Procurar textos
 
 

 

 

 

 







DOMENICO AGOSTINO VANDELLI
PARA UMA BIOGRAFIA DE DOMINGOS VANDELLI
(1735-1816)
...
1760
Publica Analisi di Alcune Acque Medicinali del Modonese. Tractatus de Thermis Patavinis. Pádua.
Entre 1760 e 1762 percorre várias regiões do Norte da Itália, incluindo as de colonização etrusca. Sobe aos montes do lago Como (Alpes, de que Lineu fala muito), viaja pelo Tirreno e Adriático, colhendo peças arqueológicas e exemplares de História Natural, com os quais funda um museu com o seu nome. Enriquecem-no espécies raras coligidas por amigos, um deles talvez o Donati de que fala Lineu), no Egipto, Grécia, Sicília, França, Alemanha, etc.. Estas colecções vão constituir o núcleo inicial do museu de Coimbra.
 
Lettera ad un amico (sopra um zoofito marino). Pádua. P. 9, t. 1, Memorie per servire all'istoria letteraria, vol. V, p. 65-73. O amigo é Lineu.
 
Carta de Lineu

Upsala, 4 de Março. Lineu agradece a colecção de produtos naturais que Vandelli lhe enviara pelo Dr. Treves. Acerca dos minerais, diz que Lithantrax matrix Naphtae é raro e ainda mal conhecido. O sal-fóssil do Egipto também é mal conhecido. Tophus seleniticus cum pisolithis, vê-o pela primeira vez. Agradece também a belíssima estampa e história de Zoophyton (Carta a um amigo), que, antes, só Ellis descrevera, mas muito imperfeitamente, e desenhara com rudeza. Pede a Vandelli que o autorize a publicar o trabalho na Acta Scientiarum Societatis Upsaliensis.

Louva o esforço de DV nas viagens pelos Alpes italianos, estando certo de que terá coligido belas e raras plantas. Lamenta que não haja nenhuma Flora romana, porque a de Sabbathi não satisfaz, mistura as plantas indígenas com as exóticas e não estabelece espécies certas.

Pede a Vandelli que, se encontrar algum Cynips f. Ichnaeumon, descrito por Pontedera, o qual habita os figos verdes Fici e Caprifici, lho meta dentro de uma carta, para o estudar. Informa que Clerck desenhou e editou mais de 120 Phalaena (Lepidoptera) novas, classificadas por ele, Lineu. E que pintou mais de cem borboletas índicas do Museu da rainha (Upsala).

Fenologia: pede-lhe que veja em que dia irrompem as folhas de Betula, Fraxinus, Vimus, Quercus, Tilia, Hippocastaneum, Sorbus e Carpinus, para ele também observar na Suécia o mesmo fenómeno e calcular as diferenças de estação entre os dois países. Os botânicos de Montpellier tinham feito os mesmos estudos e concluído que o Verão se antecipava 31 dias ao da Suécia e que durava mais dois meses.

Durante muito tempo se admirara do que fosse a "Avicula" que Rajus vira em Florença e a que disse ter chamado Spipoleta.

Informa que o seu discípulo Forsgard se dirigira num navio ao encontro de Donati, na Arábia. (Deve ser Peter Forsskal, que foi à Arábia integrado na Expedição Dinamarquesa e Alemã).

Lamenta-se, porque todos os anos, nos confins da Lapónia, aparecem uns vermes que causam o máximo dano a pessoas e gado; mas que morrem no corpo nu com a luz; penetram nas partes musculosas e matam muitas vezes num quarto de hora com terríveis dores.

Na carta seguinte, diz que o verme é Furia infernalis.

 
1761

Carta de Lineu. Upsala, 2 de Janeiro. Agradece dádivas de Vandelli. Refere a doença fatal de Ortega (Casimiro Ortega, director do Jardim Botânico de Madrid). O que Vandelli escreveu na Apologia contra Haller, homem irritado por toda a gente, é fácil de entender. A Ulva que DV desenhou é um milagre da Natureza, pergunta em que livro está a figura, para a escolher para a nova edição do Systema Naturae. Diz que é uma espé4cie nova que ele nunca tinha visto. "A imagem é óptima, a descrição é tão excelente que não a posso imitar. Fico feliz por Donati continuar na Arábia. Há tempos o rei da Dinamarca mandou um discípulo meu ao encontro dele. Recebi as sementes que no Egipto coligiu o ingrato Donati mais o seu companheiro Roque, são belas e contêm novas plantas. Este insecto [faz o desenho], que na Lapónia morre à luz, e infelizmente mata homens e animais, é um verme do novo género Furia infernalis, segundo Solandro."

Fenologia: compara os cálculos de Vandelli com os seus sobre a altura em que irrompem as folhas das árvores para concluir que há um intervalo de 48 dias entre Pádua e Upsala; em Pádua, as folhas nascem sete semanas antes, sendo aqui o Verão mais longo que na região de Upsala.

Tractatus de Thermis Agri Patavini. Accedunt: Bibliotheca Hydrographica, & Apologia Contra Cel. Hallerum. Pádua.

Epistola de Holothurio et Testudine coriacea ad Cel. Equitem Carolum Linnaeum. Pádua. Descrição de Dermochelys coriacea (Vandelli, 1761), a tartaruga-lira.


Carta de Lineu. Upsala, Agosto. Espera com ansiedade a obra de DV sobre as termas de Pádua para as duas Ulva serem observadas. Diz que DV tem sem dúvida nenhuma contribuído para o desenvolvimento da arte na região de Modena. Mais conclusões fenológicas.


Carta de lei de 7 de Março cria o Colégio Real dos Nobres (abolido em 1837, para em seu lugar surgir a Escola Politécnica). O CRN só abre em 1765, quando Vandelli chega a Portugal. Se ali deu aulas ou não é ponto de discórdia.

 
 
   
   

 

 

 


hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano