ANTÓNIO JUSTO...

Corruptos como Manequins da Nação Portuguesa
“COMO O ESTADO GASTA O NOSSO DINHEIRO”

Portugal é um país pequeno em que o governo não sabe do povo nem o povo sabe do governo. A economia não sabe das finanças nem a política sabe do país. Um país de sociedades secretas e de grupos empertigados e fortes, a viverem nos guetos das importâncias, que não conhecem cidadania mas apenas clientelas.

Um país com uma grande cultura e um grande povo, mas desencontrado a caminho da desintegração social e cultural. O povo para desabafar fala do “Marrocos de baixo” e do “Marrocos de cima”!

Este mesmo povo admira o grito de liberdade e justiça que vai pelo mundo fora e esquece-se de ver o que vai em casa para gritar. Naturalmente que os que possuem o saber e o poder vivem bem em Portugal e na Europa. Os cenários do futuro não são tão róseos como parecem. Facto é que a incompetência e arrogância da classe dirigente de Portugal têm arruinado Portugal e as gerações do futuro. 

O livro “Como o Estado gasta o nosso Dinheiro” de Carlos Moreno, juiz jubilado do Tribunal de Contas, mostra à base de exemplos a incapacidade governativa dos políticos. Carlos Moreno, não critica apenas, ele é objectivo e aponta caminhos a seguir para um Estado sério gerir os dinheiros públicos. Um livro que deveria ser lido por políticos e jornalistas em todo o mundo lusófono, porque as propostas que faz solucionariam muitos problemas e proporcionariam uma relação sadia entre Estado e seus parceiros e um funcionamento produtivo dos órgãos de Estado entre si.

Como refere o livro, a dívida externa bruta portuguesa (pública + privada) atingiu em 2009 os 223% do PIB. O Estado assumiu em 2009 contratos dos PPP (empresas contratadas pelo sector público) no domínio das infra-estruturas de transportes e de saúde em cerca de 50 mil milhões de euros a pagar pelas gerações futuras.

O Governo criou os PPP (Parceiros Público-Privados), chamando assim o sector privado a tudo o que poderia vir a dar, de momento, dividendos políticos aos governantes e a encobrir o endividamento progressivo do Estado. O Governo também se aproveita dos PPP para o seu favoritismo, baseado na conivência com sociedades secretas e com amigos da ideologia partidária ou da ocasião.

Os processos de concurso são submetidos a exigências administrativas arbitrárias sem competência e sem transparência. O governo, para melhor precaver o seu favoritismo, não se preocupa com o controlo orçamental de encargos assumidos por empresas de conivência público-privadas. Não recorre a pessoal externo para controlar. A nível de PPP Portugal é considerado, na EU, um mau exemplo na sua gestão. Usam-se da democracia para anonimarem o roubo e o nepotismo duma partidocracia cimentada em sociedades secretas e organismos com redes internacionais (vide maçonaria e irmandades partidárias internacionais) acalentadas por uma mentalidade arrogante e sobranceira, sem consciência de povo nem de nação.

 

Um País corrompido por Dançarinos do Poder
no Flamenco da Ostentação

“Portugal é o país da Europa com maior percentagem de PPP, que afogam os contribuintes em dívidas… com 1.559 mil milhões de euros de empréstimos, seguido da França com 467 mil milhões”. A casta política serve nos PPP os seus servidores com lugares compensadores à custa do Estado. O livro, de Carlos Moreno, mostra com exemplos escandalosos como, no caso do concurso do Metro Sul do Tejo em 2009 os encargos do Estado já iam em 350 milhões de euros. A renegociação das concessões SCUT (auto-estradas) passa para o regime de cobrança de portagens, sobrecarregando assim o contribuinte em “cerca de 10 milhões de euros, favorecendo assim os boys das concessionárias e evitando a concorrência. Neste paradigma duma administração de amigalhaços, o Estado assume os riscos! “As previsões de custos das obras públicas chegam a ter derrapagens financeiras de 300%. Os contratos dos PPP, cada vez que são renegociados com os privados, acarretam mais e mais encargos pra os contribuintes… Nunca existem responsáveis e nada acontece.”

Através das empresas públicas, o Estado cria novas dívidas, à margem do orçamento do Estado, branqueado assim as estatísticas, tal como fazem com muitas estatísticas apesar duma política orientada para a estatística enganadora. Assim se falsifica o défice orçamental, se engana o povo e se evita um controlo externo sério. Trata-se de encargos públicos que “nem as gerações presentes nem as futuras vão conseguir pagar sem muito penosos e longínquos sacrifícios”.

Encontramo-nos perante um Estado irresponsável sem precisão nem rigor nas decisões. A EU é conivente, não sendo rigorosa na análise relativamente a Portugal, porque por detrás de tudo isto se encontram redes internacionais de grande influência, também a enriquecer à custa do povo sistematicamente marginalizado e dos países pequenos, onde a corrupção é mais fácil de se encobrir. Nos PPP o Estado assume os riscos sem se preocupar com rentabilidades. Alteram a matriz de riscos inicial favorecendo os seus parceiros. Entre outros métodos para verem adjudicados os projectos fazem uma proposta de projecto baixa sabendo que o poderão ir buscar depois! No povo corre a voz de que nestas empresas são aquartelados os irmãos da maçonaria e os boys e girls dos partidos. Sob este guarda-sol vive bem a chusma dos Doutores e dos feitores da opinião pública que vive acomodada à sombra da boiada assegurada a nível internacional, nacional, distrital e concelhia.

“Projectos de PPP… devem ser transitoriamente suspensos, em nome da sustentabilidade orçamental e por os PPP se terem tornado não competitivos”.

Os boys e os pseudo-intelectuais do regime não permitirão tal nem têm nada a recear porque conseguiram traumatizar o povo. São os herdeiros dos barões oportunistas das revoluções (cf. invasões francesas)!

O Tribunal de Contas (TC) faz parte do problema não podendo, por isso, evitar a catástrofe do endividamento público. As auditorias não são independentes. O presidente do TC é nomeado pelo governo que nomeia também dois dos cinco membros do júri do TC.

O sistema tem sido mantido, sobre as várias repúblicas, devido à rede subjacente ao sistema integrada em diferentes irmandades internacionais, que facilitam assim encobrir a dimensão da corrupção do sistema português. Tudo fachada e accionismo para inglês ver! O parasitismo dum baronato político e intelectual arraigado ao Estado é o responsável pela má administração dum povo trabalhador que se vê obrigado a emigrar para ir enriquecer outros povos e estabilizar o mandarinato português com as remessas.

O sistema partidário português carece, em muitos sectores, de valores e atitudes comportamentais e de espírito translúcido para poder levar o Estado a ser eficiente. Surgiram da cultura dos barões.

Da revolução francesa assumiram os vícios que se manifestaram na primeira República e foram fielmente transmitidos, de geração em geração, por redes de clubes de homens que cultivam neles as mentalidades combatidas pela carta da independência americana. Em nome da república e do progresso destroem a nação e enfraquecem o povo.

À mesa do Orçamento do Estado sentam-se 14.000 entidades que “no todo ou em parte são alimentados por dinheiros públicos”. O Governo administra com decretos-lei ou despachos “visando situações casuísticas, para afastar o regime normal de contratação”. Assim favorece, com concessões e adjudicações a sua rede parasita que poder contar sempre com a aval do Estado e com outras garantias públicas.

Os políticos limitam-se a apresentar as contas ao país sem prestar contas por elas. A incompetência demonstrada, ano por ano, na gestão pública e política, não receia consequências.

Pobre Portugal, todo feito de ambivalências e antagonismos, gerido por “elites” irresponsáveis que não conhecem país nem povo! Portugal empobrecido por uma sociedade de ladrões anónimos que enriquecem à custa do roubo legalizado que fazem ao povo.

Boa noite Portugal! Quando começas a ser povo e nação?

António da Cunha Duarte Justo
<mailto:antoniocunhajusto@googlemail.com> antoniocunhajusto@googlemail.com
<http://www.antonio-justo.eu> www.antonio-justo.eu

ANTÓNIO da Cunha Duarte JUSTO . Nasceu em Várzea-Arouca (Portugal). E-mail: a.c.justo@t-online.de.

Professor de Língua e Cultura Portuguesas, professor de Ética, delegado da disciplina de português na Universidade de Kassel .

PUBLICAÇÕES  

- Chefe Redactor de Gemeinsam, revista trimestral do Conselho de Estrangeiros de Kassel em alemão com secções em português, italiano, turco, françês, grego, editada pela cidade de Kassel, tiragem 5. 000 exemplares.

- Editor da Brochura bilingue: "Pontes Para um Futuro Comum – Brücken in eine gemeinsame Zukunft", editada na Caritas, Kassel

- Editor de "O Farol" , jornal de carácter escolar e social em colaboração com alunos, pais e portugueses das cidades de Bad Wildungen, Hessisch Lichtenau, Kassel, Bad Arolsen e Diemelstadt( de 1981 a 1985)

- Editor de „Boletim da Fracção Portuguesa no Conselho de Estrangeiros de Kassel (1984)

- Autor da Brochura „Kommunalwahlrecht für Ausländer – Argumente“ editada pela Câmara Municipal de Kassel, Fevereiro de 1987.

- Co-autor da Brochura „Ausländerbeiräte in Hessen - Aufgaben und Organisation“, editada pela AGAH e Hessische Landeszentral für politische Bildung, Wiesbaden, 1988.

Colaborador de vários jornais e do programa de rádio semanal de português de Hamburgo.

http://blog.comunidades.net/justo

 

 

 

 




 



hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano