:::::::::JOANA RUAS:::

ROTEIRO DE ALGUNS TEMAS AFRICANOS
elaborado por Joana Ruas a partir do seu romance

"A PELE DOS SÉCULOS" - INDEX

4ª Ficha
A busca da criança

A partir da personagem Julieta, uma mulher cuja maternidade frustrada a encaminha para a guerra com a intenção de nela achar um filho, aborda-se alguma  mitologia que envolve o nascimento e a morte dos nascituros e ainda como em toda a África sub-saariana, se prossegue sem descanso a busca  apaixonada da criança tida como um bem supremo.

 «O sinal exterior desse seu estado de nojo era o traje de homem e a cabeça rapada. O seu exílio da aldeia natal não se devia a quaisquer delitos mas às misérias de uma maternidade duas vezes frustrada. Por duas vezes concebera, por duas vezes a sua criança viera aninhar-se no seu ventre e, por duas vezes, nascera morta. Ninguém encontrava explicação para o infeliz insucesso da sua maternidade. Nem os mais seculares dos velhos chamados a depor sobre o assunto sabiam especular sobre os motivos que levavam a sua criança a renunciar, no último momento, à vida, depois de durante nove meses viver alegremente dentro dela alimentando-se da seiva das suas entranhas. Ainda sentia os seios túrgidos de um leite que parecia destinado aos mortos. Como a criança não havia tido coragem para nascer  nas terras duras deste árduo mundo, havia-a deixado como a uma fonte que com a mágoa ia secando.

Na trágica guerra, quem saberia se uma avezinha caída do ramo mais alto, ou de um desolado ninho baloiçando de um beiral roto pela tempestade ou por um bombardeamento, quem sabe se essa avezinha-criança, condenada pela guerra `orfandade e ao desamparo, não cairia no abrigo dos seus braços maternais? Lutaria para alcançar esse filho nem que fosse com uma arma na mão, varando os pântanos sangrentos da guerra. Iria procurar esse criança estupenda que havia tido o arrojo de nascer para logo ficar órfã!
............................................................................................................
«Sem ti, criança, a minha feminilidade jamais atingirá a plenitude e não poderei dizer que sou mulher. Como um arrozal estéril, como uma nuvem que não chove, serei mãe, sem ter sido verdadeiramente mulher pela luz dos peitos regurgitando leite. Jamais serei daquelas que tendo parido mais vezes é louvada ao mesmo título que o guerreiro e o lutador de maior mérito. Jamais, jamais usarei, como os mais valentes guerreiros, o pano azul escuro dos que lutam pela última vez.»

E O DRAMA DA MUTILAÇÃO GENITAL

A excisão  é uma castração  que  faz com que o corpo da mulher retroceda para os limbos do fora-do- sexo.

No romance A PELE DOS SÉCULOS, o jovem Amílcar e a jovem fula Maryama apaixonam-se. Maryama fora submetida à prática da excisão e da infibulação.

Amílcar afagou-a e, enquanto lhe limpava do rosto molhado das lágrimas recentes as manchas de argila branca, respondeu:

— Mulher mutilada no sexo, o meu coração desposa-te para sempre. Jamais te esquecerei. Como dizem vocês, os fulas, aquele que aprendeu sem compreender; aquele que compreendeu sem aprender; aquele que nem aprendeu nem compreendeu, estes três provocarão, um dia, a destruição da África. Destinaram-me para, como soldado, poder morrer gloriosamente na guerra, e a ti, como mãe, para enfrentares gloriosamente a morte durante o parto. Deus sabe se sobreviveremos.
............................................................................................................
Amílcar partiu em busca de Gwarava que levara a sua boiada para novas pastagens. Pensava, enquanto caminhava, como era, agora, importante ir para a guerra. O que tanto lamentara era, naquele instante, um objectivo urgente de alcançar. Não queria ir para a guerra para combater mas para lutar por um lugar que lhe permitisse mudar a condição de tantas Maryamas que viriam a nascer e a sofrer a mutilação dos seus órgãos sexuais em nome da higiene. A África não acedera, verdadeiramente, à Independência, estava apenas a lutar contra a herança colonial. Enquanto assim fosse, a África fechar-se-ia sobre os seus ritos para preservar uma identidade sempre ameaçada do exterior, não tendo, por isso, tido o tempo suficiente e a possibilidade de se repensar. E, com as lágrimas de novo incontidas a deslizarem-lhe pela face, estugou o passo enquanto murmurava para consigo:«Ó África, os homens que lutaram pela tua libertação traíram as tuas mulheres não as libertando da escravidão dos velhos costumes mutiladores! »

JOANA RUAS. Escritora portuguesa. Obras:

Na Guiné com o PAIGC, reportagem escrita nas zonas libertadas da Guiné em 1974, edição da autora, Lisboa, 1975;no jornal da Guiné-Bissau , Nô Pintcha, redige, em 1975, a página de literatura africana de língua portuguesa. Traduz textos inéditos de Amílcar Cabral escritos em língua francesa e recolhe na aldeia de Eticoga (ilha de Orangozinho, arquipélago dos Bijagós), a lenda da origem das saias de palha; Corpo Colonial, Centelha, Coimbra, 1981 (romance distinguido com uma menção honrosa pelo júri da APE; traduzido em búlgaro); Zona (ficção), edição da autora, Lisboa, 1984 (esgotado); O Claro Vento do Mar, Bertrand Editora, Lisboa, 1996; Amar a Uma só Voz ( Mariana Alcoforado nas Elegias de Duíno), Colóquio Rilke, organizado pelo Departamento de Estudos Germanísticos da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa,  Edições Colibri, Lisboa, 1997 e publicado no nº 59 da  revista electrónica brasileira AGulha (www.revista.agulha.nom.br;  A Amante Judia de Stendhal (ensaio), revista O Escritor,  n.º 11/12, Lisboa, 1998; E Matilde  Dembowski ( ensaio sobre Stendhal), revista O Escritor, nº13/14, 1999 ; A Guerra Colonial e a Memória do Futuro, comunicação apresentada no Congresso Internacional sobre a Guerra Colonial, organizado pela Universidade Aberta, Lisboa, 2000; A Pele dos Séculos (romance), Editorial Caminho, Lisboa, 2001; tem publicação dispersa em prosa  por vários jornais e  suplementos literários. Participou  com comunicações nas Jornadas de Timor da Universidade do Porto sobre cultura timorense e sobre a Língua Portuguesa em Timor na S.L.P. A sua poesia encontra-se dispersa por publicações como NOVA 2 (1975), um magazine dirigido por Herberto Helder; o seu poema Primavera e Sono com música de Paulo Brandão foi incluído por  Jorge Peixinho no 5º Encontro de Música Contemporânea promovido pela Fundação Gulbenkian e mais tarde incluído no ciclo Um Século em Abismo — Poesia do Século XX realizado no C.A.M.;  recentemente  publicou poesia nas seguintes publicações : Antologia da Poesia Erótica, Universitária Editora; Cartas a Ninguém de Lisa Flores e Ingrid Bloser Martins, Vega ; Na Liberdade, antologia poética, Garça Editores; Mulher, uma antologia poética integrada na colecção Afectos da Editora Labirinto; Um Poema para Fiama, uma antologia publicada pela Editora Labirinto; excertos do seu romance inédito, A Batalha das Lágrimas foram publicados em Mealibra,  revista de Cultura do Centro Cultural do Alto Minho.Na revista Foro das Letras foi publicado o seu  Caderno de Viagem ao Recife.

 
 

 

 

 




 



hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano