FILOMENA EMBALÓ

Breve resenha sobre a literatura da Guiné-Bissau

Nota ao leitor

Este trabalho não se pretende exaustivo. Ele apenas indica referências que poderão ser o ponto de partida para um estudo mais completo e actualizado, uma vez que se refere unicamente ao panorama literário guineense até 2000. A limitaçao das fontes que foi possível consultar, explicará a parcialidade da abordagem e desde já as minhas desculpas pelas omissões involuntárias.

Com a preocupação de paliar a estas insuficiências, não deixarei de completar este trabalho à medida que for tendo acesso a mais informações. Por outro lado, o desafio fica aqui lançado a eventuais colaboradores interessados em aprofundar e completar o tema.

Introdução

Dentre as antigas colónias portuguesas, a Guiné-Bissau é o país onde mais tardiamente a literatura se desenvolveu devido ao atraso do aparecimento de condições socio-culturais propícias ao surgimento de vocações literárias. Esse atraso deveu-se sobretudo ao facto da Guiné ser uma colónia de exploração e não de povoamento, tendo estado por um longo período sob a tutela do governo geral da colónia de Cabo Verde.

São vários os elementos que explicam essa situação, dos quais cito alguns. Primeiramente, uma política educativa colonial restritiva e tardia. Com efeito, o primeiro estabelecimento de ensino secundário só foi aberto em 1958, enquanto que, por exemplo, em Cabo Verde o primeiro liceu foi inaugurado na Praia em 1860[i] O acesso ao ensino era bastante restrito, estando dele excluída a maioria da população (99,7% em 1961) abrangida pelo Estatuto do Indigenato. A imprensa também chegou tardiamente à colónia, em 1879, enquanto que nas demais colónias ela foi instalada entre 1842 e 1857. Os Boletins Oficiais, que possuíam secções reservadas a colaborações literárias, só apareceram em 1880, na medida em que entre 1843 (data em que apareceram os boletins nas outras colónias) e 1879 havia um boletim comum à Guiné e Cabo Verde, editado na Praia. A primeira editora pública, a Editora Nimbo, só aprareceu depois da independência em 1987, tendo tido uma duração efémera, fechando alguns anos depois.

A estas causas remotas, associam-se outras mais recentes que têm a ver com o pouco (ou quase nenhum ) apoio que as autoridades do país têm prestado à promoção da cultura nacional em geral e à literatura em particular. A inexistência de bibliotecas, de uma casa de edições, a falta de dinamismo da própria União Nacional de Artistas e Escritores são alguns dos factores que têm travado o desenvolvimento do movimento literário nacional. Abdulai Silá, o primeiro romancista contemporâneo do país, teve que fundar a sua própria casa de edições em 1994...

Poderemos distinguir quatro fases na literatura da Guiné em função do seu conteúdo: uma primeira fase anterior a 1945, uma segunda entre 1945 e 1970, uma outra entre 1970 e o fim dos anos 1980 e finalmente a fase iniciada na década de 1990.

I. A fase anterior a 1945

Autores marcados pelo cunho colonial

Os primeiros escritos no território guineense foram produzidos por escritores estabelecidos ou que viveram muitos anos na Guiné, muitos deles de origem cabo-verdiana. A maior parte das suas obras têm um caracter histórico, com a excepção da de Fausto Duarte (1903-1955), que se destacou como romancista[ii], Juvenal Cabral e Fernando Pais Figueiredo, ambos ensaístas, Maria Archer, poetisa do exotismo, Fernanda de Castro, cuja obra dá conta das transformações sociais da colónia na época e João Augusto Silva, que recebeu o primeiro prémio de literatura colonial. Porém a maior parte destes autores caracterizam-se por uma abordagem paternalista e/ou próxima do discurso colonial.

Durante este período apenas uma figura guineense se destaca : o Cónego Marcelino Marques de Barros que deixou trabalhos no domínio da etnografia, nomeadamente “A literatura dos negros” e uma colaboração com carácter literário dispersa em obras diversas. A ele se deve a recolha e a tradução de contos e canções guineenses em diferentes publicações e numa obra editada em Lisboa em 1900, intitulada “Contos, Canções e Parábolas”.

II. O período entre 1945 e 1970

Uma poesia de combate

É neste período que surgem os primeiros poetas guineenses: Vasco Cabral e António Baticã Ferreira. Amilcar Cabral, com uma dupla ligação à Guiné e Cabo Verde, faz também parte desta geração de escritores nacionalistas. A literatura deste período caracteriza-se pelo surgimento da poesia de combate que denuncia a dominação, a miséria e o sofrimento, incitando à luta de libertação.

Embora os primeiros poemas de Amilcar Cabral revelem um autor cabo-verdiano, a maior parte da sua obra literária é dominada por um cunho universalista, marcada pela contestação e incitação à luta:

« Ah meu grito de revolta que percorreu o mundo

que não transpôs o mundo

o Mundo que sou eu !

Ah ! meu grito de revolta que feneceu lá longe
Muito longe
Na minha garganta !

Na garganta mundo de todos os Homens »[iii]

Vasco Cabral é certamente o escritor desta geração com a maior produção poética e o poeta guineense que maior número de temas abordou. A sua pluma passa do oprimido à luta, da miséria à esperança, do amor à paz e à criança.... Inicialmente com uma abordagem universalista, a sua obra se orienta, a partir dos anos 1960 para a realidade guineense[iv]. Em 1981, publicou o seu primeiro livro de poemas intitulado “A luta é a minha primavera”, obra que reúne 23 anos de criação poética entre 1951 e 1974. Esta obra foi ulteriormente publicada pela União Latina numa versão trilingue português, francês e romeno.

Citação:

« Mãe África

Vexada

Pisada

calcada até às lágrimas

confia e luta

e um dia a África será nossa… »[v]



« …Ah ! Comme il me plairait

d’embrasser sur la bouche l’aurore

et de promener mes doigts

dans la chevelure de l’avenir

pour que paix et liberté

soient universelles. »[vi]

III. Dos anos 1970 ao fim dos anos 1980

Uma literatura exclusivamente poética:
da poesia de combate à poesia intimista

Com a independência do país, surge uma vaga de jovens poetas, cujas obras impregnadas de um espírito revolucionário, manifestam um carácter social. Os autores mais representativos são: Agnelo Regalla, António Soares Lopes (Tony Tcheca), José Carlos Schwartz, Helder Proença, Francisco Conduto de Pina, Félix Sigá.

O colonialismo, a escravatura e a repressão são denunciados por esses autores que, no pós independência imediato apelam para a construção da Nação e invocam a liberdade e a esperança num futuro melhor. O tema da identidade é abordado através de diferentes situações: a humilhação do colonizado, a alienação ou assimilação e a necessidade de afirmação da identidade nacional.

Note-se porém que a questão de identidade não é apresentada como um factor de oposição entre o indivíduo e a sociedade na qual este evolui. Ela é analisada como um conflito pessoal do indivíduo, que consciente do seu desfasamento cultural em relação à sociedade de origem, procura identificar-se com as suas raízes, da qual foi afastado pela assimilação colonial. Por conseguinte, nesta abordagem não se põe em causa a pertença do indivíduo à sociedade em questão.

Embora o recurso ao crioulo seja marginal, os autores afirmam-se como cidadãos africanos

Vejamos :

Agnelo Regalla (tema do assimilado)

Fui levado

a conhecer a nona sinfonia

Beethoven e Mozart
na música

Dante, Petrarca e Bocácio

na literatura

… Mas de ti mãe África ?

Que conheço eu de ti ?

a não ser o que me impingiram

o tribalismo, o subdesenvolvimento

e a fome e a miséria como complementos…/[vii]

 

Helder Proença (temas: reconstrução e esperança)

« …É assim que vamos tecendo as nossas manhãs

de ferro e terra batida

são as cores da nossa vida

onde a juventude se forja

- ardente e gloriosa no peito palpitante do futuro - … »[viii]

As primeiras publicações poéticas surgem em 1977 com a edição da primeira antologia « Mantenhas para quem luta », editada pelo Conselho Nacional da Cultura. No ano seguinte, é publicada a “Antologia dos novos poetas / primeiros momentos da construção”. Estas duas obras consagram uma poesia que instiga à reconstrução do jovem país.

Ainda em 1978, Francisco Conduto de Pina publicou o seu primeiro livro de poemas “Garandessa di nô tchon” e Pascoal D’Artagnan Aurigema editou ‘Djarama”.

Helder Proença publicou em 1982 « Não posso adiar a palavra » com duas obras poéticas.

Em 1990, surgiu uma nova colectânea poética, a “Antologia Poética da Guiné-Bissau” editada em Lisboa pela Editorial Inquérito, reunindo obras de quinze poetas, dos quais a maioria produz ainda uma poesia característica desta época.

IV. A partir da década de 1990

Uma poesia mais intimista

O desencantamento dos sonhos do pós-independência imediato fez com que a euforia revolucionária desse lugar a uma poesia que se tornou mais pessoal, mais intimista, com a deslocaçao dos temas Povo-Nação para o Indivíduo. Outros temas passaram a inspirar a criação literária, tais como o amor. De entre os seus autores citemos: Helder Proença, Tony Tcheca, Félix Sigá, Carlos Vieira, Odete Semedo.

«Quisera

nesta vida

… afagar teus cabelos

sugar o doce dos teus olhos

transportar em arco-íris

o néctar da tua boca

e juntos caminharmos

ante a ânsia e o sonho … »[ix]


« A vida

nasce de gotas de Amor

- a morte

acontece no tempo

entre mim e a vida

paira um vácuo

- com sorriso

aguardo o destino[x].

Embora o português continue a ser a língua dominante na poesia guineense, o recurso ao crioulo tornou-se mais frequente, quer pela escrita em crioulo, quer pela utilização de termos e expressões crioulas em textos em português. Empregando o crioulo, os autores põem em evidencia a riqueza metafórica dessa língua, profundamente enraizada na cultura popular.

Odete Semedo, que utiliza tanto o português como o crioulo, reivindica pertencer a duas culturas:

« Em que língua escrever

as declarações de amor ?

em que língua contar as histórias que ouvi contar ?

… Falarei em crioulo ?

Falarei em crioulo !

mas que sinais deixar aos netos deste século ?

ou terei que falar nesta língua lusa

e eu sem arte nem musa

mas assim terei palavras para deixar.. . »[xi]

Várias são as publicações que dão conta destas inovações na literatura bissau – guineense: « O Eco do Pranto » de Tony Tcheca em 1992, uma antologia temática sobre a criança, editada pela Editorial Inquérito em Lisboa ; « O silêncio das gaivotas » em 1996, o segundo livro de poemas de Francisco Conduto de Pina ; « Kebur – Barkafon di poesia na kriol », uma recolha de poemas em crioulo, editada pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisa (INEP) em 1996 ; « Entre o Ser e o Amar », uma recolha bilingue português-crioulo de poemas de Odete Semedo, publicada também pelo INEP em 1996 « Noites de insónia em terra adormecida », um outro livro de poemas de Tony Tcheka publicado também em 1996 e « Um Cabaz de Amores - Une corbeille d’amours”, recolha bilingue português-francês de poemas de Carlos Edmilson Vieira, publiacada em 1998 pelas Editions Nouvelles du Sud em Paris.

As primeiras bandas desenhadas de Fernando Júlio, exclusivamente em crioulo, apareceram na década de oitenta. Trata-se essencialmente de sátiras sociais que tiveram um grande sucesso. A música, onde a poesia crioula tem quase a exclusividade, foi também marcada pela exultação da reconstrução nacional.

Finalmente a prosa

Foi apenas em 1993 que a prosa aparece na literatura contemporânea bissau-guineense. Foi Domingas Sami que inaugurou este estilo com uma recolha de contos « A escola » sobre a condição feminina na sociedade nacional.

Em 1994, surge o primeiro romance de Abdulai Silá, « Eterna Paixão , que publicou outros dois romances: « A última tragédia », traduzido para francês e « Mistida » em 1997. Na sua obra Silá põe em destaque a coabitação na sociedade colonial das duas comunidades presentes, a colonizadora e a colonizada. A transição para uma sociedade pós-colonial onde uma nova elite saída da luta de libertação se instala no poder, fazendo contrastar o seu discurso revolucionário com uma prática desastrosa na governação do país, é visitada pela pluma atenta do escritor. O seu romance “Mistida” publicado um ano antes do início da guerra civil de 1998/1999 é considerada pelos críticos literários como uma obra profética.

Em 1997, Carlos Lopes, autor de numerosas obras de caracter histórico, sociológico e político, inaugura a sua incursão na literatura nacional com a publicação de “Corte Geral”, uma recolha de crónicas, na qual, com muito humor, descreve situações reveladoras do surrealismo que caracteriza a sociedade guineense de todos os tempos.

Um outro escritor se impõe em 1998 na cena literária : Filinto Barros, com o seu primeiro romance “Kikia Matcho », que mergulha o leitor no mundo mágico e místico africano, abordando a vida decadente da capital nos anos 1990 e o sonho falhado que representa a emigração.

Em 1999, Filomena Embaló publicou também o seu primeiro romance, “Tiara”, que levanta o véu do delicado tema da integração familiar e social no seio da própria sociedade africana.

Carlos Edmilson Vieira, em 2000, editou « Contos de N’Nori », uma recolha de contos que evocam lendas e costumes populares, recordações de brincadeiras da juventude e as vicissitudes sociais e políticas da sociedade guineense.

Constata-se que a literatura contemporânea bissau-guineense, nas suas diversas formas, tem uma constante : pela pluma dos seus escritores, ela retrata as desilusões, os medos e as aspirações da população perante a situação política, social e económica que prevalece no país.

Notas

i Aristides Pereira, « Guiné-Bissau e Cabo Verde – Uma Luta, um Partdido, Dois Países », Notícias Editorial, Lisboa, 2002

[ii] « Aua », 1934 ; « O negro uma alma », 1935 ; « Rumo ao degredo », 1939 e « A revolta », 1945.

[iii] Poema : « Poema », Antologia Poética da Guiné-Bissau, Editorial Inquérito, 1990, pág. 39

[iv] Fernando J. B. Martinho, no Prefácio da primeira edição de « A luta é a minha primavera».

[v] Poema : « África ! Ergue-te e caminha » Antologia Poética da Guiné-Bissau, Lisboa, op. c. pág. 49.

[vi] Poema « Desabafo » (Confidence), extrait de « A luta é a minha primavera », version trilingue, pág. 236.

[vii] Poema : « Poema de um assimilado », Antolologia poética da Guiné-Bissau, op. c. Pág. 118.

[viii] Poema : « Assim respira a minha Pátria » Antologia Poética da Guiné-Bissau, op c. page 84

[ix] Tony Tcheca, « Ânsia e sonho », 1981, Antologia poética da Guiné-Bissau, op.c. pág. 151

[x] Francisco Conduto de Pina, « A vida », 1996, O Silêncio das Gaivotas, Bissau, Centro Cultural Português, 1996

[xi] Odete Semedo, « Em que Língua Escrever ? », Entre o Ser e o Amar, INEP, Bissau 1996, pág. 11

BIBLIOGRAFIA

“Antologia Poética da Guiné-Bissau”, Editorial Inquérito, Lisboa, 1990.

Carlos Edmilson Vieira, “Contos de N’Nori”, Edição do autor, Bissau, 2000.

Carlos Edmilson Vieira, “Um Cabaz de Amores/Une corbeille d’amours”, Edições Nouvelles Sud, Ivry Sur Seine, 1998.

Carlos Lopes, “Corte Geral”, Editora Caminho, Lisboa, 1997.

Elisabeth Monteiro Rodrigues, “Guinée-Bissau, une littérature en devenir”, Africultures n°26, Março de 2000.

Francisco Conduto de Pina, “O Silêncio das Gaivotas”, Edição do Instituto Camões-Centro Cultural Português de Bissau, 1997.

“Kebur-Barkafon di poesia na kriol”, INEP, Bissau, 1996.

Leopoldo Amado, “A Literatura Colonial Guineense”, Revista ICALP, vol.20 e 21, Julho-Outubro de 1990, 160-178.

Manuel Ferreira, “Literatura Africana dos Países de expressão portuguesa I”, Biblioteca Breve.

Moema Parente Augel, “Lembrança e Olvido nas Literaturas Afrobrasileiras e Guineense”, Universidade de Bielefeld, Alemanha, www.geocities.com.

Odete Semedo, “Entre o Ser e o Amar”, INEP, Colecção Literária Kebur, Bissau, 1996.

Russel G. Hamilton, “A Literatura dos PALOP e a Teoria Pós-colonial”, Universidade de Vanderbilt, E.U.A., www.geocities.com .

Vasco Cabral, “A Luta é a minha Primavera”, União Latina, Paris 1999.

http://www.didinho.org/resenhaliteratura.html . 2004.                              Triplov, 16.06.2010

Filomena Embaló. De nacionalidade guineense, nasceu em Angola, em 1956, filha de pais cabo-verdianos. Em 1975, os acasos da vida levaram-na de Angola para a Guiné-Bissau, país que adoptou e em cuja labuta dos primeiros anos de independência se forjou a faceta guineense da sua identidade.

Formou-se em Ciências Económicas em França e ocupou cargos na Função Pública bissau-guineense, no país e no exterior. Actualmente trabalha em Paris, na organização intergovernamental União Latina.

Tem publicações em revistas e jornais de artigos sobre a economia guineense e literários. As encruzilhadas do seu percurso multicultural inspiraram o seu romance, "Tiara", editado em 1999. “Carta Aberta”, uma recolha de contos e textos seus, foi publicada em 2005. « Coração cativo », saído do prelo em 2008, é o seu primeiro livro de poemas.

 

 

 

 




 



hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano