REVISTA TRIPLOV
de Artes, Religiões e Ciências
ISSN 2182-147X
NOVA SÉRIE

 

 

 

 
 

A.M. GALOPIM DE CARVALHO

In memoriam de Urbano Tavares Rodrigues

Não sou eu que posso evocar sua volumosa, diversificada e riquíssima obra literária. Outros o fizeram e farão. Mas posso evocar a sua dimensão humana e a atenção que sempre deu aos problemas sociais do Alentejo. Problemas que sempre encontrei na dramaturgia e na poética do cante Alentejano.

Expressão a um tempo literária e musical da cultura popular tradicional da maior província de Portugal, esta expressão artística, iniciada no Baixo Alentejo, talvez em Serpa, admite-se que, no século XV, traduz o seu quotidiano, em toda a sua extensão sentimental, as mais das vezes, nostálgica.

No tempo em que fui rapaz, em Évora, eram muitos os trabalhadores que, ao sábado, ganha a magra féria, vinham à Porta Nova fazer os avios para a semana. Com séculos de história e a mesma tipologia sócio-económica desde finais da Idade Média, a Porta Nova sempre foi uma plataforma apta a responder aos citadinos e aos vindos dos campos em redor, ou de “fora-de-portas”, como se dizia. Procurando esquecer, por momentos, a “porca da vida”, muitos deles prolongavam a estadia na cidade, serão adentro, comendo, bebendo e cantando em coro à volta de uma mesa repleta de copos de vinho, uns cheios, uns meios, outros vazios. Ouvi-os, durante os anos da minha estadia na cidade, e em muitos dos versos que cantavam estava a mesma luta dos explorados e oprimidos que podemos reconhecer na bela escrita deste grande português que ontem nos disse adeus.

 

In: http://www.publico.pt/cultura/noticia/urbano-tavares-rodrigues-recebe-premio-vida-literaria-279064
 
 
 
 

A.M. Galopim de Carvalho. Professor jubilado da Universidade de Lisboa. Geólogo e escritor. Foi diretor do Museu Nacional de História Natural de Lisboa.
Blogue: http://sopasdepedra.blogspot.com/

 

 
 

 

 

 




 



hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano