ANTÓNIO JUSTO...

O Universo – Filho de Pai incógnito?
Como chegar ao Tempo antes do Tempo

Vivemos num mundo maravilhoso em que a massa consciente procura situar-se, através da investigação do rasto da sua origem, na massa do universo e do seu sentido. Para isso desenvolvem-se os mais diversos modelos de criação. A história da criação teológica (bíblica) descreve a criação do universo e do mundo num longo processo de seis dias (épocas) através da intervenção divina; por outro lado, a física contemporânea faz começar a história da criação com a teoria do Big Bang (grande estrondo). Segundo esta, a origem do mundo e do tempo, teria o seu ponto zero no estoiro primordial anónimo que teria dado origem às partículas elementares, aos átomos e às galáxias.  

Os modelos da ciência física quântica perdem o rasto da criação ao imaginar as astronómicas temperaturas e a densidade extrema da energia junto do Big Bang. Para desviar e tentar evitar o mistério outros físicos falam já dum tempo antes do Big Bang ou seja dum tempo antes do tempo. Uma questão que pertence já à filosofia e à teologia atendendo a que a ciência, com o seu carácter experimental está condicionada ao criado, ao tempo. Para chegarmos ao tempo antes do tempo, segundo a própria teoria da relatividade, teríamos de viajar com uma velocidade superior à da luz e assim antecipar-nos ao espaço e ao tempo. Aí a realidade passaria a ser meramente espiritual, mera potencialidade.  

A teoria da relatividade calcula que a matéria próxima do ponto zero perde o seu carácter físico. Isto é um banho de água fria e atemoriza uma física sem vocação para espiritualidades. Para fugir à questão muitos físicos servem-se da Teoria da Gravidade Quântica em Loop (ou Teoria da Gravitação  Quântica em Laços) dividindo o tempo e o espaço em pequeníssimas unidades, partículas tão pequenas que se tornam impossíveis à observação, reduzindo-os a uma espécie de átomos espaço-tempo.  

Assim, através de fórmulas matemáticas puramente abstractas evitam a chegada ao ponto zero da matéria, ao Big Bang. Se considerarmos o universo um balão de ar, mesmo que teoricamente possamos tirar o ar ao balão, este não desaparecerá e pressuporá algo por detrás dele. Mesmo a pressuposta existência de outros universos anteriores ou paralelos são tentativas de explicação úteis mas não certas, parte da  realidade especulativa. A cosmologia tem lugar para as mais diversas teorias que vão duma criação superior, existência de universos paralelos, cíclicos ou mesmo eternos. Mesmo que conseguíssemos saber a idade do mundo ficaria margem para se especular sobre diferentes modelos e por determinar a sua filiação. 

No meio das teorias, a Teoria das Cordas ou Teoria das Supercordas procura a fórmula do mundo. Ela descreve a matéria de maneira quase espiritual, nas suas partículas elementares mas tropeça no tempo e no espaço. Por outro lado a teoria Loop descreve o tempo e o espaço mas tropeça na matéria tempo – espaço.  

Quem se embrenha no mundo das teorias da relatividade e da física quântica constata que tal como a teologia se esconde atrás de Deus, a física se esconde atrás da matemática. A especulação é tão variada e abstracta que até os peritos têm dificuldade em compreender a própria teoria, chegando uns e outros a um lugar comum: o mistério!  

Talvez a teologia, em especial a teologia do mistério da Trindade apresente um modelo conciliador de realidade. Para isso tanto a teologia como a física terão de soar um bocado. Agradável é constatar que uns e outros se tornam mais humildes e mais conscientes da complementaridade de saberes e da complementaridade da realidade.  

A física clássica, que, até há pouco, afirmava à boca cheia que todo o existente se reduzia a matéria física num mundo ordenado segundo leis causais, reconhece agora, nos andares superiores do saber científico, que a imaterialidade é a outra face da matéria e que as velhas leis da física não são gerais vendo mesmo contrariado o seu tão sagrado (científico) mecanicismo e o determinismo, ainda em voga numa mentalidade moderna anacrónica. A vantagem da física quântica está em ultrapassar a teoria newtoniana da física clássica e em ter descoberto a imaterialidade como a outra face da matéria. O saber quântico tal como o saber da Trindade levarão muitas gerações a entrar na consciência geral da sociedade, da política e da própria religião. Os utilizadores estão mais interessados no folclore dos saberes. 

Quanto mais perguntas a sociedade puser mais respostas se encontrarão. Todo o desenvolvimento se resume a uma tentativa de resposta a uma pergunta numa dinâmica de dúvida – esperança. É a legítima ânsia de identidade (individuação) a surgir no horizonte da consciência social tal como os grelos das diferentes flores a surgir da terra em jardim. A pergunta sobre o princípio está na resposta do fim. 

Discutir a nível físico sobre o tempo antes do tempo (Big Bang) será tão útil como discutir em teologia sobre o sexo dos anjos. A vantagem é de nos encontrarmos todos, materialistas e espiritualistas em terreno inseguro (imaterial), o que pode vir a ser uma oportunidade para nos unirmos todos na procura da verdade, do bem, numa mesma consciência de complementaridade.  

Assim como o mundo se expande em convulsões energéticas assim a consciência humana se desenvolve através da linguagem e das ideias. Só quem já deixou de fazer perguntas ou já tem respostas absolutas renuncia a germinar e abdica do desenvolvimento, acabando por deixar de sentir o calor do sol numa mesma natureza que a todos alimenta. 

As teorias são um elemento da profecia, na procura de descrever e antever a realidade numa perspectiva de sentido. Não poderemos chegar ao antes da criação ou do Big Bang, assim como não poderemos chegar ao depois da morte independentemente dos instrumentos físicos ou mentais que usarmos. Fica-nos muito espaço para respeitosamente nos aproximarmos mais uns dos outros num campo de procura comum infinito não sendo preciso comportar-nos como os cães à volta do mesmo osso. Tanto as Ciências naturais como as ciências humanas chegam a pontos do saber onde a orientação será provocada apenas por indícios ou referências, e a sua formulação permanecerá uma questão de fé religiosa ou secular. 

Nem a teologia se poderá pronunciar sobre o particular do mundo nem a física poderá chegar a uma explicação do universo na sua totalidade. O que é para uns é a porta de entrada, é para outros a porta de saída. Uma coisa nos resta, enveredarmos pelos caminhos da física quântica, da filosofia e da teologia e neles poderemos saborear os frutos mais saboreáveis que nos conduzem a muitas realidades com um ponto de encontro comum: o Homem no mistério do Mundo e de Deus. No maná do mistério embora a manjedoura seja a mesma, haverá alimento para os diferentes gostos. O sabor do mistério nos irmanará a todos, crentes e descrentes.

ANTÓNIO da Cunha Duarte JUSTO . Nasceu em Várzea-Arouca (Portugal). E-mail: a.c.justo@t-online.de.

Professor de Língua e Cultura Portuguesas, professor de Ética, delegado da disciplina de português na Universidade de Kassel .

PUBLICAÇÕES  

- Chefe Redactor de Gemeinsam, revista trimestral do Conselho de Estrangeiros de Kassel em alemão com secções em português, italiano, turco, françês, grego, editada pela cidade de Kassel, tiragem 5. 000 exemplares.

- Editor da Brochura bilingue: "Pontes Para um Futuro Comum – Brücken in eine gemeinsame Zukunft", editada na Caritas, Kassel

- Editor de "O Farol" , jornal de carácter escolar e social em colaboração com alunos, pais e portugueses das cidades de Bad Wildungen, Hessisch Lichtenau, Kassel, Bad Arolsen e Diemelstadt( de 1981 a 1985)

- Editor de „Boletim da Fracção Portuguesa no Conselho de Estrangeiros de Kassel (1984)

- Autor da Brochura „Kommunalwahlrecht für Ausländer – Argumente“ editada pela Câmara Municipal de Kassel, Fevereiro de 1987.

- Co-autor da Brochura „Ausländerbeiräte in Hessen - Aufgaben und Organisation“, editada pela AGAH e Hessische Landeszentral für politische Bildung, Wiesbaden, 1988.

Colaborador de vários jornais e do programa de rádio semanal de português de Hamburgo.

http://blog.comunidades.net/justo

 http://antonio-justo.blogspot.com/

 

 

 




 



hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano