Nova Série

 
 

 

 

 

 

ALEXANDRE HONRADO
Figuras empreendedoras: Infante D. Henrique

            Se há uma figura de excelência na História de Portugal que mereça personificar o espírito do empreendedor e protagonizar simbolicamente o emprendedorismo, essa figura é a do Infante D.Henrique, dito, quase abusivamente o Navegador. E diz-se aqui abusiva tal designação, pois Henrique concebeu o navegar com visão Universal mas nunca embarcou, literalmente e apesar disso, em nenhum dos empreendimentos que o seu génio e visão prepararam.

            A estratégia Portugal foi relançada pelo seu pai, D.João I, que recuperou a identidade de uma marca forte, a marca Portugal ameaçada, por assim dizer, perante um take over castelhano, definindo-a regionalmente. Assim criou uma relação com a comunidade local, aquela que o escolheu como soberano. Em marcha, encontrava-se uma nova geração de ilustres – a Ínclita Geração – e o quinto filho do rei, Henrique, pegou numa marca forte, com pouco mais de duzentos anos, e não só a reposicionou como a disponibilizou ao Mundo inteiro.

            A nova dinastia, a de Avis, iniciada por João I, tornou-se peça-chave na genética e na divulgação do sentido de ser português, assumindo uma nova óptica de lucro: a expansão.

            Portugal criou, com D.Henrique, uma imagem premium, estabelecendo as novas regras de mercado: um Reino líder com uma expansão de rede nos quatro cantos do Mundo conhecido, revelado pelos navegadores portugueses, pilares fundamentais desta visão estratégica. Aliás, a imagem de grandiosidade parecia atrair o infante, se aceitarmos o que nos sugerem as crónicas de Zurara: havia nele um sentido da teatralidade, um gosto pela ética cavaleiresca e desde cedo gostava de organizar cerimónias aparatosas. Vestia-se com roupas caras, impunha aos seus criados o uso de librés aparatosas, encenava festividades dispendiosas, para seu entretenimento ou para assinalar a partida de exércitos portugueses ( como o que aconteceu na partida para Marrocos, símbolo da sua biografia, já que na sequência da tomada de Ceuta foi armado cavaleiro, com os seus irmãos ). A carta que endereça ao seu pai, em1428, onde descreve o casamento, em Coimbra, do seu irmão D.Duarte com Leonor de Aragão, parece destacar esse gosto pelo fausto e suas grandezas: descreve com minúcia entusiasmada os detalhes da ocasião...

            É bem possível que a verdadeira biografia do Infante D. Henrique esteja, no entanto, por contar, mesmo tendo em conta as largas centenas – milhares? - de títulos que lhe foram dedicados ao longo dos séculos, do aqui citado Gomes Eanes de Zurara, seu coetâneo e admirador, aos novos interpretativos já no século XXI. A verdade é que ainda em vida sua, em Portugal, produziu-se o mito em seu redor – transcendendo o homem, em glória e imortalidade.

            Assim, registamos que o Príncipe Henrique, o Navegador, também conhecido como Infante Dom Henrique ou Infante de Sagres, Duque de Viseu e Senhor da Covilhã, cavaleiro da Ordem da Jarreteira, dirigente da Ordem de Cristo - que sucedeu à Ordem dos Templários e da qual D.Henrique foi curador e administrador dos bens e não Grão-mestre como já se escreveu , num cargo que deteria até ao fim da vida - , foi sobretudo a mais importante figura do início da era dos Descobrimentos – e um dos maiores mitos da história portuguesa.

            A sua figura é tão dilatada em fama e prestígio que até os ingleses – sempre ciosos dos seus próprios valores - , a começar por Samuel Purchas, famoso geógrafo britânico do século XVII - , quiseram destacar no Infante o seu sangue inglês. E de facto, Henrique era um dos filhos da princesa inglesa Filipa, de Lencastre ( isto é, natural de Leicester, no Reino Unido). Filipa era da casa dos Plantagenetas, por ser filha de João de Gant, primeiro Duque de Lencastre, com Branca de Lencastre. Tornou-se rainha consorte de Portugal através do casamento com o rei D. João I, celebrado em 1387 na cidade do Porto. Este casamento foi acordado no âmbito da Aliança Luso-Inglesa, um acordo firmado contra o eixo França-Castela. Foi atribuída a Filipa a distinção inglesa da Ordem da Jarreteira.

            Terá sido na mesma cidade do Porto que nasceu o infante D.Henrique, a 4 de Março de 1394. Henrique é um mito, a começar não só por esta ascendência como também pelo dia do seu nascimento. É que a data coincidiu com uma Quarta-Feira de Cinzas, dia que se considerava, pela carga simbólica evidente, pouco propícia ao nascimento de uma criança.

            De proprietário rural, senhor efectivo e austero, Henrique levou a sua ambição ao Mundo, tornando-se “dono moral” de um Império.

            Como empreendedor, terá estabelecido, no entanto, o seu plano de negócio a partir de uma realidade muito modesta: apesar de ser esse o desejo do rei, o património da coroa não era suficientemente vasto para para satifazer as suas ambições. Portugal era um reino pobre para prover a cinco infantes. As guerras da independência tinham contribuído decisivamente para esgotar o património da coroa. O plano de negócio é um objecto que ainda hoje criamos com o objetivo de estruturar as principais ideias e opções que o empreendedor analisará para decidir quanto à viabilidade da empresa a ser criada. O seu plano de negócio parece ter sido o de mover o reino para fora das fronteiras tradicionais, reunindo uma frota e um exército poderosos rumo ao sul: a fronta era constituída por quase uma centena de navios mercantes requisitados ou fretados ( muitos eram estrangeiros: castelhanos, flamengos, alemães, bretões e ingleses ) e saíram do Tejo em 26 de Julho de 1415.  As descrições mais fidedignas afirmavam que “transportavam grande quantidade de madeira e “máquinas de cerco”( outras fontes referem que estas máquinas incluíam muitos canhões). Um esquadrão de vinte galés reais acompanhava os navios reais que acompanhavam as tropas. Do Porto, sob a direcção do jovem Infante D.Henrique, partiu um grupo de várias galés e navios mercantes, equipados...

            Um projecto ou empreendimento pessoal ou corporativo pode ser estruturado e administrado de diversas maneiras, mas se o que se pretende é capital ou recursos de investidores, de bancos-“incubadoras” ou de outros órgãos de fomento, ou ainda se se pretende convencer outros parceiros a investir numa ideia, há que colocar na ponta do lápis o plano de negócios. No caso do Infante, esta “estreia” parece ser cuidadosamente preparada, e a frota que partiu rumo ao norte de África era um ensaio que resultava de muitos tempo de ponderação. Há notícia de que, quase dois anos antes, em Março de 1413, D.Henrique tinha mantido conversações com os mais experiementados generais de D.João I, com o intuito de preparar uma cruzada contra o Islão – existem motivos para supor que o mesmo projecto fora abordado pouco depois de concluída a paz com Castela, isto é, em 1411. Até há poucos anos, era apenas a crónica de Zurara a fornecer os elementos para este momento crucial da história do Reino e do Infante, todavia, novos documentos têm surgido capazes de fazer entender os preparativos navais da expedição. Nesses documentos destaca-se o conjunto de relatórios enviados de Portugal para Fernando I de Aragão, por Ruy Díaz de Vega, um agente secreto castelhano ao serviço do rei Fernando ( que era o soberano mais apreensivo quanto aos planos do monarca    português. Fernando temia que o objectivo português fosse uma cidade na costa marroquina. Nos tempos pré-islâmicos, o então território de Marrocos consistia na província visigótica da Mauritânia Tingitana, governada a partir de Toledo. Castela tinha pretensões sobre o território e uma iniciativa de João I de Portugal em Marrocos desagradava obviamente aos castelhanos. De uma carta assinada em Sacavém, Díaz diz a Fernando que o destino dos portugueses será Gibraltar ou Ceuta  ).

            Díaz relata a dimensão do exército expedicionário: 5400 homens de armas, 1900 besteiros montados e 3000 desmontados. Mais 9000 peões ( o que prefaz um total de mais de 19 mil homens ).  Díaz relata dados sobre tonelagem e quantidade da tripulação a bordo de cada um dos navios estrangeiros já fretados pela coroa portuguesa.

           Este momento propodêutico da tomada de Ceuta é sintomático no que se passará a seguir na vida e acção empreendedora do infante, acabado de sair da adolescência mas aparentemente figura primordial no protagonismo entre a elite dirigente portuguesa.

           Muitos elementos convergem para a posterior acção empreendedora do infante – e para o seu êxito. A sua ligação à Ordem de Cristo dota-o de meios materiais diversificados.      A Ordem era herdeira da extinta Ordem dos Templários, cujas riquezas eram famosas e incluíam os conhecimentos de navegação ( da Península Ibérica ao Médio Oriente ).

           Hoje sabemos que a Ordem de Cristo possuía cópias dos mapas do famosos Claudius Ptolomeus, o carógrafo de Alexandria ( segundo século da era cristã ), que mostravam o mundo romano, desde as Canárias à Taprobana ( na índia, cerca de cem quilómetros do Sri Lanka actual ). D. Pedro terá trazido ao irmão uma arca com mapas e um diário de uns irmãos venezianos, oferta preciosa dos Doges de Veneza. O diário seria o de Marco Polo, com muitas das suas anotações e os seus mapas preciosos. 

            Na lenda vasta em torno do infante, é hábito encontrar que terá fundado uma vila no promontório de Sagres, onde terá vivido ( romanticamente a olhar para as ondas do Oceano Atlântico, e a pensar na forma de intentar por elas as suas expedições descobridoras, ali fundado uma escola de navegação ). Parece, isso sim, ter-se fixado nos arredores, entre Budens e a Raposeira, a norte da estrada que liga estas duas povoações a Lagos, no bonito concelho de Vila do Bispo, no barlavento Algarvio. Curiosamente, ali ainda hoje se pode visitar a Ermida de Nossa Senhora de Guadalupe, pequena ermida recentemente recuperada datada do século XIII, com diversos elementos góticos numa base ainda românica que pertenceu à Ordem dos Templários e depois à de Cristo.

            Da escola de navegação nada se prova, a não ser a presença em Portugal de um cosmógrafo célebre, Jaime de Maiorga. Com ou sem escola formal, a verdade é que o acervo de mapas , portulanos e segredos de técnicas de navegar que permitiam ir voltar e, (extremamente importante) retornar a locais descobertos era o que de mais avançado havia na cartografia; o infante, soube reunir esse material e perceber que valia ouro, até porque permitia chegar ao ouro, e assim sendo protegeu cartógrafos, dando-lhes guarida e libertando-os das grilhetas dos corsários e piratas – percusores do actual “rapto de cérebros” - e aproveitando o que hoje se chamaria o seu know how, agindo mais uma vez com visão empreendedora.

            Nos arredores da sua Quinta da Raposeira, o infante terá estabelecido estaleiros e oficinas de construção naval.

            A partir das informações obtidas em Ceuta, todos os anos alguns navios tentaram explorações para o sul, no que resultou a série de descobrimentos, que imortalizaram a memória do infante D. Henrique. Em 1418, Bartolomeu Perestrelo descobriu a ilha do Porto Santo, cuja capitania lhe foi confiada com permissão de el-rei; e João Gonçalves Zarco acompanhado de Tristão Vaz Teixeira encontrou a Madeira; estas ilhas, contudo, já eram conhecidas, tendo sido descobertas no tempo de D. Afonso IV. D. Henrique, porém, não se limitou a dirigir as navegações, procurou colonizar as ilhas que se iam descobrindo. A Madeira, principalmente.

            Anos depois, em 1432, Gonçalo Velho Cabral, comendador de Almourol, encontrou as ilhas dos Açores. No entretanto, não eram as ilhas do Atlântico que cativavam os cuidados do infante.Vinte tentativas se haviam feito para dobrar o cabo Bojador, mas os navegantes sempre recuavam por terror supersticioso. Finalmente, D. Henrique armou uma barcha, cuja capitania confiou a Gil Eanes, seu escudeiro, que partiu cm 1433, e voltou sem nada ter adiantado (aportando às Canárias, retrocedeu com uns cativos). Tornou a embarcar em 1434, e conseguiu o que se pensava ser impossível:  dobrar o cabo de todos os temores. Em 1436, Afonso Gonçalves Baldaia, copeiro de D. Henrique, percorrendo a costa ao sul do Bojador, descobriu o Rio do Ouro, e desembocando na Angra dos Cavalos. Continuando para o sul chegou à Pedra da Galé. Em 1441 Nuno Tristão descobriu o Cabo Branco, em 1443 a ilha de Arguim, onde se estabeleceu uma feitoria, e em 1445 visitou a costa da Senegâmbia, chegando até Palmar. A seguir, Diniz Dias dobra o Cabo Verde; João Fernandes, em 1445, penetra no interior do Sudão e chega ao país dos Tuaregues, sendo o primeiro europeu que explorou o interior do continente negro até Taguor; no ano seguinte, 1446, Álvaro Fernandes descobre a Serra Leoa, e reconhece a ilha de Gorea; em 1457 o veneziano Luís de Cadamosto e o genovês António Nola, ambos ao serviço do infante, descobriram a Gâmbia; em 1460 Diogo Gomes descobriu o arquipélago de Cabo Verde, que Cadamosto pretendia haver descoberto, e que mais tarde se provou não ser verdade, pela relação do próprio Diogo Gomes publicada em 1847 pelo Dr. Schmelles, de Munique. 

            Quando se reformou a Universidade, em 1431, estando em Lisboa o infante, fez-lhe doação por escritura da 12 de Outubro, dumas casas que comprara na freguesia de S. Tomé. Em 25 de Março de 1448 fez mercê à mesma Universidade de 12 marcos de prata, anuais, e consignados nos dízimos da ilha da Madeira, para salário da cadeira de prima de teologia. Esta mercê foi confirmada por carta de 12 de Setembro de 1460, pelo que se lhe deu o título de Protector dos Estudos em Portugal.

            O infante D. Henrique faleceu em Sagres; o seu corpo foi depositado na igreja de Lagos, sendo dali trasladado para o convento da Batalha, em 1461, pelo seu sobrinho, o infante D. Fernando, filho de el-rei Duarte, a quem pouco tempo antes havia constituído herdeiro e adoptara como filho. D. Fernando veio a casar com sua prima D. Beatriz, filha do infante D. João, e foi o pai de D. Diogo, duque de Viseu, e de D. Manuel, duque de Beja, e rei de Portugal. Sobre o túmulo vê-se a sua estátua de pedra, que em relevo o representa ao natural, vestido de armas brancas. e coroado de coroa real entretecida de folhas de carvalho, e uma rosa no meio; tem nela três escudos: o primeiro com as armas do reino de Portugal e as suas, e nos outros dois as insígnias das duas ordens que professara, de Cristo e da Jarreteira. Foram sua divisa uns ramos pequenos, e curtos como de carrasco com seus frutos pendentes, e por mote em língua francesa as palavras: Talent de bien faire. Esta divisa também se vê no túmulo, tendo por baixo numa só linha, em todo o comprimento do túmulo, um epitáfio em letra alemã. El-rei D. Manuel mandou colocar também o seu retrato na estátua de mármore sobre a coluna, que divide a porta travessa da igreja de Belém, como fundador da antiga ermida de Nossa Senhora do Restelo, que existiu primeiro naquele local. ( Todas as representações do infante desmentem aquela que o destaca nos painéis de São Vicente, com chapéu borgonhês e bigode, mais uma das lendas que o ornamentam ). O seu empreendeorismo é inequívoco e assina uma das páginas mais importantes da nossa história, capaz de encarar o Mundo e dar-lhe novos mundos... 

 

BIBLIOGRAFIA

HONRADO, Alexandre, Isabel de Aragão, a Rainha dos Templários, Lisboa, 2009

LABOURDETTE, Jean-François, História de Portugal, Lisboa, 2003

MATTOSO, José, A Nobreza Medieval Portuguesa, A Família e o Poder, Lisboa,       1987-, Ricos-Homens, Infanções e Cavaleiros, A nobreza medieval portuguesa nos séculos XI e XII, Lisboa, 1982

- Portugal Medieval, novas interpretações, Lisboa, 1985

SARAIVA,  José Hermano, Dicionário Enciclopédico de História de Portugal, Lisboa

RUSSEL, Henrique o navegador, Livros Horizonte, Lisboa. 2004.

SUCENA, Eduardo, A epopeia templária e Portugal, Lisboa, 2008

ZURARA, Gomes Eanes de, Crónica da Tomada de Ceuta por El-Rei D.João I, ed. Francisco Maria Esteves Pereira, Lisboa, Academia das Ciências de Lisboa, 1915

 

Alexandre Honrado, jornalista, escritor, professor e investigador (na área da História, membro do CLEPUL -Centro de Literaturas e Culturas Lusófonas e Europeias e do IECC-PMA (Instituto Europeu de Ciência da Cultura-Padre Manuel Antunes).

Nasceu em 1 de Novembro de 1960, na cidade de Lisboa.

Tem quase uma centena de livros publicados, alguns premiados e traduzidos, a maior parte dos quais para a infância e para a juventude. Tem escrito, encenado, produzido e realizado regularmente teatro, televisão e cinema. Como investigador trabalha atualmente no âmbito da História das Religiões.

 
 

 

 

 




 



hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano