Respício Nuno

Poemas

Disgrasa

Sintadu na baranda di simuladu
Puera di yagu fungulin uju
Junbulin ku kudadi
Na kil tenpu di fanadu
Ku dunus di matu
Na latchi kalef
Na kosta di pubis nosenti
Kalef di fugu
Kalef di fugu?

Es gora i disgrasa!

Kasadias konkoñi

Kurpus tisna
Utrus padasa
Pubis nbuldja sin paraderu
Moransas padasa
Pabia kañako di kasisas
Mortundadi laga
Disgrasa balia pubis

Tenpu di junta baloba ka ten

Irans panta
Duensa muñungu
Kabesa di jintis
Dudisa ku tisi disgrasa
Disgrasa ku leba fartura
Di jugde
Jugde ku bisia kemansa
Kemansa di banbaran di Guine

Kasisas ku pekaduris

Na torkia dala
Plitikerus bida pasenserus
Sintidu na kabas garandi
Kabas garandi ku tisi disgrasa
Disgrasa ki nudadi
Ku barsa Guine
Guine ku as almas na disfindra
Suma manpatas
Ermondadi rapati
Suma I3larna ku San Jon
Disgrasa trapaseru
Disgrasa mofinu
Disgrasa futseru
Ku misti gasija na Guine
Disgrasa ku kabesas mandintis
Na sumia
E na sumia son
Disgrasa ntemus
Ku ka misti kunpaña
Ku rabida di tenpu
Ku misti tujinu mati
Flura di kaju
Ku misti tujinu mati
Tchigada di ñominka
Ku misti mainanu
Yalsa stera di tera

E disgrasa
Ku pu n’medi
N’medi ka mundu
Bin turbida
N’bes di rabida

N’medi
Ku tera
Ku sinta na balei
ina pera feki

N’medi
Ku kabesa di Guine
N’medi
Ku korson di Guine

N’medi
Pa ka disgrasa
Kontinua disgrasia Guine

N’medi ku Guine
Kila son kun medi
E disgrasa di nudadi.

Desgraça / Calamidade
Tradução de Moema Parente Augel

Sentado na varanda como um esmoler
a poeira da água (um véu de
lágrimas) embaciando os olhos
a razão [misturando-se
confusamente] com preocupação
Naquele tempo do fanado
com os donos do mato
Golpeando com a catana (o facão)
nas costas do povo inocente
golpes de fogo
Golpes de fogo?

Éo momento da desgraça (Isso
agora é uma calamidade!)

[Os moradores das casas acorrem para ver
os corpos queimados
outros despedaçados (mutilados)
O povo corre sem destino (em pânico)
aldeias destruidas
pela lança das kassissas
a mortandade se espaiha
a desgraça divide o povo

Tempo para rituais [e sacrificios] não há
os irans estão chocados
as doenças se alastraram
as pessoas
Endoideceram e isso trouxe a desgraça
a desgraça que levou fartura
para os abutres
abutres que vigiaram os incêndios
O incêndio do berço da Guiné

As kassissas e as pessoas (os mortos e os vivos)
vão trocar as roupas (misturam-se, não se sabe quem é quem)
Politiqueiros viraram intrigantes
a razão está posta na cabaça grande
cabaça grande que trouxe a desgraça
Desgraça que é uma má notícia
(desgraça da desgraça)
que abraça a Guiné

Guiné onde as almas (os mortos)
cairão
como os frutos do mampatas
a fraternidade está [tão] separada
como Bolama [está longe] de São João

Desgraça trapaceira
Desgraça mofina
Desgraça feiticeira
que quer hospedar-se na Guiné
Desgraça que as cabeças insanas
estão a semear
e vão semear cada vez mais

Desgraça teimosa
que não quis acompanhar a mudança dos tempos
e quis impedir-nos de presenciar a nova floração do caju
que quis impedir-nos de presenciar
a chegada dos nhominkas/ pescadores
que quis impedir-nos
de levantarmos a esteira do chão

Essa desgraça (calamidade)
que me dá medo
tenho medo que o mundo
caia no caos
em vez de mudar para o bem

Tenho medo
da areia (das impurezas) que está no balaio
esperando ser sacudida (jogada fora)

Tenho medo
das cabeças da Guiné (do estado mental)

Tenho medo
do coração da Guiné

Tenho medo
que a desgraça
continue a desgraçar a Guiné

Tenho medo pela Guiné
é só disso que tenho medo
dessa desgraça das desgraças.

In: Moema Parente Augel, Os segredos da "barraca". A representação da nação na literatura de guerra da Guiné-Bissau. Revista Crioula, nº 4, Novembro de 2008.

Respício Nuno Marcelino Silva (Respício Nuno) trabalhou com o programa de rádio Tchon Tchoma, juntamente com Félix Sigá e Sunkar Dabá. Foi na rádio que começou a divulgar sua produção poética, nos programas Biufo e Bambaran di Padida, de 1978 a 1983. Uma novela de sua lavra foi apresentada de forma seriada em um de seus programas. Essa seria uma das primeiras, se não a primeira manifestação de textos de ficção escritos em crioulo, mesmo que não tenha sido publicada. Tem também revistas em quadrinhos, que foram publicadas durante as eleições na Guiné (1994), além da melodia e da letra da canção “Bo bai pubis”. Há a informação de que tem contos inéditos escritos em crioulo, no que seria também pioneiro, pois, como sabemos, as únicas manifestações em prosa em crioulo são os contos tradicionais (storias) transcritos e publicados. No que tange a sua produção poética em crioulo, Respício Nuno não tem muita coisa publicada. Ele não aparece em nenhuma das antologias anteriores a Kebur (1996), na qual está presente com oito poemas. Um deles é “Un karta” (uma carta).

In: Hildo Honório do Couto, A poesia crioula bissau-guineense. Papia 18, 2008, pp. 83-100.

Poesia no Didinho
http://www.didinho.org/poesia.htm

 

http://senegambia.blogspot.com/

 

 

 

 




 



hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano