CLÁUDIO PORTELLA.................

Entorpecentes - Index

Para alguém com a boca amarga

Se até às dezessete, no mínimo um disco voador não baixar,
deixo a casa, o mar.
Como deixo a autocrítica.
Essas palavras próximas umas das outras.
Feitos meus dedos e essa caneta roubada.
Feito o que li numa cadernetinha:
“Júlio Cortázar ver a pintura surrealista,
detonando lingüística em suas cores e formas.”.
“Li um livro que ia das idéias contemporâneas de Fausto,
às idéias marxistas vigentes.”.
Tudo é tão banal como arrotar.
Como ler Adélia Prado e pensar em se matar.
Pois o que é a morte, senão esperar esperar esperar
esperzzz zzz zzz...
E eu espero sem dormir
um objeto em forma de solidariedade cristã.
Em nome do pai, do filho e do espírito santo.
Amém.

Uma notícia biográfica, por ele mesmo [agosto/2000]:

Cláudio Portella, 27 anos. Escritor e Poeta. Legítimo representante da vanguarda contemporâneo na poesia brasileira. Nunca pertenceu a grupos. Acredita que a poesia atual, pois para ele nada é novíssimo, possui como característica o individualismo. Não o individualismo transparente, do qual refere-se Allen Ginsberg, quando interrogado acerca do que seria nudez na poesia, e esse imediatamente tirou a roupa.

O intimismo de Cláudio Portella, não é coeso, não é translúcido, não é emblemático, não é panfletário. Mas falho, caótico e doentio. Sua poesia busca cobrir a falsa moral, desdizer o lengalenga dos intelectuais, dos doutos que apontam os falos alheios comparando-os aos seus.

A poesia de Cláudio Portella é uma velhinha de 4000 anos, que sobe ao palco para declamar seus versos, de botas, gibão e guarda-chuva.

Jornal de Poesia.
http://www.revista.agulha.nom.br/cportella.html#bio
 
 

 

 

 




 



hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano