Huco Monteiro.....

Sinais de paz

Alinu-li na mentu ntidu ku balas surua
Bandé trás, Kiliquir dianti
Nô firma suma nô matchundadi
Na defesa di sigridu di baraka

Ali élis li é na njata ka na retourner
ka kunsi nin Kankuran nin Ussai Plek
Kada kim kada Ndjol kada Ndjai arnegu di élis
Ma é ka tissi nin fuka nin bissap
Arma na kosta pa montia Republika rebelde

Ala é nabal fidjus di Ndjai Té kuma Ndjai Djú
Korda di lantcha na rabada
Kanela seku, kabelu kuma bosta di kabra
Arnegu di Djop ia Ussalanka
Lutu di Brá i ka tchiga fidi lifanti

Binhalé un djamba na polon bu fogantal na Puntu Sibi
Montiaduris nhominca salta na Djiba i djunki na Nghala

Alinu li ku elis suma tap ku bangadje
Ronku i ku elis
Ma badju di Brá i djambadon

Guer lambés na toka sikõ djamba na
badja kafé kinti

Alinu li na kassabi di P’Nghana
Kada familia i un stera di tchur
Kada suma i un fora di nós ku na padjiga
dur na Pátria

Ali é nega far kussa di bai kuma Bissau
mela tchut

Arma na pontada, lunetas suma di Bubu
Na Tchut
Ali élis li é na sussa lensolis di Pãtria
È na sibi riba ku bás
Suma djintis ku bin nan ten Tchon
Alinu li ku returnez na totis
Albés ku fomi albés ku sedi
Pontada kumpridu
Ma é nega bai

Ali élis li é na kunfundi M’Pandja ku Psak
È na buska Repúblika pa monda
Alinu nô firma tchan
Suma nô matchundadi pó di sangui

Certeza na kabeça
Amanhã suma farol dianti
Esperança na pitu
Nó ndianta ku nô Terra
Pabia di amanhã
Djitu ten na glória di Brá!

Sinais de paz
Trad. Moema Parente Augel

Estamos a ser obrigados [a jogar o jogo]
E com balas dos suruás
Bandim [ficou] para trás, Calequir [está]
adiante
Nós ficamos de pé, assumindo nossa
coragem
Na defesa do segredo da nossa barraca.
Aí estão eles e afirmam com arrogância
que não vão [regressar [para casa, para o
país deles].
Eles não conhecem nem o Kankuran nem
o Ussai Plek (eles não conhecem a ameaça
que paira sobre eles).
[Há aqui] tantos Ndjol, tantos Ndjai,
arrenego todos eles
Pois eles não trouxeram roupas para
comerciarem nem bissap para [venderem]
Trouxeram, sim, armas nas costas para
caçar a República rebelde.
Lá vão eles, os filhos de Ndjai Té e até
mesmo os Ndjai Djú
Cordas grossas na cintura,
Canela seca, cabelo como bosta de cabra.
Maldição aos Djop [que querem capturar,
que se atreverem a ir] a Bissalanka.
A batalha de Brá não vai levar à vitória.
[A resina do] binhalé prendeu o pardal no
poilão e tu o afogaste na ponte Sibe,
Os caçadores senegaleses desembarcaram
em Geba e se instalaram até em Nghala
Estamos aqui com eles, (inseparáveis)
como a rolha e o gargalo da garrafa.
Eles andam sempre bem aprumados,
Mas em Brá dança-se é o djambadon.
Os veteranos na guerra vão tocar sikó e
os djambas [em pânico] vão dançar muito
depressa.
Estamos aqui na tristeza [por causa de]
de P’Nghana.
Cada família é uma esteira de choro (Há
um morto em cada família)
Cada surua é um fantasma espalhando a
dor na Pátria.
Aqui eles recusam-se a ir embora pois
Bissau é doce como o mel.
Armas na ilharga, óculos escuros como os
de Bubu Na Tchut,
Eles estão aqui a macular os lençóis da
Pátria,
Vagueiam [pela cidade] para cima e para
baixo
Como conquistadores que vieram
apropriar-se do nosso chão.
Aqui estamos com os “retournez” nas
costas,
Os senegaleses estão famintos, os
senegaleses estão sedentos,
Suas costelas estão longas, [ à mostra],
Mas mesmo assim se recusam a ir
embora.
Aqui estão eles, confundindo M’Pandja
com Psak
(desconhecendo a topografia da cidade).
Eles estão querendo capturar a
República.
Aqui estamos nós firmes, com o pênis
erecto (como verdadeiros machos),
Como [o tronco de] um pau de sangue.
A certeza nas nossas mentes,
O amanhã como um farol à [nossa] frente,
A esperança no coração,
Avançamos sempre adiante com a nossa terra,
[E] por causa do amanhã
Venceremos na glória de Brá!

Moema Parente Augel, Os segredos da "barraca". A representação da nação na literatura de guerra da Guiné-Bissau. Revista Crioula, nº 4, Novembro de 2008.

Huco Monteiro, ou simplesmente Huco, é nomi di kasa de João José Silva Monteiro, que participou dos conjuntos musicais Chave d’Ouro (Nkassa Kobra), Panteras Guinéus e Djorson, ao lado de Serifo Mané, Ernesto Dabó e Diana Handem. As músicas cantadas por Zê Manel têm diversas letras que foram escritas por ele. Em 2006 saiu seu longo poema “Sinais de paz” que, a despeito do título em português, está escrito em crioulo.

In: Hildo Honório do Couto, A poesia crioula bissau-guineense. Papia 18, 2008, pp. 83-100.

Poesia no Didinho
http://www.didinho.org/poesia.htm

 

http://senegambia.blogspot.com/

 

 

 

 




 



hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano