Procurar textos
 
 

 

 

 

 











.JOSÉ EDUARDO FRANCO
O CRISTIANISMO E O PROGRESSO
A Resposta de D. António da Costa a Antero de Quental
 
Formas de progresso que o cristianismo incentivou
 

Ao longo dos doze capítulos que compõem O Cristianismo e o Progresso , são apresentadas várias formas de progresso que o Cristianismo teria promovido. Além dos valores anteriormente apresentados, a religião cristã teria instituído outras formas significativas de evolução da comunidade humana.

Em primeiro lugar, há que destacar a maneira de entender o homem na sua dimensão individual. Antes do cristianismo

"o homem era materialista e escravo. O amor, proclamado pelas ideias cristãs, tinha dois grandes alicerces de aperfeiçoamento, a imortalidade e a liberdade. Desta maneira todo o homem, e não só o privilegiado da força ou da fortuna, se tornaria grande aos próprios olhos, e quando o homem tem a consciência da sua valia, opera prodígios em todos as condições de vida, o impossível deixou de existir para ele (1)".

Assim sendo, o amor veio valorizar cada homem na sua especificidade e garantir a igualdade legítima entre os homens, igualdade esta que não deve ser confundida com igualitarismo , isto é, nivelar os homens todos pela mesma medida sem respeitar as devidas diferenças como defendiam certas ideologias político-sociais da época. O cristianismo abre ao homem todas as possibilidades de realização, nos seus diversos campos de acção individual e social. Assim é porque a revelação cristã entende o homem como "um ente livre na terra. (2)"

À mulher também é dedicado um capítulo especial , onde é exposta uma visão extraordinariamente inovadora acerca dela à luz da doutrina cristã. Devo aqui recordar que D. António da Costa escreveu um livro dedicado à mulher em Portugal onde desenvolve uma concepção muito interessante e inovadora para o seu tempo do papel da mulher e do seu grande valor como pessoa humana, mas muitas vezes menosprezada na sociedade cristã ocidental e nas sociedades pré-cristãs (3). O cristianismo vem elevar a mulher à condição a que ela tinha direito:

"Regenerada assim na família, também o foi na vida civil. Vendo-a elevada pela condição pessoal, a mulher dá a mão à sociedade e concorre para lançar por terra os elementos de ferro do mundo antigo. Purifica pela castidade os costumes, visita o encarcerado e o pobre, funda o hospício, inventa mil formas de beneficência e, deixando de ser a comparsa na labutação do mundo, vem estrear um papel grandioso na cena universal. " (4)

D. António expõe ainda outras formas de progresso, a saber, a promoção dos "pequenitos" e o seu grandiloquente valor; uma nova forma de entender a riqueza e a pobreza; o arrependimento e a reconciliação como base da coexistência pacífica entre os homens; a felicidade como direito universal a que todo o homem aspira; e as instituições sociais como meios privilegiados de exercer a solidariedade e realizar a fraternidade. (5)

Com tudo isto pretendeu demonstrar não só que o cristianismo representou um progresso decisivo como também teve em vista lembrar que o espírito do cristianismo é a "alma do mundo", contrariamente ao que afirmava Antero de Quental acerca da ciência: "A ciência é a alma do mundo, porque o seu nome diz-se liberdade. " (6)

 
 

(1) Ibidem, pp. 31-32.

(2) Ibidem, p. 33.

(3) Cf. Idem, A mulher em Portugal , Lisboa 1893, pp. 469 - 470.

(4) Idem, O Cristianismo ..., p 51.

(5) Cf. Ibidem, pp. 59-68, 69-78, 79-90, 91-96, 105-116.

(6) Antero de Quental, Defesa da Carta..., p. 10.

   

 

 

 


hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano