::::::::::::::::::::::::::::Ana Haddad:::::::::::::
Os jardins mediterrâneos nas memórias de Georges Seféris e os jardins tropicais na dimensão memorialista de Rudyard Kipling
Comunicação apresentada ao colóquio "Da concepção e construção cultural dos jardins". O Jardim dos Sete Sentidos. Évora, Biblioteca Pública, Maio de 2007.
Introdução

As perspectivas a respeito de um determinado objeto, no amplo sentido da expressão, conforme se sabe, são muitas.  Pretendemos, neste artigo, analisar como os jardins foram nomeados e  percebidos na dimensão do conceito memorialista  da poesia e da prosa do escritor grego Georges Seféris. Ou seja, como Seféris percebe os jardins em sua vasta obra de memórias? Quais seriam as comparações metafóricas ou mais denotativas que o escritor concretiza? Até que ponto os jardins estão presentes em sua obra?

Pretende-se, também, analisar a visão de jardim a partir da ótica do escritor inglês Rudyart Kipling em relação aos jardins tropicais para que se tenham perspectivas diferentes, de espaços diferentes para chegarmos a algumas conclusões a respeito da questão. A literatura dos dois autores pertence ao século XX.

Parte das traduções da literatura de Seféris foram realizadas diretamente do grego por nós e parte cotejada com outros tradutores do autor, em diversos idiomas, por julgarmos que tal tipo de procedimento é indispensável para os propósitos deste tipo de investigação.

Pomona: a protetora dos jardins

De acordo com a mitologia grega  as Hamadríades são  consideradas uma categoria de ninfas das árvores. Elas nascem juntamente com as árvores as quais protegem e partilham de seu destino (1).

 Diz o mito que quando uma árvore é atingida por qualquer motivo a ninfa é igualmente abalada. As ninfas ficam muito felizes quando as águas das chuvas regam seus carvalhos e ficam de luto quando perdem suas folhas. Conforme Grimal (2) as ninfas morrem quando morrem suas árvores, visto que são consideradas enquanto seres intermediários entre os mortais e os imortais (3).

Pomona é o nome da Ninfa, segundo a mitologia, que possuía um amor sem precedentes aos jardins e ao cultivo as árvores. Diferentemente, de outras ninfas que se preocupavam com florestas e rios, Pomona tinha verdadeira paixão pelos jardins. Vivia com um podão na mão direita em vez de trazer um dardo ou  objeto semelhante. Com o podão todo o seu tempo era dedicado a impedir o crescimento excessivo das plantas e galhos que saíssem de seus devidos lugares. Abria galhos e fazia  inúmeros enxertos, ou seja, fazia com que ramos adotassem brotos que não eram seus.

Uma outra função de Pomona era a de cuidar de suas plantas preferidas para que estas não secassem. Tinha receio pelos habitantes da região e não deixava nenhum homem entrar em seu pomar. Muitos amaram e se apaixonaram por Pomona. O velho Silvano, Pã. Entretanto, é Vertuno quem a ama muito mais que os outros, todavia, em princípio,  nem por isso tem mais sorte que os outros, Pomona não quer ninguém. Depois de diversas tentativas de se aproximar da Ninfa, Vertuno  usa um disfarce de velha, consegue entrar no pomar da ninfa, admira-o e tenta convencê-la de que deve unir-se a alguém e conta-lhe  a história de Ífis e Anaxárete que virara uma estátua porque desprezara o amor de  Ífis. Quando terminou a história retirou o disfarce de velha  e se mostrou, como realmente era, ou seja, um jovem belo. A Ninfa não resistiu aos encantos de Vertuno e correspondeu prontamente aos seus apelos ardorosos (4).

Conforme se sabe, diversas são as perspectivas a respeito de um jardim, em vários sentidos. Quer o recorte na temporalidade, quer a situação geográfica e tantos outros elementos, conforme é de conhecimento geral. Enfim, os conceitos de jardim variam de acordo com a cultura e com os tempos.

Giorgos Seféris é um escritor grego do século XX, nasceu em 1900 e morreu em 1970. Pouco conhecido, nos dias atuais, embora tenha  sido o primeiro escritor grego a conquistar um prêmio Nobel em literatura. Possui um conjunto de obras não muito vasto, mas sob nossa perspectiva de uma qualidade singularíssima. Seu conjunto de obras foi pouquíssimo traduzido no mundo. Parece-nos que os próprios gregos não se deram conta da qualidade literária  e do grau diferenciado de memorialismo da obra de Seféris, pelo que pudemos apurar até o momento em nossas pesquisas.

Seu conjunto de obras se compõe de poemas, ensaios e diários. Em todos os gêneros citados não podemos afirmar que haja uma demarcação rígida, visto que o grau de poeticidade que marca  sua obra poética, marca também seus ensaios, assim como marca seus diários que vão de 1925 até 1968. Os diários funcionam não só como uma reflexão a respeito do seu fazer poético, assim como pequenos relatos a respeito de sua vida cotidiana e profissional. Além disso, contêm verdadeiros rascunhos de projetos e poemas que posteriormente foram concretizados. E, essencialmente, os diários revelam aspectos a respeito das questões ligadas ao povo grego e aos escritores  que produziram literatura grega.

De acordo com Seféris (5) a cultura grega significa muito para a humanidade. Ela não deveria ser isolada. O helenismo, para o autor, está presente em toda a cultura ocidental e não poderia ser desprezada  pelos gregos e, muito menos,  pela humanidade.

As superposições temporais são imensas. O memorialismo de Seféris possui várias camadas de temporalidade que vão desde profundas reflexões a respeito do tempo em si mesmo, até camadas mais profundas de sua memória que são entremeadas, continuamente, com o passado histórico e cultural da Grécia. O escritor sempre que possível relembra  que faz parte de um passado comum e que este passado está presente de maneira visceral em todos os escritores gregos, assim como na população, na espacialidade e na própria temporalidade.

Dessa forma, em muitos momentos, quer na poesia, quer nos ensaios, quer na prosa, o escritor grego dialoga com Platão, Homero, dentre outros, além de estabelecer um longo diálogo, também, com a mitologia de sua terra. Ele entende o tempo e a memória numa dimensão simultânea ao admitir, por si mesmo, a convivência harmônica e natural, para ele, de uma dimensão temporal que insere todos os elementos citados, e o tempo numa escala de continuidade quase que absoluta. 

Nos poemas e nos ensaios os mesmos traços. Além disso, Seféris apresenta vários autores gregos, entre eles Konstantinos Caváfis, também, um poeta, por excelência um memorialista em seu conjunto de poemas , aliás autor muito mais conhecido ao redor do mundo em relação a Seféris.

Um dos pontos mais marcantes  de todo o conjunto de obras de Seféris é o seu grande grau de memorialismo, entretanto, nos deparamos com um memorialismo diferenciado, que não se contenta em ficar narrando pequenas peripécias individuais.

O marcante em Seféris é que o autor sempre que  possível dá a voz a alguém. A conhecidos e a desconhecidos. A vencidos e vencedores. É uma recorrência na literatura do autor grego uma pretensa abolição da primeira pessoa.

Detectamos e analisamos que Seféris, embora não tenha o jardim como tema central em sua obra, as referências acerca do assunto aparecem com bastante freqüência. Destacamos dois pontos que julgamos importantes na visão de jardins de Giorgos Seféris (6). Uma visão  que, inicialmente, concretiza-se por intermédio de metáforas que exprimem a dor do exílio pessoal e coletivo, como nos versos do poema a seguir:
.........................................................................
O porto ameaça arruinar-se, não posso mais esperar
O amigo que partiu para a ilha dos pinheiros,
Nem o amigo que partiu para a ilha dos plátanos
Nem o amigo que partiu para o largo.

Acaricio os canhões enferrujados, acaricio os remos
Para que meu corpo reviva e se decida.
As velas agora só exalam o cheiro
Do sal da outra tempestade.

Se eu quis ser sozinho, procurei
A solidão, não busquei esta espera,
Este esmigalhamento da alma no horizonte,
Estas cores, estas linhas, este silêncio.

As estrelas da noite me levam de novo a Ulisses
Que espera os mortos entre os asfodelos.
Entre os asfodelos quando aqui lançamos âncora, queríamos
        encontrar
A gruta na montanha viu Adônis ferido.

Nosso país é fechado, todo em montanhas
Que têm por teto, dia e noite, o céu baixo.
Não temos rios, não temos poços,
Não temos fontes
Somente algumas cisternas, também vazias;
Elas ressoam e para nós são objetos de adoração.
..........................................................................................

Depreende-se dos versos de Seféris (7), em princípio, perspectivas isoladas de plantas e árvores. Os versos em questão integram um conjunto de poemas cujo título é, originalmente, MYTHISTORIMA, segundo o próprio autor, que pretende a mistura de dois componentes: o mito  e a história.

Refere-se a uma ilha de pinheiros para a qual um amigo partiu e a uma ilha de plátanos. Naturalmente o contexto mais geral que circunda os versos em referência reportam-se ao estado de desgraça, pobreza e solidão pela qual passa o povo grego. Sabe-se que a Grécia passou,  ao longo de sua história por inúmeros momentos de invasão, guerras civis e outras tragédias que a caracterizam. Tal elemento é notório nos versos do poema. Todavia, plátano é um componente de jardim bastante presente no conjunto de obras de Seféris visto que faz parte das paisagens gregas, ponto importante do memorialismo espacial na literatura do autor em questão.

Entretanto, plátano pode ser compreendido dentro do contexto literário de Seféris associado a mais algumas conotações. Conforme Grimal (8), plátano seria uma irmã dos Alóadas, dois irmãos, após a morte dos mesmos foi transformada em plátano.

Nos jardins tropicais são denominadas Platanus . Manifestam-se, por exemplo, enquanto   suporte externo importante nas videiras, notadamente, no estado do rio Grande do Sul, Brasil. Como possui raízes profundas não  oferece perigo às videiras.

Existem outros trechos do mesmo poema em que o autor faz as mesmas associações e insiste em plátano :

..............................................................................................................
Já que partes, leva contigo a criança
Que viu a luz sob este plátano, nesse dia
Em que ressoavam as trombetas, cintilavam as armas,
Em que os cavalos exaustos inclinavam-se para os tanques
Roçamos com os focinhos úmidos
A verde superfície da água.

As oliveiras com as rugas de nossos pais
Os rochedos com a sabedoria de nossos pais
O sangue de nosso irmão vivo sobre este solo
Eram uma alegria robusta, uma regra fértil
Para as almas que conheceram o sentido de sua prece.

Já que partes, já que rompe o dia
Aprazado, já que ninguém sabe
Quem ela matará, como deve terminar,
Leva contigo a criança que viu a luz
Sob as folhas deste plátano
E ensina-lhe a soletrar as árvores.

Nesta outra parte do poema, novamente, o escritor associando a imagem de jardins às desgraças do povo grego.  Comparece a imagem da oliveira associada à memória dos pais, dos ancestrais, indicando um passado, segundo o autor, mais sábio. O poema ligado às guerras e ao sangue derramado pelo povo grego. E num um outro poema intitulado Mathias Pascalis entre as rosas :

Não paro de fumar desde de manhã;
Se paro as rosas virão cercar-me
Com seus espinhos, com suas pétalas em chuva, sufocar-me.
Elas brotam obliquamente, todas do mesmo róseo,
Olham, espiam alguém. Ninguém passa.
Através da fumaça do cachimbo, observo-as
Em seu talo cansado e sem perfume.
Na outra vida, uma mulher me dizia: podes  tocar esta mão,
É tua, esta rosa, é tua,
Podes colhê-la
Agora ou mais tarde, quando o queiras.

Desço os degraus fumando sempre.
As rosas descem comigo, exasperadas,
E em sua atitude, perpassa qualquer coisa desta voz
Na raiz do grito, quando o homem põe-se a urrar: “Mãe!”
Ou “Socorro” ou os gritinhos brancos do amor.

É um pequeno jardim cheio de rosas,
Alguns metros quadrados que baixam comigo
Enquanto desço os degraus, sem céu.

..............................................................................................................
Novamente as imagens de jardim associadas à dor de seu povo, como uma das formas de aproximar os leitores às desgraças dos gregos. O que nos autoriza a afirmar, que a  literatura de Seféris é inseparável do contexto grego. Sabe-se que a  literatura possui uma determinada autonomia, mas não total.  O escritor grego, enquanto viveu, presenciou   as duas guerras mundiais, além das guerras civis.

Conforme é de conhecimento geral em 1913 a Grécia podia ser avaliada como uma potência mediterrânea importante. Entretanto, o referido país, com em muitos outros momentos anteriores, achava-se dividido em relação aos seus próprios interesses políticos e outros que diziam mais respeito a um contexto mundial.

Em 1922 depois de muitos acordos com vários países, a maioria deles desrespeitados pelos adversários, especialmente pela Turquia, ou pela própria Grécia,  houve muitos massacres. Houve caos e derrotas. Muito derramamento de sangue durante dezenas de anos na Grécia do século XX.

Além das divisões internas a Grécia entrou para a segunda guerra mundial, quase que obrigatoriamente. Os alemães ocuparam boa parte do território grego durante a segunda guerra. Após o término da guerra as divisões e desavenças internas se estenderam e continuaram a derramar muito sangue.

Com isso  podemos compreender melhor o contexto de Seféris que foi embaixador durante muitos anos e contemplou de perto as misérias de seus irmãos. Nunca se conformou com isso, o que fica muito claro pelas imagens de seus poemas.

Os jardins na obra de Seféris estão também profundamente associados ao mar. As questões relacionadas com o mar, para os gregos em geral, se mostra bastante particular e merece algumas reflexões.

Sabe-se que a relação entre o mar e as civilizações se dão de diversas maneiras e, naturalmente, estão muito ligadas à história e cultura de cada país. Para os países tropicais, em geral, nos dias atuais, o mar está associado à praia, alegria, mulheres, divertimento. O mar propicia descontração, férias, lazer.

Para os gregos, historicamente, o mar teve um outro conceito pela própria situação geográfica da Grécia. Este  país  integra um continente árido, seco, duro, ácido, conforme é sabido. O mar é um verdadeiro bálsamo . Uma espécie de serpente que por onde passa deixa rasgos de frescor aos seus habitantes e a uma terra considerada ingrata e que pouco dá. Tal fato é notório  quando nos deparamos com a literatura artística ou não, dos gregos. Mesmo os historiadores mais antigos como Heródoto coloca, em muitos momentos, tais questões. A Grécia está  arraigada num solo ingrato.

Mar é também o símbolo da mobilidade. É pelos mares que há condições mais gerais de transporte. Ilhas e ilhas estariam completamente isoladas em seus próprios cascos não fossem os mares para o transporte. Enfim, a relação entre mar e os gregos é um processo muito particular, como se pode depreender, inclusive, pela literatura de outros escritores que não a de Seféris. O mar faz parte do universo coletivo de uma maneira diferenciada.

Ele é extremamente necessário para quebrar o isolamento.A espacialidade grega é muito conhecida pela exuberância de suas ilhas famosas, mundialmente,  ao mesmo tempo elas isolam em seus casulos, especialmente no inverno, conforme é de conhecimento geral. As ilhas encerraram, também, muitos gregos, em diferentes épocas, ou seja, os contrários à política opressora vigente. 

De acordo com o escritor  russo Pedrag Matvejevitch “os gregos possuíam várias palavras para designar o mar: hals, que significa sal, o mar enquanto matéria; pélagos, a extensão de água, o mar enquanto visão ou espetáculo; pontos, o mar ao mesmo tempo espaço e caminho; thalassa, conceito geral (de origem desconhecida, talvez cretense), o mar enquanto experiência ou acontecimento; kolpos significa seio ou regaço, e designa o espaço marítimo que abraça a margem: golfo ou baía.”(9)

Prossegue o autor em questão: “nos textos dos poetas e escritores, estas palavras casam-se umas com as outras, multiplicando, assim compostas, as suas significações respectivas: matéria –presença, profundidade-espaço, caminho-extensão, visão-acontecimento, e variam até o infinito, do mesmo modo que se completam e que transmitem de uma para outra os aspectos do mar. Nisto se revelam a  profusão  e riqueza das experiências que os gregos antigos adquirem da sua presença no Mediterrâneo. “ (10)

Os fragmentos do  poema a seguir  materializam bem a questão que expusemos:

Adolescente

Certo verão – eu tinha dezesseis anos -  uma voz estrangeira
         cantou em meus ouvidos.
Era, lembro-me bem, à beira-mar, entre os regos vermelhos e a
        carcaça de um barco abandonado na areia, tal um esqueleto.
Quis aproximar-me dessa voz, colando o ouvido na areia.
A voz desapareceu
Mas uma estrela cadente
Como se pela primeira vez eu visse uma estrela cadente e nos meus
       lábios o sal da vaga.
 Naquela noite, as raízes das árvores não voltaram mais.
Na manhã seguinte, uma viagem abriu suas folhas em mim e se
        fechou como um livro de imagens.
Eu quis todas as noites ir à praia
Aprender primeiro a praia e partir depois para o largo.
No terceiro dia, amei uma jovem numa colina;
Ela morava numa casinha branca feito capela de montanha, tinha
      a mãe velhinha à janela, óculos abaixados para o tricô, sem-
      pre calada,
Um vaso de manjericão, um vaso de craveiros.
Chamava-se, parece, Vasso, Frosso ou Bílio.
Assim esqueci o mar.
...........................................................................................................................
De noite, na ponte do São Nicolau
Sonhei que uma oliveira muito velha chorava.
...........................................................................................................................

É tempo de partir. Conheço um pinheiro que se inclina sobre o mar. Ao meio-dia, oferece ao corpo fatigado uma sombra medida como nossa vida, e à noitinha, através de suas agulhas, o vento entoa um canto estranho como almas que houvessem abolido a morte  na hora de se tornarem pele e lábios. Uma vez, passei toda a noite em vigília sob essa árvore. Pela madrugada estava de novo como se acabasse de sair do estaleiro.

Só se pudéssemos viver assim! Pouco importa.

Como se depreende dos versos de Seféris os jardins estão ligados a sua intensa ligação com o mar e desta forma, uma vez mais ressaltando dor, exílio, miséria interior e exterior a um homem.

Num outro poema do autor, como veremos a seguir, a imagem de jardim e sangue é mais áspera:

À maneira de G.S.

..............................................................................................................
Enquanto isso, a Grécia viaja, viaja sempre,
E se “O Mar Egeu floresce de cadáveres”
São os corpos dos que quiseram alcançar a nado o grande navio,
Dos que estavam cansados de esperar os navios que já não podem
        largar.
.............................................................................................................

E o mesmo vai ocorrer no poema Epifania 1937:

O mar em flores e as montanhas sob a lua minguante;
A grande pedra junto às figueiras-da-barbaria e aos asfodelos;
O vaso que não queria esgotar-se ao fim do dia;
E o leito cerrado junto aos ciprestres e teus cabelos
De ouro: as estrelas do Cisne e esta estrela, Aldebarã.

Gostaríamos de destacar a preciosa investigação de Maria de Lourdes Nunes Flor de Oliveira  em sua tese O Tema das Musas naCultura Grega que faz  a distinção, bastante esclarecedora para diversos fins, entre as musas e as ninfas. Uma das diferenças fundamentais entre as Ninfas e as Musas seria o caráter de mortalidade das Ninfas. A autora em questão ressalta que por vezes as duas categorias são igualadas ou equivalentes. Entretanto, lembra que são categorias distintas. Além do mais, de acordo com Flor de Oliveira, as Musas habitam o  Olimpo o que não é de tradição considerar  a sede das Ninfas. Dessa forma, conclui que as Musas são deusas, mesmo porque são filhas de Zeus, prolongadoras da memória e moram no mesmo espaço dos deuses.

Os jardins tropicais

Rudyard  Kipling  foi um escritor nascido na Índia em 1865. Faleceu em 1936. Passou a maior parte de sua vida na Inglaterra e é considerado um escritor inglês. Assim como Seféris foi o primeiro escritor a ganhar um prêmio Nobel, em literatura, para a Inglaterra.

A sua literatura é variada. Romancista, cronista, jornalista e poeta. Uma de suas temáticas principais é o choque de culturas indiana e inglesa. Assistiu a primeira guerra mundial. A visão de jardins do escritor inglês refere-se a uma obra que se chama As Crônicas do Brasil.  

Rudyard Kipling esteve no Brasil em 1927 e  fez um relato de viagens a respeito do país em questão que julgamos ser um comparativo interessante  a ser analisado com as perspectivas de Seféris. Este relato não é exclusivamente dirigido a jardins, mas pela literatura deixada pelo autor um de seus maiores objetivos em relação ao Brasil é conhecer o que ele julga ser uma grande riqueza de natureza, especialmente, a flora.

O escritor vem ao Brasil com uma expectativa: “A maioria de nós tem um ideal! O meu, acariciado desde a tenra infância, era ver a flor de vitória-régia em seu habitat, e, se fosse possível, também àquele pássaro de dedos muito longos (Jacara, deve ser esse o nome).”(11)

O autor prossegue:

“O motorista de táxi, apesar de possuir maneiras que servem de exemplo ao príncipe, não foi de muita ajuda. Ele conhecia o Jardim [o Jardim Botânico], mas as flores – não muito, senhor. Ele dirigiu e dirigiu sem parar pelo frescor do princípio da manhã. Depois de ter passado as casas e vilas meramente ricas ou bonitas, rodopiou por quilômetros de bairros humildes, onde as pessoas saíam e paravam à porta, e pude ver como elas viviam e se portavam ao natural. Pude ver o que acontecia às pequenas casas, naquela luz, ao desbotarem-se seus azuis, amarelos, rosas e magentas; flores vermelho-sangue ou douradas, em árvores e arbustos, conferiam a tudo beleza e efeito.” (12)

Depreende-se da escritura do autor o seu profundo encantamento diante das flores e dos pequenos jardins esparramados. Tal imagem ia ao encontro do que havia idealizado e ouvido falar a respeito da natureza brasileira.

Prossegue o autor:

“ Mas sempre, de um lado ou de outro, algumas grandes montanhas, cobertas de árvores dos pés a cabeça, paravam diante de nós; e depois de corrermos sob o flanco da mais alta, que me tirou o fôlego, encontramos o Jardim – de todo vazio, de todo silencioso, e amavelmente além da força do discurso. Tudo estava no lugar em que deveria estar, e tudo crescia com naturalidade em uma atmosfera apropriada; árvores e aromas que despertavam lembranças, pesar ou deleite, em todos os cantos da terra, provenientes das mangueiras copadas e cintilantes, que eu acreditara serem habitadas por “Criaturas” após anoitecer.” (13)

Prossegue o autor:

“ Ali também estavam todas as palmeiras altivas e os bambus sufocantes de toda parte; e, crescendo como ervas daninhas, as bananas, sobre as quais a aia de alguém costumava dizer que, se você levantar bem cedo e encontrar uma única copa nova que não estivesse partida pelo vento nem ressecada pelo sol, poderia fazer um desejo e os Deuses o atenderiam. Mas tal variedade não estava incluída nesta coleção. Contudo, a Providência resolveu meu problema com bastante generosidade. A grande flor vivia em um pequeno lago artificial, e era tudo o que os livros diziam. Media cerca de cinco a seis metros de ponta a ponta, e as bordas curvavam-se para cima em cerca de oito centímetros. O botão – alguém poderia desejar qualquer coisa nesta terra que lhe seria dado – o botão era do tamanho exato de uma chapeleira, e reduzida à metade um quarto de hotel.”(14)

Como se vê Kipling possui uma perspectiva bastante diferente de Seféris no que tange aos jardins. Enquanto o poeta grego materializa sua visão em forma de metáforas, Kipling descreve os jardins, complementando seus relatos, o que confere à literatura de Seféris reflexão e conceito, na literatura do autor inglês é descrição. Tal postura não diminui a literatura nem de um e nem de outro. São apenas formas diferentes de se encarar os jardins.

O autor conclui fazendo uma comparação com a  Inglaterra:

A Inglaterra é um país pequeno e agradável,
Exceto pelas correntes de ar junto ao chão.
E é por isso que dizem,
Quando os corredores estão gelados:
“Amor, você esqueceu de fechar a Porta!”

O Horrível Vento do Leste sopra...
O Gato no Tapete o demonstra...
Sentada na escrivaninha, a tia o sabe...
“Amor, você esqueceu de fechar a Porta!”

A PORTA ABERTA

Feche – feche – feche a Porta, meu amor!
Sempre feche a Porta atrás de si, mas
Você poderá partir quando estiver velho
Para onde não há frio algum...
E não há nenhuma Porta que precise ser fechada! (13)
E...

A imensa Varanda o demonstra...
A pálida Magnólia o sabe...
O atrevido jasmim branco o sopra...
Não há nenhuma Porta que precise ser fechada!

........................................................................

NOTAS

(1) Thomas Bulfinch, Mitologia 1, pp. 76-78-79-80-81.

(2) Dias: 1925-1968, p.140.

(3) Georges Seféris nasceu no ano de 1900 em Esmirna quando esta cidade pertencia à Grécia. Faleceu em Atenas em 1971. Exerceu a carreira diplomática o que, naturalmente, o obrigou a se afastar continuamente da Grécia. Sua carreira influencia sua literatura. Em 1963 recebeu o Prêmio Nobel de Literatura.

(4) A tradução diretamente do grego dos versos em questão é de Darcy Damasceno. Também foi cotejada diretamente do grego por nós e com outras traduções que julgamos importantes.

(5) Dicionário da Mitologia grega e romana, p. 379.

(6) Breviário Mediterrâneo, p.182.

(7) Idem, p. 183.

(8) As Crônicas do Brasil, 39.

(9) Idem.

(10) Idem, p. 39.

(11) Idem, p. 41.

(12) Pierre Grimal, Dicionário da Mitologia Grega e romana , p.191.

(13) Idem.

 

BIBLIOGRAFIA

BAPTISTA, Ana Maria Haddad. Bifurcações do tempo-memória na literatura. São Paulo, Catálise Editora, 2002.
_________________. Tempo-memória no romance. São Paulo, Catálise Editora, 1998.
________________.Tempo-memória. São Paulo, Arché Editora, 2007.

CAMPOS, Haroldo. A máquina do mundo repensada. São Paulo, Editora Atliê Editorial, 2002.
ELIOT, T.S. Quatro Quartetos. Tradução e introdução de Gualter Cunha. Lisboa, Relógio D’Água, 2004.
GRIMAL, Pierre. Dicionário da Mitologia Grega e Romana. Tradução de Victor Jabouille, Rio de Janeiro, 2000.
HESÍODO. Os trabalhos e os dias. Tradução, introdução e comentários de Mary de Camargo Neves Lafer. São Paulo, Editora Iluminuras, Ltda, 2002.
__________. Teogonia A Origem dos Deuses. Estudos e tradução de Jaa Torrano. São Paulo, Editora Iluminuras, Ltda, 2001.
HOMERO. Odisséia. Tradução de Manuel Odorico Mendes. São Paulo, Editora Martin Claret, 2003.
__________. Ilíada (volumes I-II). Tradução de Haroldo de Campos. São Paulo, Editora ARX, 2003.
KIPLING, Rudyard. As crônicas do Brasil. São Paulo, Landmark, 2006.
MATVEJEVITCH, Pedrag. Breviário Mediterrâneo. Tradução de Pedro Tamen. Lisboa, Quetzal Editores, 1994.
PRIGOGINE, Ilya. O nascimento do tempo. Lisboa, Edições 70, [s.d.].
OLIVEIRA. Maria de Lourdes Nunes Flor de. O tema das Musas na cultura grega. Tese de doutoramento apresentada em Línguas e Literaturas Clássicas à Faculdade de Letras da Universidade Clássica de Lisboa, [642 páginas], 1982.
SEFERIS, Georges. Complete Poems. Londres, Princeton University Press, 1995.
_______________. PHOIHMATA. Atenas, Ikaros, 2004.

 Ana Maria Haddad Baptista é  mestra e doutora em Comunicação e Semiótica. Possui Pós-doutoramento em História da Ciência.Professora e pesquisadora da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo do Programa de Estudos Pós-Graduados em História da Ciência.
 
 

 

 

 




 



hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano