HELENA FIGUEIREDO:
AO SABOR DA PELE

PROSAS

Renascer
Doce Infância
A Menina de Negro
Êxodo
Cegueira

POEMAS

Atípico
Liberdade
Leva-me contigo, pastor
Enleio
Tentação
Ninguém
Tabu
Poema sentido
Um dia sem ti
Vendaval

RENASCER
Para um grande poeta

Perguntavas-me outro dia, por onde andava a minha poesia, se já teria morrido em mim. Relembraste os famosos cadernos de capa negra, relatos míticos, interditos, de uma adolescência contida, que sempre desejaras ler.
Nessa altura, cada folha branca era um lençol, acolhendo amores e desventuras, desejos e loucuras e lágrimas também. Amontoados de segredos, simplesmente meus. Era aí que morava a poesia.
Depois, o tempo passou.
A poesia saltou do papel e entranhou-se na vida. A tinta foi suor e a caneta uma enxada em terra remexida, com sementeiras e muitos frutos colhidos pela manhã: peras, maçãs, pêssegos, uvas, kiwis, tudo ali na nossa mão, como no princípio dos tempos.
E as rosas, meu Deus! Braçados e braçados, lembrando arco-íris no estreito caminho para casa.
A minha velha casa, onde a poesia se espalhava nos livros, nos retratos de parede, nas longas conversas no pátio. Embalei meus filhos, mas era ela que docemente cantava, baloiçando o bercinho de madeira.
Por vezes quase me abandonou. Quando os mundos pareciam quadrados de erva daninha onde a semente gretava sedenta e sem esperança… Mas mesmo fraca, estilhaçada, voltava rompendo a escuridão dos dias tristes.
Viveu comigo, afagou-me a boca, adocicou-me as palavras na hora das guerras e dos desencantos.
Foi minha companheira em noites mal dormidas, onde a guitarra, numa morna de Cesária era uma oração suplicante, pedindo aos céus algum alento para o amanhecer.
Atirei-a como pérolas aos olhos das crianças, aos doces sorrisos, como quem dá um colo. Muita aí ficou, e fez nascer bravos cavaleiros e lindas princesas em palácios de chocolate.
Envolvi-a em todos os abraços, em cada paixão, nas horas de amor.
Quantas vezes me foi devolvida em ódio, desprezo, incompreensão, preconceito daqueles que nunca tocarão uma só estrela.
Apeteceu-me atirá-la ao mar, envolta num cordelinho. Mas logo, tal Camões, um desejo ardente no meu peito segurando na mão a coisa mais preciosa da minha vida.
E agora, caro amigo, depois de tantos anos, ei-la que volta, pura, original, deslizando no papel, como quem alegremente regressa ao ventre quente de sua mãe.

Helena Figueiredo nasceu em 9 de Março de 1959, numa pequena aldeia do concelho de Carregal do Sal, distrito de Viseu. É licenciada em Educação de Infância, e desde os 21 anos que trabalha com crianças entre os 3 e os 6 anos. Entre 2003 e 2006 prestou assessoria ao Conselho Executivo do Agrupamento de Escolas de Carregal do Sal.
Entrada no TriploV: Abril de 2008
 

 

 

 




 



hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano