Chronica do senhor rei D. Pedro I oitavo rei de Portugal
*CAPITULO IX* _ Como el-rei mandou queimar a mulher de Affonso André, e de outras justiças que mandou fazer_. 
 

Quem ouviu semelhante justiça, do que el-rei fez na mulher de Affonso André, mercador honrado, morador em Lisboa, andando justando na rua nova, como era costume, quando os reis vinham ás cidades, que os mercadores e cidadãos justavam com os da côrte, por festa?  

Estando el-rei presente, e havendo informação certa que sua mulher lhe fazia maldade, entendeu que então era tempo de a achar e tomar em tal obra; e, por inculcas, muito escusamente foi ella tomada com quem a culpavam, e mandou-a queimar, e degolar a elle. E o marido, continuando a justa, quando cessou, soube d'isto parte, e foi-se a el-rei por se queixar do que lhe feito haviam. E el-rei, como o viu, antes que lhe elle fallasse, pediu-lhe a alviçara do que mandara fazer, dizendo que já o tinha vingado da aleivosa de sua mulher e do que lhe punha as cornas, e que melhor sabia elle quem ella era, que elle.  

Que diremos de Maria Roussada, mulher casada com seu marido, que dormira com ella por força (a que então chamavam roussar), por a qual cousa elle merecia morte? E tendo já d'ella filhos e filhas, viviam ambos em gram bemquerença, e ouvindo-a el-rei chamar por tal nome, perguntou por que lh'o chamavam, e soube da guisa como tudo fôra, e que se avieram que casassem ambos por tal feito não vir mais á praça: e el-rei, por cumprir justiça, mandou-o enforcar, e ia a mulher e os filhos carpindo traz elle.  

Não valeu, estando el-rei em Braga, rogo de quantos com elle andavam, que pudesse escapar a vida a Alvaro Rodrigues de Grade, um dos bons escudeiros de entre Douro e Minho, e bem aparentado, porque cortou os arcos de uma cuba de vinho a um pobre lavrador, que lhe logo el-rei não mandou cortar a cabeça, tanto que o soube.  

E porque o seu escrivão do thesouro recebeu onze libras e meia sem o thesoureiro, mandou-o enforcar, que lhe não poude valer o conde, nem Beatriz Dias, manceba d'el-rei, nem outro nenhum.  

E foram aquelle dia, com estes dois, onze mortos por justiça, entre ladroes e malfeitores.  

Não fique por dizer de um bom escudeiro, sobrinho de João Lourenco Bubal, privado d'el-rei e do seu conselho, alcaide mór de Lisboa, o qual escudeiro vivia em Aviz, honradamente e bem acompanhado. E foi a sua casa, por mandado do juiz, um porteiro, para o penhorar, e elle, por cumprir vontade, depenou-lhe a barba e deu-lhe uma punhada.  

O porteiro veiu-se a Abrantes, onde el-rei estava, e contou-lhe tudo como lhe adviera. El-rei, que o áparte ouvia, como acabou de falar, começou de dizer contra o corregedor que ahi estava:  

--Accorrei-me aqui, Lourenço Gonçalves, cá um homem me deu uma punhada no rosto, e me depennou a barba! O corregedor, e os que o ouviram, ficaram espantados por que o dizia. E mandou á pressa que lh'o trouxessem preso, e não lhe valesse nenhuma egreja. E foi assim feito, e trouxeram-lh'o a Abrantes, e alli o mandou degolar, e disse:--Dês que me este homem deu uma punhada e me depennou a barba, sempre me temi d'elle que me désse uma cutelada, mas já agora sou seguro que nunca m'a dará!  

Assim, que bem podem dizer d'este rei Dom Pedro, que não saíram em seu tempo certos os ditos de Solon, philosopho, e d'outros alguns, os quaes disseram que as leis e justiça eram taes como a teia da aranha, na qual os mosquitos pequenos, caindo, são retidos e morrem n'ella, e as moscas grandes e que são mais rijas, jazendo n'ella, rompem-n'a e vão-se: e assim diziam elles que as leis e justiça se não cumpriam senão nos pobres, mas os outros que tinham ajuda e accorro, caindo n'ella, rompiam n'a e escapavam.

El-rei Dom Pedro era muito pelo contrario, cá nenhum, por rogo nem poderio, havia de escapar da pena merecida; de guisa que todos receiavam de passar seu mandado.

 
 
 

 




 



hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano