TITO IGLESIAS

POEMAS . INDEX

Enigma com mãos enluvadas de sangue
(poema dedicado a duas sábias mãos que dirigem o timão do sobrerrealismo
lusófono em ambas as margens do Atlântico: Cruzeiro Seixos, em Lisboa,
e Sérgio Lima, em São Paulo).

Quando o estrangeiro sotaque de rangidos
premiu o teclado dos últimos degraus,
nem um só retrato pintado
deixou de ficar lívido...
(E todos trocaram de moldura...)

O espelho ofereceu a Face Baça,
temeroso dos fragmentos,
ao ímpeto da Bofetada Escura.

A Porta de Bruma escancarou-se
sem que a mão enluvada de sangue
sequer tocasse a fechadura...

E o chão tornou-se ondulado,
subindo até, em certos pontos,
a mais de um metro de altura.

Mesinhas e jarras de flores,
devido à forte vibração,
com Terrível Estrondo caíam!

E ao longo de Três Fachadas,
janelas passaram a Frestas
com Milímetros de largura.

Era o Irrespirável Vestido de Fumaça.
Chegara o Homem sem Tronco
com sua Curtíssima Túnica.

(Poema publicado, pela vez primeira, na Revista literária Sol XXI, em Março/Junho de 2000, sendo directores da mesma, Luisa de Andrade Leite e Vítor Wladimiro Ferreira).










Tito Iglesias. Poeta em Português de nacionalidade espanhola, residente em Paço d'Arcos (Lisboa), de teor surrealista, com larga vivência no Brasil. Membro da Academia Brasiliense de Letras.

 

 

 




 



hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano