Vítor Oliveira Jorge

Electri-Cidade - Index

8

ante ti, desfaleço

 

Pode-se cortar o fogo com uma faca

Sobretudo aqui

Em frente à tua face

Onde o fogo arde

Nas lâminas das facas há muito erguidas.

 

Pode-se cortar o fogo na vertical.

Como se esquarteja um rosto

Como se bate num touro de frente

Pode avançar-se para a faca com o fogo.

 

Pode ter-se os rostos todos alçados

Em fachadas de sangue. E sim, pode-se

Cortar esse sangue com os gumes do fogo,

Sobre a tua cara, sobre a tua face.

 

Pode-se cortar o corpo em dois.

E pôr uma metade sobre o templo

E outra ao pé do teu seio.

E o sol pode estar a pôr-se,

Ou a levantar-se, não interessa.

 

É o mesmo fogo.

 

O fogo que corta o dia, as facas que se erguem na vertical

Para passarem para o dia seguinte.

 

Pode-se tudo. Pode-se desfalecer

De tanto poder.

Perante as fachadas atónitas, os bustos batidos

Pode-se até morrer.

 

 

homenagem a herberto helder

TriploV, 1.11.2008

Conjunto de 10 poemas para o livro
ELECTRI-CIDADE
(a publicar em 2009)

Vítor Oliveira Jorge. Nasceu em Lisboa em Janeiro de 1948.
Formou-se em História na Faculdade de Letras daquela cidade em 1972.
Desde Setembro de 1974 é docente da Faculdade de Letras do Porto, onde se doutorou em 1982.
Poeta, arquéologo, ensaísta, dirigente associativo, tem tido uma actividade diversificada.
 

 

 

 




 



hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano