REVISTA TRIPLOV
de Artes, Religiões e Ciências
ISSN 2182-147X
NOVA SÉRIE

 

 

 

 
 

A.M. GALOPIM DE CARVALHO

2015 - ANO INTERNACIONAL DOS SOLOS

Falando dos solos (10)

Estrutura

No propósito de caracterizar e classificar os solos, os pedólogos criaram o conceito de estrutura do solo, uma das suas características mais importantes. Descrita como a organização espacial dos seus constituintes, envolve não só a forma, a natureza, a dimensão e o arranjo das partículas simples e dos agregados (torrões, em linguagem popular) ou pedes, mas também a geometria dos vazios, ou seja, as suas dimensões, formas e distribuição. No que se refere a esta característica, alguns autores falam da tessitura, termo que apenas diz respeito ao arranjo das partículas, e de pedalidade (1), que alude à dimensão, à forma e à distribuição dos agregados. Os agregados são unidades estruturais do solo constituídas por aglomerados de partículas terrosas (esqueleto), tendo por material aglutinador (plasma), as argilas, os óxidos e hidróxidos de ferro e/ou de manganês, os hidróxidos de alumínio e o húmus, todos susceptíveis de migrar no seio do solo. De dimensões variadas, entre os blocos e os grãos milimétricos, são correntes as formas prismática, lamelar e granular. No respeitante aos vazios, a caracterização estrutural considera os existentes entre partículas simples e os que delimitam os pedes.

Neste capítulo do estudo dos solos, distingue-se a microstrutura, definida com recurso ao microscópio petrográfico ou electrónico de varrimento (scanning), e a macrostrutura, observável em amostra de mão, directamente no terreno.

O conhecimento pormenorizado das estruturas dos solos é fundamental, não só à correcta classificação destas entidades, mas também à investigação da natureza da rocha mãe e, em termos práticos, ao conhecimento das suas capacidades de retenção de água, arejamento, aptidão e produtividade agrícolas.

 

Cor

A cor é uma propriedade usada, por vezes, na caracterização dos solos. Imediatamente perceptível, depende da rocha-mãe e do clima, dois factores que interagem, gerando substâncias que lhes dão as tão variadas colorações que lhes conhecemos. Se a pedogénese altera a coloração do solo relativamente à da rocha-mãe, este qualifica-se de pedocrómico. Se não altera a cor original da rocha-mãe, qualifica-se de litocrómico, como é o caso dos solos instalados sobre os arenitos vermelhos do Triásico (grés de Silves) e outras séries detríticas do Jurássico, do Cretácico e do Cenozóico.

A cor do solo constitui um critério de classificação secundário, auxiliar, dado que são frequentes os solos com cores convergentes, não obstante terem origens diferentes ou terem sofrido evoluções distintas. Esta particularidade tem, no entanto, relativa utilidade quando associada a outros elementos de caracterização.

Como exemplos de substâncias corantes dos solos, comecemos pela matéria orgânica que lhes confere tonalidades de cinzento a negro, em função do teor em que esteja representada. Igualmente negros são os solos impregnados de óxidos de manganês. Quando misturada a óxidos de ferro, a matéria orgânica fica acastanhada e os solos dizem-se pardos. O sexquióxido de ferro (hematite) colora o solo de vermelho intenso, ao passo que os hidróxidos (entre os quais goethite) são responsáveis pelas tonalidades amarelas e acastanhadas. Os tons cinzento-esverdeado e cinzento-azulado têm relação com a presença de ferro ferroso na constituição de alguns dos seus minerais. Por exemplo, os solos associados aos depósitos do Miocénico superior da península de Setúbal (ricos de glauconite, um filossilicato com ferro ferroso, de cor verde), como são os da região do Meco, tornam-se amarelados logo que se verifique a  meteorização deste mineral, com produção de hidróxidos férricos. Pelo contrário, em determinadas condições, a matéria orgânica pode reduzir os óxidos de ferro e descorar os solos inicialmente avermelhados ou amarelados.

Dado que conhecemos hoje o comportamento físico e químico das substâncias corantes do solo em função da temperatura, da humidade, do tipo de rocha-mãe ou do pH (ao qual estão associados produtos da matéria orgânica), é, em certos casos, possível estabelecer paralelos no sentido da formulação das condições geomorfológicas e climáticas que presidiram à génese de paleossolos.  

A definição da cor dos solos tem recorrido a sistemas de cores padronizadas (já existentes ou expressamente concebidos para os solos) no sentido de precisar e uniformizar as descrições dos inúmeros estudiosos espalhados pelo mundo.

Entre os padrões ou códigos de cor, destacam-se:

- Munsell Soil Colour Charts (1905), Baltimore, com 268 cores (mais tarde revista e ainda em uso), das quais cerca de 200 nos solos;

- Code universel des Couleurs (1936), de E. Ségny (Paris), com  720 cores, das quais, cerca de 70 figuram nos solos;

- Die kleine Farbmestafel nach Ostwald (1939), Göttingen, com 672 cores, das quais cerca de 70 existem nos solos;

- Rock color chart (1948), de E. N. Goddard et al., Geol. Soc. Amer., Boulder (Col., EUA);

- Code EXPOLAIRE (1956), de A. Cailleux & G. Taylor, Éd. Boubée et Cie. (Paris), com 259 cores, das quais cerca de 250 nos solos. Este código foi concebido para as expedições polares francesas e tem entre as principais características: quatro cores próximas em torno de um orifício, atrás do qual se coloca a amostra a observar; letras em ordenadas e números em abcissas; a identificação da cor deve ser feita à sombra, longe de objectos ou superfícies coradas e com a amostra seca.

 

(1) O solo sem pedalidade diz-se apédico.

 

A.M. Galopim de Carvalho. É professor catedrático jubilado pela Universidade de Lisboa, tendo assinado no Departamento de Geologia da Faculdade de Ciências desde 1961. É autor de 21 livros, entre científicos, pedagógicos, de divulgação científica e de ficção e memórias. Assinou mais de 200 trabalhos em revistas científicas. Como cidadão interventor, em defesa da Geologia e do património geológico, publicou mais de 150 artigos de opinião. Foi diretor do Museu Nacional de História Natural, entre 1993 e 2003, tempo em que pôs de pé várias exposições e interveio em mais de 200 palestras, pelo país e no estrangeiro.
Blogue: http://sopasdepedra.blogspot.com/
 

 

 

 




 



hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano