ANTÓNIO JUSTO...

NATAL PARA TODOS

Natal, é a luz da vida

No frio da estação a brotar

É o aro das cores de Abril

No alvo da vista a acenar



É festa, stress, bolos, círios,

Parabéns, beijos e lágrimas

Encanto união convívio

Num só abraço ritual



Até das gretas da fraga

O amor viçoso desperta

Jesus na natura a se erguer

Num sol de carinho a dizer:

Não me vês a mim no outro?

Faço anos todos os dias!



É um vaivém de sonhos adiados

A viver de migalhas da rua

Em grutas tóxicas, sem abrigo

Noutros mesmo descarrilados



É o mundo da desarmonia

Dos natais não festejados

Na rua do dia a dia

Perdido de se encontrar

***

São sonhos engalanados em ruas iluminadas

Um incêndio de consumo em chama de ilusão

A saudade a abanar nas roupas da multidão

Uma confusão de compras, “Boas Festas”, “Desculpas” “Santinho”

A prendarem “encontrões”, “não tem de quê”, “Feliz natal”



É vida a saldo de vidas aladas

A pretexto do adorno da vida

Sob o guarda-chuva dum pobre menino,

E à custa dum deus bem-comportado



É hora dos magos do teatro da praça

Senhores sedutores de viseiras no rosto

Mandam o menino à fava, lá pró deserto

Ocupam tudo, é deles esta arena



Também no mofo do meu guarda-fato

Pendurada está a fé dum pé-descalço

Dum proletário, a vida dura a lembrar

E eu, a passar alheio no trilho do habitual

Sem ser Jesus, para o Jesus a esperar

***

A matilha desce à arena

Na dança de Mal e Bem

São os donos cá da terra

Seu natal a louvar também



Ao tilintar dos cristais,

Sob o holofote da atenção

No absurdo do Presépio

Dança o requinte do Banco



No seu mercado de estrelas

Brilha também o pinheiro

Só de consumo enfeitado

É natal prós do dinheiro



Lá no turbilhão da praça

Da poeira de seus gestos

Deixam a enganar a vista

Só fita, embrulho e laço



Na rua só, um gemido de Belém

Na folha arrastada pelo chão

Jesus de novo a sós co’ ele

No breu não luz mais ninguém



Adeusinho! Até pró ano

Meu Jesus de encomenda

Natal só brilho de laço

A unir a nossa prenda!

***

O estábulo continua sujo

Animais à má sorte vendidos

E José sempre desempregado

Natal, pensado mas não vivido!



Nas vitrinas da realidade

Não há prendas, não!

Para os que nada têm

Só natal em segunda mão



A aquecer a minha mão

Crepitam os sonhos dos outros

Que lenha do seu direito são

Na minha lareira a arder

***

No rosto de meus filhos

Minha infância rebrilha

Hoje como então é festa

À meia-noite é já dia



Vamos desvendar o natal

Para incendiar a praça

Não queremos viver mal

Sob o gelo da desgraça



Nas favelas da vida negra

A fé treme já de frio

Vamos acender as velas

Com fósforos de justiça



Viva a consoada

Vamos ao presépio,

À maternidade

Celebrar com todos

A fraternidade

***

Natal a dar de si,

É arte do viver sem nada

Natal a dar do outro,

É luz a dar-se a cada!

Natal mais que estar é ser

No semear sem colher

 

ANTÓNIO da Cunha Duarte JUSTO . Nasceu em Várzea-Arouca (Portugal). E-mail: a.c.justo@t-online.de.

Professor de Língua e Cultura Portuguesas, professor de Ética, delegado da disciplina de português na Universidade de Kassel .

PUBLICAÇÕES  

- Chefe Redactor de Gemeinsam, revista trimestral do Conselho de Estrangeiros de Kassel em alemão com secções em português, italiano, turco, françês, grego, editada pela cidade de Kassel, tiragem 5. 000 exemplares.

- Editor da Brochura bilingue: "Pontes Para um Futuro Comum – Brücken in eine gemeinsame Zukunft", editada na Caritas, Kassel

- Editor de "O Farol" , jornal de carácter escolar e social em colaboração com alunos, pais e portugueses das cidades de Bad Wildungen, Hessisch Lichtenau, Kassel, Bad Arolsen e Diemelstadt( de 1981 a 1985)

- Editor de „Boletim da Fracção Portuguesa no Conselho de Estrangeiros de Kassel (1984)

- Autor da Brochura „Kommunalwahlrecht für Ausländer – Argumente“ editada pela Câmara Municipal de Kassel, Fevereiro de 1987.

- Co-autor da Brochura „Ausländerbeiräte in Hessen - Aufgaben und Organisation“, editada pela AGAH e Hessische Landeszentral für politische Bildung, Wiesbaden, 1988.

Colaborador de vários jornais e do programa de rádio semanal de português de Hamburgo.

http://blog.comunidades.net/justo

 http://antonio-justo.blogspot.com/

 

 

 




 



hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano