DIDINHO (FERNANDO CASIMIRO)
didinho@sapo.pt
19.07.2010

O MEU ENCONTRO COM O CAPITÃO PANSAU INTCHAMA (2)
Em: http://www.didinho.org/OMEUENCONTROCOMOCAPITAOPANSAUINTCHAMA2.htm

O meu encontro com o Capitão Pansau Intchama (2)

ZAMORA INDUTA CONTINUA PRESO, NÃO POR DECISÃO DE ANTÓNIO INDJAI, MAS SIM DO
PRESIDENTE MALAM BACAI SANHÁ!
Pansau Intchama

À ATENÇÃO DOS ÓRGÃOS DE SOBERANIA DA REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU EM GERAL E DO SENHOR PROCURADOR -GERAL DA REPÚBLICA, DR. AMINE MICHEL SAAD, EM PARTICULAR.

NOTA: O trabalho que hoje apresento é fruto duma conversa entre 2 guineenses sobre diversos assuntos do país, particularmente, sobre as matanças de 01 e 02 de Março de 2009. Pode causar transtornos aos guineenses, pode até, provocar "tempestades" na Guiné-Bissau, mas deve ser apresentado, para que, quem de direito, utilize da melhor forma o que nele consta, agindo em conformidade com a Lei, em nome da Verdade e da Justiça, afim de se acabar, de vez, com a impunidade na Guiné-Bissau!

Continuando com a reprodução da conversa tida na sexta-feira, 16.07.2010, em Mafra, com o Capitão Pansau Intchama, hoje a abordagem centra-se nas motivações que supostamente provocaram o levantamento militar de 01 de Abril passado.

Por diversas vezes, nas conversas telefónicas com Pansau Intchama, tentei obter dele pistas do alegado envolvimento de Zamora Induta e do Primeiro-ministro Carlos Gomes Júnior nas matanças de 01 e 02 de Março de 2009. A resposta foi sempre a mesma: "Como militar, não falo sobre esse assunto...".

Na mesma lógica, confrontei-o com a queixa-crime de António Indjai contra Zamora Induta, onde constam acusações sobre o envolvimento de Zamora Induta no narcotráfico.

Sobre esta questão, Pansau Intchama foi peremptório: "Do que sei e sem pôr as minhas mãos no fogo por quem quer que seja, o Zamora Induta não está envolvido no narcotráfico! Se queres saber mais, digo-te que o narcotráfico é a causa do levantamento militar de 01 de Abril."

Deixei-o falar e fui ouvindo.

- O narcotráfico está a destruir a Guiné-Bissau e os guineenses. Na verdade, a maioria das chefias militares está envolvida no negócio. O Zamora Induta foi aliciado, recusou envolver-se e isso fez com que passasse a ser visto como inimigo e alvo a abater, pois, recusando envolver-se, ameaçou tomar medidas contra qualquer chefe militar que fosse apanhado em flagrante no narcotráfico.

Como te disse, fui assessor do António Indjai durante 7 anos. Se ele acusa Zamora Induta de estar envolvido no narcotráfico, talvez se tenha esquecido de como foi que arranjou dinheiro para comprar as "pontas" (quintas) que tem, as casas, as viaturas etc., etc...

Durante a campanha para as eleições presidenciais antecipadas do ano passado, na qualidade de assessor de António Indjai, assisti a uma reunião entre ele e o actual Presidente Malam Bacai Sanhá, em casa deste, na altura candidato, onde também esteve presente o Major Tcham Na Man. O candidato presidencial Malam Bacai Sanhá disse ao António Indjai que, se viesse a ganhar as eleições presidenciais, o cargo de Chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas seria dele...

Nessas eleições, alguns candidatos receberam e utilizaram dinheiro do narcotráfico nas suas campanhas. O então candidato Malam Bacai Sanhá sabe que é verdade...

Outro aspecto que fez com que Zamora Induta passasse a ser visto como inimigo, foi o seu posicionamento firme em acabar com a ida de políticos aos quartéis. Por exemplo, aquando das eleições presidenciais antecipadas de 2009, figuras influentes de um determinado partido foram ao Estado-Maior fazer queixinhas, no intuito de incitar os militares a anularem os resultados das eleições, alegando que tinha havido fraude...

O Zamora disse-lhes que em todas as mesas de voto havia delegados dos candidatos, bem como observadores internacionais e, por isso, não competia aos militares imiscuírem-se no assunto.

Confesso-te que, realmente, a questão étnica desequilibra negativamente a evolução e afirmação das nossas Forças Armadas. Os tais dirigentes desse partido que queria reivindicar a vitória do seu candidato, quando afinal tinha sido derrotado, utilizaram sempre o factor étnico para manipular as chefias militares. Com a chegada do Zamora, viram que não tinham mais os aliados de outrora, por isso, para eles também, o Zamora passou a ser um alvo a abater...

Temos bons quadros nas Forças Armadas que, por questões étnicas, são marginalizados, isolados, desaproveitados, porque não pertencem à maioria étnica que compõe as nossas Forças Armadas. É lamentável isso!

O Zamora Induta tem, como qualquer um, os seus defeitos, mas também tem virtudes. Se cometeu crimes que não são do meu conhecimento, que seja acusado e julgado por isso, mas que lhe seja permitido defender-se, falar, pronunciar-se sobre as acusações que pendem contra ele.

Vi a queixa-crime do António Indjai contra o Zamora Induta e do que sei, apenas digo que a verdade pode tardar a ser conhecida, mas um dia todos ficam a conhecê-la.

Quero que saibas o seguinte: O Zamora Induta queria "desmilitarizar" Bissau e desocupar o quartel d´Amura, que iria servir para outros fins, que não estritamente militares. Poderia albergar alguns escritórios das Forças Armadas, mas não sectores activos das Forças Armadas. Falou disso com toda a gente.

Foi por isso que, após a conclusão e entrega da Ponte de São Vicente, o Estado-Maior concertou o aproveitamento e utilização dos Estaleiros da empresa Soares da Costa.

Fixou-se aí o Estado-Maior. O Zamora mandou mobilar o seu gabinete, mas também os gabinetes dos chefes dos 3 ramos das Forças Armadas.

Mandou mobilar uma sala de reuniões, pois não havia nenhuma sala de reuniões digna do termo, e muitas vezes recebíamos delegações estrangeiras...

O Zamora Induta equipou os gabinetes e a sala de reuniões com computadores e acesso à Internet.

As instalações estão bem cuidadas, incluindo os jardins.

Gastou-se dinheiro. Sim, mas está lá tudo e hoje quem não se serve daquilo que o Zamora mandou fazer no Estado-Maior?!

Dizem que ficou com viaturas...

A Líbia ofereceu viaturas depois dos acontecimentos de Março de 2009. O Zamora distribuiu as viaturas aos chefes dos 3 ramos das Forças Armadas e aos Comandantes militares.

O restante estava sempre nas instalações do Estado-Maior e, muitas vezes, o próprio Governo, quando recebia delegações estrangeiras e não tinha meios de transporte para o serviço dessas delegações, solicitava ao Estado-Maior a cedência de viaturas.

A queixa-crime fala de utilização de dinheiro das Forças Armadas por parte de Zamora Induta...

O que sei é que o Zamora era muito exigente e rigoroso com o dinheiro. O sistema que ele implantou nas Forças Armadas não era do agrado de muitos chefes militares. O Zamora exigia facturas, justificações, da utilização do dinheiro levantado nas Finanças para uso das Forças Armadas e como a "velha-guarda" não estava disposta a isso, mais uma razão para "abater" Zamora...

Mas como te disse antes, o narcotráfico está por trás do levantamento militar de 01 de Abril. Todos nós, militares, sabemos quem dentre nós está envolvido, assim como sabemos quem são os políticos que estão envolvidos no negócio...

Já agora, quero que saibas que não é por decisão do António Indjai que o Zamora Induta continua preso, mas sim, do próprio Presidente Malam Bacai Sanhá!

Como sabes isso, Pansau?, perguntei.

Há bocado ouviste-me falar com o Chefe do Estado-Maior, António Indjai. Falo com ele sempre que necessário, por isso, sei o que se passa com o Zamora...

Até quiseram libertá-lo recentemente, mas depois, concluíram que mesmo em residência vigiada, iria ter acesso ao telefone, aos meios de comunicação e isso poderia comprometer muita coisa e, principalmente, o narcotráfico...

Para terminar, digo-te que o Zamora há muito que se tinha "afastado" dos restantes chefes militares, não por arrogância, complexo de superioridade, mas por tê-los avisado que, se continuassem na senda do narcotráfico, que não contassem mais com ele...

FIM

DIDINHO (Fernando Casimiro)
http://www.didinho.org/apoesiadefernandocasimiro.htm

 

 

 

 

 




 



hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano