ABDULAI SILA.....

As Orações de Mansata

(Fragmento da cena 1 do 6º acto, pp.: 98-100)

YEWTA YAWTA
Espera aí, que não estou a entender tudo isso... O que é que nós, que já estamos assim tão velhos e cansados, que não vamos certamente assistir à chegada dessa paz e do progresso, temos a ver com tudo isso? Não há nada que possamos fazer.

AMAMBARKA
Há uma coisa que vocês, vocês três que aqui estão, podem fazer para que tudo isso, a paz, a estabilidade, o progresso e a felicidade, todas as nossas ambições, sejam realidade...

YEWTA YAWTA
Ah, sim? E que coisa é essa? Vocês ouviram isso? (olha para os dois companheiros)

AMAMBARKA
Um acto muito simples... Tão simples que acho que vão fazê-lo ainda hoje. Um acto que eu não esquecerei nunca, pelo qual serão devidamente recompensados.

YEWTA YAWTA
Surpresa número dois. De que estás a falar agora, Amambarka?

AMAMBARKA
Estou a falar de como chegar àquela mulher...

DJINNA HARA
Que mulher?

AMAMBARKA
Mansata! (os três Homens-Grandes não conseguem esconder a surpresa. Trocam olhares durante alguns instantes) Quero que me levem até junto de Mansata.

DJINNA HARA
E quem é... Mansata?

AMAMBARKA
Isso vocês sabem melhor do que eu... Foi dela que falaram no outro dia, lembram-se, naquele dia em que prometeram ajudar Mwankeh... É ela que apareceu nos búzios, que você, Yewta Yawta, você mesmo lançou. É a ela que se referiram quando falaram de uma mulher muito sofisticada, poderosa demais. Prometeram ajudar Mwankeh, hoje ele não está, vão-me ajudar a mim. Preciso desses poderes, não para benefício pessoal, mas para fazer progredir a Nação. Com esses poderes, não vamos pedir esmola a nenhuma outra nação ou instituição estrangeira, vamos ser auto-suficientes, respeitados em todo o mundo, ter tudo o que precisamos. Com esses poderes, vamos construir hospitais, estradas, pontes, casas bonitas em todo o lado, para toda a gente... Vamos ter escolas para as crianças, universidades em todo o país, para todos os jovens, rapazes e meninas, estudarem e serem grandes Homens, cientistas de valor, com conhecimentos profundos da ciência e da tecnologia que vão fazer inveja aos brancos! Vocês não querem a paz e a prosperidade para a nossa querida Nação? Não querem escolas para as nossas crianças, para os vossos netos e bisnetos? Não querem ter hospitais com equipamento moderno, medicamentos gratuitos e médicos bem formados para vos tratar? Não desejam ter luz em casa e nas ruas? Não querem nada disso? Nada? Reparem numa coisa: hoje é o branco que tem todos os poderes do mundo. Se precisarmos de viajar, temos que pedir ao branco, tem que ser com o carro ou o avião que o branco construiu; se precisarmos de construir casas grandes e bonitas tem que ser com modelos e materiais do branco; até falar com os nossos semelhantes agora só pode ser na língua do branco... Eles têm todos os poderes. Mas todos! Qualquer dia, se não tomarmos as providências necessárias, pode dar-lhes na gana usar esses poderes para nos escravizar de novo. E vamos todos, jovens e velhos, homens e mulheres, ser cativos deles... Não, não posso acreditar que não queiram ver esta nossa querida Nação, todo o nosso querido povo, a viver como os brancos vivem na terra deles... Ou será que acham que o preto não tem direito ao bem-estar? Só o branco é que tem? Foi isso que Deus disse? Não, Deus disse que somos todos iguais, somos todos filhos d’Ele, com os mesmos direitos. E se é assim, porquê é que só o branco tem poderes neste mundo? (faz uma ligeira pausa para observar os seus interlocutores) Meus amigos, mostrai-me o caminho que leva a Mansata e juro por Deus que farei acontecer aqui e em todo o lado o que Deus desejou para todos os Seus filhos. Ajudai-me a aceder a esses poderes que Mansata anda a distribuir a torto e a direito, a gente que não o merece e nem sabe o que fazer com eles... Eu sou o Supremo Chefe da Nação, sei como e onde aplicar esses poderes... Dai-me esses poderes de Mansata...

KAMALA DJONKO
Mansata é um mito...

AMAMBARKA
Não acredito!

KAMALA DJONKO
Mansata é um mito... Não existe!

AMAMBARKA
Mansata existe, os poderes existem!

KAMALA DJONKO
Puro mito!

AMAMBARKA
Mito? E as orações dela?

KAMALA DJONKO
Que orações?
[...]

ABDULAI SILA

As Orações de Mansata

 

 

Bissau
Ku Si Mon Editora
2007

Poder e impotência em Abdulai Sila: Maria Estela Guedes

Abdulai Sila. Nascido em Catió, Guiné, em 1958, é engenheiro electrónico formado pela Universidade de Dresden (Alemanha), economista e investigador social. É também uma das mais destacadas vozes da literatura guineense contemporânea e iniciador de uma corrente ficcional original, sendo autor do que é considerado o primeiro romance guineense, Eterna Paixão. Depois deste romance inaugural, a importância desta obra cuja temática se centra principalmente na transformação pós-colonial da sociedade guineense, tem sido confirmada nos seus romances. Abdulai Sila foi co-fundador do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas; co-fundador da primeira editora privada, a Ku Si Mon Editora e co-fundador da revista cultural Tcholona.

Publicou os romances Eterna Paixão (1994), A Última Tragédia (1995) e Mistida (1997). E uma peça de teatro, "As Orações de Mansata" (2007).

 

 

 

 

 




 



hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano