Agnelo Regalla

POEMAS - INDEX

Aquela lágrima de sangue

O eco do pranto

Mulher

Se um dia

Flor nocturna

Amar

Átomo

Aquela lágrima de sangue

Aquela lágrima de sangue

Que te vi chorar, irmão,

Foi a paga que nos pediram

Para entrar no escalão dos Homens.

Aquela lágrima de sangue

Que te vi chorar, irmão,

É o produto da vida que levámos,

É o sangue contratado

Que embebedou a terra em que caiu,

É o sangue envergonhado

Que nos fez considerá-los medida-padrão

É o sangue que juntaram ao seu

Para escarnecerem depois.

Aquela lágrima de sangue

Que te vi chorar, irmão,

É o sangue da revolta

Que nos anima os gestos

É o sangue da pureza

Contida na nossa desconhecida cultura,

É o sangue da liberdade

A ferro e fogo

In: Antologia Poética da Guiné-Bissau, Editorial Inquérito, 1990

Agnelo Regalla. Nasceu em Campeane (Tombali), na Guiné-Bissau, a 9 de Julho de 1952. formou-se em jornalismo no Centro de Formação de Jornalistas em França. Desempenhou as funções de director da Radiodiodifusão Nacional, de director-geral da Informação do Ministério da Informação e integrou o Governo por duas ocasiões como secretário de Estado da Informação. Actualmente dirige a Rádio Bombolom.

http://www.didinho.org/agneloregallabiografia.htm

 

 

 

 




 



hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano