ANTÓNIO JUSTO...

José Saramago: Um Fundamentalista?
Modo de Pensar em Curto-circuito

Definimo-nos pela fala, por isso não nos podemos calar! Pela fala nos tornamos na procura dum tu que nos leva a nós. Pela fala nos formamos e pela fala queremos provar a nossa existência. Diria mesmo, somos conversa; por vezes conversa fiada. Nesta deixamos de nos tornar veículo e conteúdo para nos reduzirmos a veículo apenas!

Na sequência dum artigo que escrevi sobre Saramago, entre outros e-mails que recebi, um dizia: "Gostei de ver Camões como bombeiro deste fogo da maldade! Afinal o fogo do amor camoniano a combater o outro! Não escreva mais sobre este “gajo” que os suecos usaram como os franceses usaram Linda de Suza, para estigmatizarem Portugal e os Portugueses em flashes imagéticos opostos ao que nós somos! Está ao nível  da Maitê Proença." Fim da citação.

Como dizia a princípio, embora em contexto, definimo-nos pelo texto e através dele nos desenvolvemos. É fácil perder-se no contexto sem chegar ao texto. Se não fosse o texto bíblico e as suas afirmações e contradições não nos encontraríamos tão adiantados civilizacionalmente. Somos veículo e veiculados do mesmo mistério que a Bíblia procura abordar. Por isso escrevo mais sobre o assunto. Se não fossem as discussões e a vontade de encontrar a verdade, que tem sempre, além da face oculta, a tua e a minha versão, então não passaríamos da cepa torta; permaneceríamos de rosto voltado para a sombra. A controvérsia, se for honesta e sincera leva à luz daqueles que ainda se encontram de pé, a caminho, e ainda não morreram para si e para a vida, ao contrário daqueles que permanecem pelo caminho na sombra da rotina e dum progresso balofo, enquistados na auto-suficiência e no dogma da própria opinião.

Naturalmente que Portugal é universal e tem lugar para todos os antagonismos e a discussão pode gerar a luz. O problema está na tesoura que se traz na cabeça e censura tudo o que não corresponda à própria opinião e aos próprios interesses.

A falta de formação e de vontade de saber simplificam o trabalho incendiário de quem abusa da ingenuidade. Saramago, na sua maneira como interpreta a Bíblia dá a impressão de ser um fundamentalista. O fundamentalismo religioso e ideológico alimenta-se da mesma manjedoura dos adamastores do medo, do infantilismo e do interesse abusivo. Ele desconhece que a Bíblia também é a biografia dum povo e duma pessoa, descritas com as melhores metáforas e imagens protótipos do Homem e da sociedade.

Camões em Os Lusíadas descreve a acção e a herança cultural do povo lusitano. Os autores bíblicos, à luz de Deus, descrevem, no Antigo Testamento, a acção do Homem em relação com o Outro, com Deus que lhe dá forma.

A “Ilha dos Amores” de Os Lusíadas certamente que não será aproveitada por Saramago para difamar os portugueses como imorais. Nas descrições Bíblicas encontra-se a vontade do povo mais relevante de toda a História, o povo judeu, que na discussão com o seu Deus consegue afirmar a sua identidade como povo contra o tribalismo circundante, contribuindo, de forma eminente para o desenvolvimento da humanidade. Nos seus mitos e na imagem do seu Deus se revela a sua grande personalidade e vontade de ser. Com o seu Deus, que lhe dá identidade, “o povo eleito” não submergirá na História como outros submergiram.

Quem faz guerra ”dá e leva”. José Saramago sabe bem atear fogos. A melhor resposta ao fogo da maldade será o esclarecimento, a formação cultural. Na escuridão da desinformação, da ignorância e do egoísmo, até os pirilampos se tornam grandes luzeiros. Precisamos é de mais promotores do amor, do amor jesuino e do amor camoniano. Só este fogo purifica e desenvolve! Então todos nós nos transformaremos em pirilampos a iluminar a terra e não a viver da treva!

Então deixaremos de ser os “cruzados” de hoje que vão ao caixote das mazelas da História buscar o fogo para novos incêndios. As achas colocadas nas fogueiras por aí ateadas são da mesma natureza das fogueiras medievais: as achas da ignorância e das ideologias.

O autodidacta Saramago revela grandes défices culturais a nível de saber científico. Não deixa porém de ter a sua importância em certos aspectos literários e de ocupar um papel relevante de identificação para os seus fiéis correligionários e para pessoal miúdo que necessita de vedetas para se galardoar e sentir grande.  Cada um tem direito à felicidade à sua medida e no seu biotopo próprio.  O  conjunto dos diversos biotopos é que tornará belo o “jardim à beira mar plantado.” Saramago parece ser beneficiado pelas tágides das letras mas, apesar da sua idade, o espírito da sabedoria parece ser recalcado pelo espírito adolescente!

Ao afirmar que a Bíblia é “um manual de maus costumes" queria reduzi-la a um livro de ética justificadora da sua ideologia! Saramago usa a guerra tal como o povo judaico se serviu da dialéctica na procura da sua identidade como pessoa e como povo. Ele quer afirmar a vulgata marxista materialista à custa da vulgata judaico -cristã. Procura fora o que deveria encontrar dentro.

A Bíblia é um universo de mundos, encontrando-se nela lugar para as diferentes constelações e concepções de vida. Na Bíblia se encontra a base da filosofia e da cultura que produziu esta realidade que é a civilização ocidental. Quem não entendeu isto desconhece o valor da religião e da filosofia que são nosso berço e mãe. Saramago comunga da douta ignorância oportuna posta ao serviço dum socialismo e republicanismo ultrapassados que, apesar de tudo, mereceriam muito mais qualidade e seriedade, na estratégia da sua promoção! O seu internacionalismo não pode afirmar-se à custa da difamação e de malentendidos sobre o nosso legado cultural, a não ser que nos tenhamos tornado masoquistas e interessados na decadência e queda da nossa civilização! Não há que destruir, mas sim renovar e remodelar!  O legado judaico – cristão sintetiizou nele o saber doutras culturas e levou o Homem a não mais andar curvado à obediência do conveniente e possibilitou o levantar-se mesmo contra um deus da subserviência.  O Deus biblico é libertador, como se pode ver no seu fruto, a civilização ocidental, que apesar das suas contradições mantem, por baixo do borralho das suas cinzas, o fogo do amor, a lei das leis! Infelizmente um certo meio ideológico só parece comprazer-se nos odores do esterco da História da Igreja católica, como se esta só constasse da casa de banho! Torna-se suspeito quem caça moscas com tais odores!... Precisa-se é da vontade de saber , de formação humana e de crítica construtiva que viva bem com a farinha do seu moinho sem desviar nem sujar a água dos moinhos dos outros!

A discussão é necessária porque muitos não usam a própria cabeça para pensar e se instruir, preferindo encostar-se a um pequeno ídolo nobilitado pelo prémio Nobel ou a uma opinião indiscutível. Os seus ataques desqualificados revelam a arrogância do poder instalado consciente de que “para quem é bacalhau basta”! Naturalmente que todos nós temos em nós  algo da natureza saramago, independentemente de nos chamarmos Saramagos ou Antónios!

 O saber bíblico é personalizador, apostando na dignidade humana e nos direitos dos humanos e dos seres em geral,  apelando consequentemente para a desobediência à banalidade do meramente factual e do pensar correcto, rebelando-se contra autoridades meramente exteriores, não favorecendo, por isso, as ideias peregrinas dos santuários das autoridades e das ideologias. Se para alguns parece ser suficiente e consolador o cheiro das ideologias para outros, para os conscientes da História e da Humanidade não!

Cada época tem a sua luz e as suas sombras. Cada argumentação também. Hoje procura reduzir-se tudo a mercado e submeter-se tudo às leis da concorrência. O nosso pensar de hoje, forjado pelo modelo económico é tão precário como o modelo de pensamento de épocas passadas que arrogantemente criticamos. Tornamo-nos prisioneiros do próprio discurso no labirinto da dialéctica. O pensar bíblico ajudar-nos-ia a complementá-lo e a deixar de viver em curto-circuito. Este novo pensar em termos cristãos poderíamos dominá-lo de pensar trinitário que é na sua essência complementar integral e não antagónico como o binário (dialético) seguido do certo e errado, um pensar em contínuo curto-circuito! Naturalmente que a aguilhada da dialética se revela como uma boa estratégia de desenvolvimento, pelo menos à tona da realidade!

Deus é mais que o que possamos dizer dele pela positiva e pela negativa e a religião é mais que o milagre. A bíblia é mais que poesia e que um livro de moral. Ela é vivência, é caminho e vida.

Deus não submete o povo a provações nem exige fidelidade e obediência externa. Ele é o mais interior do Homem, a sua ipseidade, o seu selbst, a sua própria possibilidade. De resto o nosso falar de Deus não passa dum falar do Homem e de nós mesmos.

© António da Cunha Duarte Justo

antoniocunhajusto@googlemail.com

http://antonio-justo.blogspot.com/

 

ANTÓNIO da Cunha Duarte JUSTO . Nasceu em Várzea-Arouca (Portugal). E-mail: a.c.justo@t-online.de.

Professor de Língua e Cultura Portuguesas, professor de Ética, delegado da disciplina de português na Universidade de Kassel .

PUBLICAÇÕES  

- Chefe Redactor de Gemeinsam, revista trimestral do Conselho de Estrangeiros de Kassel em alemão com secções em português, italiano, turco, françês, grego, editada pela cidade de Kassel, tiragem 5. 000 exemplares.

- Editor da Brochura bilingue: "Pontes Para um Futuro Comum – Brücken in eine gemeinsame Zukunft", editada na Caritas, Kassel

- Editor de "O Farol" , jornal de carácter escolar e social em colaboração com alunos, pais e portugueses das cidades de Bad Wildungen, Hessisch Lichtenau, Kassel, Bad Arolsen e Diemelstadt( de 1981 a 1985)

- Editor de „Boletim da Fracção Portuguesa no Conselho de Estrangeiros de Kassel (1984)

- Autor da Brochura „Kommunalwahlrecht für Ausländer – Argumente“ editada pela Câmara Municipal de Kassel, Fevereiro de 1987.

- Co-autor da Brochura „Ausländerbeiräte in Hessen - Aufgaben und Organisation“, editada pela AGAH e Hessische Landeszentral für politische Bildung, Wiesbaden, 1988.

Colaborador de vários jornais e do programa de rádio semanal de português de Hamburgo.

http://blog.comunidades.net/justo

 http://antonio-justo.blogspot.com/

 

 

 




 



hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano