555.

(2) Cf. Pedro Calafate, Da origem popular do Poder ao Direito de Resistência: Doutrinas políticas no século XVII em Portugal, Lisboa, Esfera do Caos, 2012, p. 208 e ss.

(3) A. Álvaro Dória, "António Vieira no seu Tempo", in Revista Ocidente, Vol. LXI, 1961, p. 101.

 
JOSÉ EDUARDO FRANCO é ensaísta e historiador.
   

 

 

 


hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano