Vítor Oliveira Jorge

Electri-Cidade - Index

2

intrusão

 

Na casa nunca se sabe que horas são.

Talvez o xadrez do chão.

Talvez as caneluras das paredes.

Talvez os caixilhos das janelas.

Talvez os varões das escadas.

 

Mas o conjunto, não.

Os aparadores não sabem.

Os candeeiros não acendem

Nem apagam.

Os quadros desapareceram.

 

E quem desce ou sobe

Não se decide a continuar,

Suspende-se

No local de todas as possibilidades.

 

É assim que pode entrar a luz,

O seu véu de noiva tonta, louca,

Arrojada pelo chão,

 

Irrompendo para onde

não foi sequer convidada.

TriploV, 1.11.2008

Conjunto de 10 poemas para o livro
ELECTRI-CIDADE
(a publicar em 2009)

Vítor Oliveira Jorge. Nasceu em Lisboa em Janeiro de 1948.
Formou-se em História na Faculdade de Letras daquela cidade em 1972.
Desde Setembro de 1974 é docente da Faculdade de Letras do Porto, onde se doutorou em 1982.
Poeta, arquéologo, ensaísta, dirigente associativo, tem tido uma actividade diversificada.
 

 

 

 




 



hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano