Procurar textos
 
 

 

 

 







HERPETOLOGIA
CABO VERDE
...
FICHAS DE ESPÉCIES
SAURIA: SCINCIDAE
.

Mabuya stangeri (Gray, 1845)

1845. Gray descreve “Dr. Stanger’s Euprepes”, Euprepis Stangeri, a partir de dois exemplares do W. Africa, Niger Expedition. Presented by Dr. Stanger; e de um terceiro, do S. Africa. Presented by the Admiralty, from the Antarctic Expedition.

1875. Com exemplares do ilhéu Raso, enviados por Hopffer, Bocage descreve Euprepes Hopfferi.

1887. Boulenger lança Euprepis polylepis Peters, 1869 na sinonímia de Mabuya stangeri - tipos. Dos tipos, oferecidos pelo Dr. Stanger, provenientes da Niger Expedition, refere que são um adulto e um juvenil. Lança Euprepes hopfferi na sinonímia de Mabuya stangeri, referindo a existência de um tipo no British Museum, oferecido por Bocage, oriundo do Raso. Menciona ainda exemplares de S. Vicente (of. J. Macgillivray, Rev. Lowe e Dr. Cunningham). Habitat: West Africa to Damaraland.

1896. Bocage diz que no Museu Britânico há exemplares de S. Vicente e Raso. Os nossos specimens são do Ilheo Raso e foram-nos offerecidos pelo dr. Hopffer. Bocage não tem ou não reconhece a existência de exemplares de S. Vicente no Museu de Lisboa, o que é singular, atendendo a que S. Vicente é uma ilha muito explorada, em comparação com o ilhéu.

1902. Bocage menciona, além do Raso, as novas localidades onde Newton encontrou M. stangeri: Santa Luzia, Boavista, Santiago, S. Nicolau e ilha do Sal. Insiste em que há a acrescentar os exemplares de S. Vicente do Museu Britânico. Bocage nunca chegará a ver espécimes de S. Vicente.

1905. Com base nas colheitas de Leonardo Fea, Boulenger refere Mabuya stangeri para a Boavista e ilhéu Raso. Cria a espécie Mabuya spinalis a partir de 9 espécimes da ilha do Fogo (S. Filipe e Igreja).

1935. Angel cria o táxone Mabuya salensis a partir de 2 exemplares coligidos por Chevalier na ilha do Sal.

1937. Angel refere Mabuya stangeri para S. Vicente, Boavista, ilhéus Branco e Raso e considera-a continental.

1951. Dekayser & Villiers estudam 4 exemplares da ilha do Sal (estrada para Pedra Lume, em Palmeira) e de S. Vicente (S. Pedro) e dão-na como continental.

1955. Mertens, considerando o táxone politípico, cria subespécies: M. stangeri stangeri - S. Vicente, Santa Luzia e Branco. Mabuya stangeri maioensis Mertens, 1955 - Maio. Considera Mabuya salensis Angel 1935 a subespécie M. stangeri salensis - Sal e Boavista.

1977. Greer cita M. stangeri para Cabo Verde, não entrando em conta com subespécies, o que equivale a considerá-la monotípica.

1987. Schleich refere Mabuya stangeri (Gray, 1845) e Mabuya stangeri stangeri (Gray, 1845) para Santa Luzia. Na tabela, confirma M. stangeri (a distinguir de M. stangeri stangeri) para S. Vicente, Santa Luzia, Branco, Raso, Sal, Boavista, Maio, Santiago, ilhéu de Santa Maria e Fogo e só não a confirma para a Brava (onde só ele ou Joger a terão encontrado, nenhum autor precedente refere a espécie para esssa ilha) . No corpo do texto, põe pontos de interrogação em M. stangeri stangeri nas ilhas do Sal, Boavista e Brava. Confirma, no texto, M. stangeri stangeri para S. Vicente, Santa Luzia, Branco (2 lotes de exemplares, 1 deles com ponto de interrogação; se na sigla 14.82.1, por exemplo, os algarismos do meio correspondem à data de colheita, então os exemplares são dele, portanto não se confirma a si mesmo) e Raso. Na tabela, não confirma M. stangeri stangeri para Sal, Boavista e Brava. Mabuya stangeri maioensis - Maio. M. stangeri salensis - na tabela, Schleich confirma o táxone para Sal e Boavista. No texto, põe ponto de interrogação na Boavista e na linha de baixo comprova também para a Boavista. Explica depois a contradição na Masstabelle, dizendo que o(s) exemplar(es) da Boavista de "Mabuya stangeri salensis vel M. st. stangeri (=M. st. salensis)". Na tabela, confirma M. stangeri spinalis para Santiago, Santa Maria e Fogo e não a confirma para a ilha do Sal, para onde Angel não a citara, porque Angel o que citou para a ilha do Sal foi M. spinalis de Boulenger. Não reconhece Mabuya spinalis Boulenger, 1905, considerando-a nova subespécie da espécie que é ao mesmo tempo politípica e monotípica: M. stangeri spinalis - Fogo.

1990. Margarida Pinheiro estuda vários exemplares de Maio, Santiago, S. Nicolau e ilhéu Raso, das colecções do Centro de Zoologia.

1993. Joger entende que Mabuya stangeri é uma forma monotípica. Readmite Mabuya spinalis de Boulenger mas como forma politípica. Converte assim em M. spinalis spinalis a M. stangeri spinalis - Santiago e Fogo - argumentando: contrary to Schleich (1987) the specimens reported here have only three supraciliary scales. M. stangeri salensis passa a M. spinalis salensis - Sal e Boavista. Sobre M. spinalis salensis, afirma: The specimens are much below the maximal size of 87 mm (head+body) indicated by Schleich (1987). Transmuta em M. spinalis maioensis a M. stangeri maioensis da ilha de Maio, alegando: Schleich (1987) argued on the basis of the highly variable pattern ("intergrades of all Cape Verdean species") that this subspecies might be the oldest in the archipelago. Also the term "intergrades" is certainly not appropriate, this phyletic position is corroborated by the low number of body scales. Judging from the fact that they share the highly derived fusion of supraciliaries, maioensis, however, appears a rather "modern" species. Quanto à M. stangeri, cita-a para S. Vicente, Santa Luzia, Branco, Raso e desautoriza Dekayser & Villiers, que a haviam referido para Sal, Boavista e Brava. Informa que os animais referidos para estas ilhas são mulatos - “intermediate” - de M. spinalis.

 
   
   

 

 

 


hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano