MARIA ESTELA GUEDES
Foto: Ed. Guimarães
Música: http://triplov.com/letras/mario_montaut/Estela/index.htm

Atenção senhores políticos:
Herberto Helder morreu
 
Herberto Helder no Triplov
 
Morreu, como antevisto em "A morte sem mestre", perguntando eu a mim mesma, quando acabei a leitura desse seu último livro: que podes tu escrever a seguir? E no entanto acredito que ele terá deixado um último punhado de poemas para publicar, e que esse punhado de poemas ainda terá algo de novo, algo capaz de nos surpreender.

O percurso de vida traçado nos poemas, ou de livro a livro, cronologicamente falando, vai da vida à morte, sim. Tem um ponto altíssimo em O amor em visita, a celebrar a sua explosiva e arrebatada juventude, e nos últimos, sem perder a capacidade explosiva, mergulha num mundo negro, antecipador da morte, mundo de obra ao negro, a contrastar com a obra ao rubro que foi título do meu segundo livro sobre ele.

Nesta segunda fase, notei como os seus admiradores se espantaram com a aparente falta de qualidade dos livros, porque a Poesia, poesia sobretudo romântica, e herbertiana, essa da juventude e idade maior, nos habituou a uma beleza musical e a uma seleção de vocabulário incompatíveis com o andamento furioso da prosa, rude, mal educada, dos últimos anos. Não podemos conter a poesia em frascos de farmácia, devidamente rotulados. As últimas obras são tão boas como as primeiras, simplesmente são um reverso de medalha, escritas por um autor zangado, dececionado com o rumo que tomaram as coisas públicas. Eis uma temática arredia das obras anteriores que, se agora se apresentou, é por ser tão significativa que os textos passaram a situar-se além do bom gosto, além do bom senso.

O Herberto deixou-nos muitos poemas, por isso não nos deixou. Tenho pena que já não haja muita matéria inédita dele para publicar. Só nesse ponto a sua partida é uma perda. Também é uma perda o seu silêncio, é verdade. O silêncio pode conter carga crítica maior do que um grito arremessado à cara de alguém. Noutros pontos de vista, não, o Herberto Helder é um poeta muito grande, que vai ficar connosco para sempre.

Esperemos que este governo que agora temos se lembre de que Herberto Helder merece algum preito de homenagem. Atenção, senhores políticos: haja algum respeito por um dos grandes poetas do nosso tempo e dos maiores da língua portuguesa! De certeza que ele não aceitaria pompas e circunstância, mas há formas diplomáticas de o Estado lhe tirar o chapéu.


Maria Estela Guedes . Odivelas . 23 de março de 2015
 
 
 
Índice antigo

Maria Estela Guedes (1947, Britiande / Portugal). Diretora do Triplov

Membro da Associação Portuguesa de Escritores, da Sociedade Portuguesa de Autores, do Centro Interdisciplinar da Universidade de Lisboa e do Instituto São Tomás de Aquino. Directora do TriploV.

LIVROS

“Herberto Helder, Poeta Obscuro”. Moraes Editores, Lisboa, 1979;  “SO2” . Guimarães Editores, Lisboa, 1980; “Eco, Pedras Rolantes”, Ler Editora, Lisboa, 1983; “Crime no Museu de Philosophia Natural”, Guimarães Editores, Lisboa, 1984; “Mário de Sá Carneiro”. Editorial Presença, Lisboa, 1985; “O Lagarto do Âmbar”. Rolim Editora, Lisboa, 1987; “Ernesto de Sousa – Itinerário dos Itinerários”. Galeria Almada Negreiros, Lisboa, 1987 (colaboração e co-organização); “À Sombra de Orpheu”. Guimarães Editores e Associação Portuguesa de Escritores, Lisboa, 1990; “Prof. G. F. Sacarrão”. Lisboa. Museu Nacional de História Natural-Museu Bocage, 1993; “Carbonários : Operação Salamandra: Chioglossa lusitanica Bocage, 1864”. Em colaboração com Nuno Marques Peiriço. Palmela, Contraponto Editora, 1998; “Lápis de Carvão”. Apenas Livros Editora, Lisboa, 2005; “A_maar_gato”. Lisboa, Editorial Minerva, 2005; “À la Carbonara”. Lisboa, Apenas Livros Lda, 2007. Em co-autoria com J.-C. Cabanel & Silvio Luis Benítez Lopez; “A Boba”. Apenas Livros Editora, Lisboa, 2007; “Tríptico a solo”. São Paulo, Editora Escrituras, 2007; “A poesia na Óptica da Óptica”. Lisboa, Apenas Livros Lda, 2008; “Chão de papel”. Apenas Livros Editora, Lisboa. 2009; “Geisers”. Bembibre, Ed. Incomunidade, 2009; “Quem, às portas de Tebas? – Três artistas modernos em Portugal”. Editora Arte-Livros, São Paulo, 2010. “Tango Sebastião”. Apenas Livros Editora, Lisboa. 2010. «A obra ao rubro de Herberto Helder», São Paulo, Editora Escrituras, 1010; "Arboreto». São Paulo, Arte-Livros, 2011; "Risco da terra", Lisboa, Apenas Livros, 2011; "Brasil", São Paulo, Arte-Livros, 2012; "Um bilhete para o Teatro do Céu", Lisboa, Apenas Livros, 2013; Folhas de Flandres,  Lisboa, Apenas Livros, 2014.

ALGUNS COLECTIVOS

"Poem'arte - nas margens da poesia". III Bienal de Poesia de Silves, 2008, Câmara Municipal de Silves. Inclui CDRom homónimo, com poemas ditos pelos elementos do grupo Experiment'arte. “O reverso do olhar”, Exposição Internacional de Surrealismo Actual. Coimbra, 2008; “Os dias do amor - Um poema para cada dia do ano”. Parede, Ministério dos Livros Editores, 2009. Entrada sobre a Carbonária no Dicionário Histórico das Ordens e Instituições Afins em Portugal, Lisboa, Gradiva Editora, 2010; «A minha vida vista do papel», in Ana Maria Haddad Baptista & Rosemary Roggero, Tempo-Memória na Educação. São Paulo, 2014.

TEATRO

Multimedia “O Lagarto do Âmbar, levado à cena em 1987, no ACARTE, Fundação Calouste Gulbenkian, com direcção de Alberto Lopes e interpretação de João Grosso, Ângela Pinto e Maria José Camecelha, e cenografia de Xana; “A Boba”, levado à cena em 2008 no Teatro Experimental de Cascais, com encenação de Carlos Avilez, cenografia de Fernando Alvarez  e interpretação de Maria Vieira. 

 

 




 



hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano