MARIA ESTELA GUEDES
Foto: Ed. Guimarães
Música: http://triplov.com/letras/mario_montaut/Estela/index.htm

D. Dinis, o Rei-Poeta
Publicado originalmente em Incomunidade, 37, agosto de 2015:
http://www.incomunidade.com/v37/

Se hoje existem países em vários continentes com língua comum portuguesa, uma cultura nela cimentada, o sentido de pátria daí decorrente, se existe também uma literatura que tudo isto manifesta por assentar na língua, enfim, se o edifício português existe na sua vertente de património identitário, tal se deve à obra de El-Rei D. Dinis (1261-1325). Bastaram-lhe duas medidas e uma vocação para o resultado que, desde a Idade Média, ainda hoje nos alcança: a lei para que a língua da corte fosse a portuguesa e daí a redação em português dos documentos régios, antes em latim; a fundação da primeira universidade do reino; e a sua real vocação de poeta, um dos nossos maiores.

Scientiae thesaurus mirabilis, por ele assinado em 1290, foi o documento que criou em Lisboa a primeira das nossas universidades, Studium generale ou Universitas magistrorum et scholarium, a traduzir por Estudo geral ou Associação de mestres e discípulos. Desta primeira instituição resta alguma toponímia em Alfama, a Rua das Escolas Gerais, na circunvizinhança da Sé, de acordo com o âmbito religioso da fundação das universidades, ora catedralícias ora corânicas.

Mais tarde fixou-se em  Coimbra a nossa mais antiga universidade e uma das primeiras da Europa, a par da Sorbonne, da de Oxford, e da de Bolonha – esta, criada em 1088, a  mais antiga das quatro, se excluirmos a de Constantinopla, fundada em 425 com o nome de Pandidakterion. Tal como a Universidade Islâmica de Sankoré é uma famosa universidade corânica, fundada em Tombuctu, no actual Mali, onde no século XIV se ensinava e ainda ensina o Alcorão, a lógica, a matemática e a história, as europeias eram também escolas religiosas, em que reinava a teologia. Faziam parte de catedrais ou de conventos.

Na mesma família de palavras de «cultura», a agricultura merece também ser lembrada a propósito de D. Dinis, cognominado O Lavrador. E porquê relacionar dois membros habitualmente separados da mesma família lexical? Por dois motivos: o primeiro é a circunstância de o pinhal da Azambuja, aliás de Leiria, mandado ampliar por D. Dinis, ser personagem famosa de uma obra narrativa que é, tal como as cantigas do Rei-Poeta, um dos patamares sobre os quais se alça o edifício literário português, e refiro-me, como já adivinharam, às Viagens na minha terra, de Almeida Garrett. O segundo motivo para invocar a agricultura como irmã da cultura é muito pessoal. Sempre achei estranhas não só as flores do verde pinho, a que a menina pede notícias do namorado, provavelmente embarcado, na cantiga famosa de D. Dinis, «Ay flores!», como todas aquelas que não desabrocham nos cancioneiros medievais. O termo que ocorre, na maior parte dos casos líricos, é o generalista flores, sem especificação. Os dois únicos casos de flores especificadas que conheço são as flores do pinheiro de D. Dinis e as da bailia de Airas Nunes:

Bailemos nós ja todas tres, ai amigas,

so aquestas avelaneiras frolidas

e quen for velida, como nós, velidas,

      se amigo amar,

so aquestas avelaneiras frolidas

      verrá bailar.

 

Bailemos nós ja todas tres, ai irmanas,

 so aqueste ramo destas avelanas

 e quen for louçana, como nós, louçanas

      se amig'amar,

 so aqueste ramo destas avelanas

      verrá bailar.

 

 Por Deus, ai amigas, mentr'al non fazemos,

 so aqueste ramo frolido bailemos

 e quen ben parecer, como nós parecemos,

      se amig'amar,

 so aqueste ramo so'l que nós bailemos

      verrá bailar.

 

Que se passa nesta oculta floricultura medieval? É estranhamente pobre, atendendo a que de um lado a cantiga de amigo apresenta cenário de ar livre, passível de seduzir o trovador para o campo das flores, como aliás seduz, mas essas não são nem flores vistosas ou cheirosas como rosas e cravos, de um lado, e por outro são aquelas que levam muitos leigos a dizer que pinheiros, aveleiras e figueiras, por exemplo, são árvores que não dão flor. Todas estas árvores dão flor,  mas não se repara na sua presença, não se exibem como antúrios nem jarros; as flores da aveleira e do pinheiro nenhum leigo em Botânica diria que são flores.

Pois bem, tirando as discretas flores do verde pino (Pinus pinus e Pinus pinaster são as duas espécies mais comuns em Portugal), na coletânea Cantigas d’El-Rei Dom Dinis, de Costa Pimpão (Lisboa, Livr. Clássica Editora, 1942), não há mais nenhumas, apesar de a palavra «flor» surgir algumas vezes. Numa das cantigas escolhidas para este artigo, «Proençaes soem mui bem trobar», o vocábulo aparece três vezes mas só para comprovar a penúria de que venho falando. Trata-se de um texto de crítica e de teoria literária que nos diz que os provençais (tidos por mestres da cantiga de amor) não são sinceros em matéria amorosa, pois só se apaixonam no tempo das flores. Provecta idade a desta reclamação contra o academismo se nos lembrarmos de um Herberto Helder, salvo erro em Servidões, a advertir-se a si mesmo: «acautela a tua dor, não se torne académica». Dom Dinis acusa os trovadores provençais de dois academismos, duas atitudes próprias de uma escola e não do temperamento do poeta, portanto longe da verdade amorosa: morrem de amor (morte implícita no amor cortês); e só amam – e morrem – na Primavera.

Esqueçamos este assunto aliás aliciante, pois D. Dinis, que até podia cantar a senhora das rosas, sua esposa Santa Isabel, mais parece ter morrido de amores por aquelas que lhe deram – conta-se – cinquenta filhos bastardos, nenhuma delas o tendo sequer deixado doente, que se saiba, donde também a sua coita e morte de amor se pode considerar académica... Sim, deixemos todas estas implicações suculentamente poéticas, fiquemos só com a circunstância de os territórios do que hoje é a Europa, no tempo de D. Dinis, ainda não serem riscados por estradas nem caminhos que facilitassem viagens em qualquer época do ano ou a qualquer hora do dia, e não propiciarem por consequência amores não sazonais. Naquele tempo, tal como as rãs, as andorinhas e as lagartixas, os poetas só na Primavera faziam ninho, só de março a maio se entregavam às danças de acasalamento...

Os trovadores, jograis e bailadeiras só se aventuravam de terra em terra, a declamar as suas novidades, no tempo das flores, por ser mais ameno e limpo de chuva. Noutras alturas, os caminhos, além de intransitáveis, deviam ser perigosos. Por isso a lírica refere-se a este tempo de alegria, em que se reviam amigos, parentes, namorados e amadas senhoras. E não teriam, já não digo «anémonas, hidrângeas, silindras, flores tão nossas amigas» para cantar, como cantou Camilo Pessanha, pois a grande época da floricultura, em Portugal, deve ter coincidido com a fase áurea do Palácio de Cristal, no Porto, em suma, século XIX, mas viam as belas flores de margaridas, urze, camomila, cicuta, dedaleiras pelo caminho e, se levantassem os olhos, já dentro das muralhas dos castelos, de certeza lhes lavaria a cara o encanto e o perfume das flores de laranjeira, limoeiro, macieira e outras árvores de fruto.

Conclusão: nada, não há flores na lírica mais antiga. O esplendor dos jardins surge séculos mais tarde, associado a qualquer fenómeno da imaginação que de momento não consigo identificar, talvez a luxúria da riqueza ostentatória patente no léxico dos simbolistas. As flores de exibição, luxos dispensáveis, fazem parte de um mundo economicamente já muito desenvolvido. Nos tempos ásperos de D. Dinis, não havia tais elementos supérfluos e artificiais, a imaginação cingia-se ao espaço frugal do que é útil. Útil como os pinheiros, importados dos países escandinavos, que serviram para fixar a linha da costa, forneceram lenha para aquecimento e madeira para as embarcações que se aventuraram até novos mundos.

Posto este meu imprevisto ensaio, é melhor fazer então o levantamento mais que completo das ocorrências de flores na coletânea organizada por Costa Pimpão, mesmo quando se trata de antropónimos e de outros crípticos casos: «e deitou- s’antre uas flores» (p.35), “e sei de Brancafrol/ que lhi não ouve Flores tal amor/ qual vos eu ei» (p.37), «Vi oj’ eu cantar d’amor/ en un fremoso virgeu» – se D. Dinis pinta como  formoso o vergel, é porque está florido… ) (p. 51).

Não há mais nada, a não ser o poema a criticar os provençais e o das flores do verde pino. Enfim, em cinquenta cantigas, não chegamos a mais do que seis a oito vezes flores… e nem o milagre de uma rosa…

D. Dinis lançou os fundamentos da cultura portuguesa, não só devido à criação da universidade mas também porque com ele os documentos oficiais passaram a ser escritos em português. Nesse tempo as línguas europeias de raiz latina ainda não se tinham diversificado nas línguas românicas, pareciam-se entre elas, a ponto de, no nosso caso, se falar do galaico-português. Língua comum à Galiza e a Portugal, nela se esboçaram os primeiros passos da nossa literatura, os cancioneiros trovadorescos – cantigas de amigo, cantigas de amor e cantigas de escárnio ou maldizer. Dos três géneros deixamos exemplos, pois D. Dinis a todos cultivou.

Observa Rodrigues Lapa, no prefácio à Crestomatia arcaica, antologia em que recolheu umas dezenas de textos medievais, que o espólio de D. Dinis é o mais rico da época trovadoresca. Deixou-nos 138 composições poéticas, em que estão representados todos os géneros do lirismo do seu tempo. Dessas 138, 76 são cantigas de amor. À semelhança de seu avô, D. Afonso X de Castela, cognominado O Sábio, consta ter composto um livro de cantigas em louvor da Virgem, que se perdeu, bem como se perdeu o rasto a diversas traduções que mandou fazer de obras europeias.

É importante lembrarmos a poesia de D. Dinis, bem como o registo de língua em que escreveu, uma língua que é nossa, mas num estádio de desenvolvimento ainda embrionário, a calar as guerras de alecrim e manjerona que o acordo ortográfico suscitou nos últimos anos.

Das cento e trinta e oito composições do Rei trovador, cinquenta foram escolhidas por Álvaro Júlio da Costa Pimpão para a sua colectânea Cantigas d’El-Rei D.Dinis. É dela que selecionámos as que agora nos prestam a nós o favor de relembrar a sala de aula de Português dos últimos anos do Liceu. Será que os estudantes do 12º Ano as têm no programa?

CANTIGAS DE AMOR

VII

Ua pastor se queixava

muit' estando noutro dia,

e sigo medês falava,

e chorava e dizia,

con amor que a forçava:

«Par Deus, vi-t' en grave dia,

                    ai amor!»

 

Ela s'estava queixando,

come molher con gran coita,

e que a pesar, des quando

nacera, non fôra doita,

por en dezia chorando:

«Tu non és se non mia coita,

                    ai amor!»

 

Coitas lhi davan amores

que non Ih' eran se non morte;

e deitou- s' antr' uas flores

e disse con coita forte:

«Mal ti venha per u fores,

ca non és se non mia morte,

                    ai amor!» 

 

XVI

Proençaes soen mui ben trobar

e dizen eles que é con amor;

mais os que troban no tempo da flor

e non en outro, sei eu ben que non

an tan gran coita no seu coraçon

qual m'eu por mia senhor vejo levar.

 

Pero que troban e saben loar

sas senhores o mais e o melhor

que eles poden, sõo sabedor

que os que troban quand' a frol sazon

á, e non ante, se Deus mi perdon,

non an tal coita qual eu ei sen par.

 

Ca os que troban e que s'alegrar

van eno tempo que ten a color

a frol consigu e, tanto que se fôr

aquel tempo, logu' en trobar razon

non an, non viven [en] qual perdiçon

oj' eu vivo, que pois m' á de matar. 

 

XVII

Preguntar-vos quero por Deus,

senhor fremosa, que vos fez

mesurada e de bon prez,

que pecados foron os meus

        que nunca tevestes por ben

        de nunca mi fazerdes ben.

 

Pero sempre vos soub' amar

des aquel dia que vos vi,

mais que os meus olhos en mi,

e assi o quis Deus guisar

        que nunca tevestes por ben

        de nunca mi fazerdes ben.

Des que vos vi, sempr' o maior

ben que vos podia querer,

vos quigi, a todo meu poder;

e pero quis Nostro Senhor

        que nunca tevestes por ben

        de nunca mi fazerdes ben.

 

Mais, senhor, ainda con bem

se cobraria ben por ben. 

 

 

CANTIGAS DE AMIGO

XXXII

—Ai, flores, ai flores do verde pino,

se sabedes novas do meu amigo?

                    Ai, Deus, e u é?

 

Ai, flores, ai flores do verde ramo,

se sabedes novas do meu amado?

                    Ai, Deus, e u é?

 

Se sabedes novas do meu amigo,

aquel que mentiu do que pôs comigo?

                    Ai, Deus, e u é?

 

Se sabedes novas do meu amado,

aquel que mentiu do que m'a jurado?

                    Ai, Deus, e u é?

 

[— Vós preguntades polo voss' amigo?

E eu ben vos digo que é san' e vivo.

                    Ai, Deus, e u é?

 

Vós preguntades polo voss' amado?

E eu ben vos digo que é viv' e sano.

                    Ai, Deus, e u é?

 

E eu ben vos digo que é san' e vivo,

e será vosc' ant' o prazo saído.

                    Ai, Deus, e u é?

 

E eu ben vos digo que é viv' e sano,

e será vosc' ant' o prazo passado.

                    Ai, Deus, e u é? 

 

XXXIII

Levantou-s' a velida

          levantou-se alva,

e vai lavar camisas

          eno alto.

          Vai-las lavar alva.

 

Levantou-s' a louçana,

          levantou-se alva,

e vai lavar delgadas

          eno alto.

          Vai-Ias lavar alva.

 

[E] vai lavar camisas,

          levantou-s' alva;

o vento Ih'as desvia

          eno alto.

Vai-las lavar alva.

 

0 vento lh'as desvia,

          levantou-s' alva;

meteu-s' alva en ira

          eno alto.

          Vai-las lavar alva.

 

O vento lh’as levava,

          levantou-s' alva;

meteu-s' alva en sanha,

          eno alto.

          Vai-las lavar aIva. 

 

 

CANTIGA DE MAL-DIZER

L

Deus, com' ora perdeu Joam Simion,

Tres bestas non vi de maior cajon,

nen perdudas nunca tan sen razon;

ca teendo-as s'aas e vivas

e ben sangradas con sazon,

moireron-lhi todas con olivas.

 

Des aquel dia en que naci

nunca bestas assi perdudas vi,

ca as fez ant' el sangrar ante si,

e ante que saissen d'aquel mes;

per com'eu a Joam Simion oí,

con olivas moireron todas tres.

 

Ben as cuidara de morte guardar,

todas tres quando as fez sangrar;

mais avia-Ih' as o dem' a levar,

pois [que] se par tal cajon perderon.

E Joam Simion quer-s' ora matar

porque Ihi con olivas moireron.

 
Índice antigo

Maria Estela Guedes (1947, Britiande / Portugal). Diretora do Triplov

Membro da Associação Portuguesa de Escritores, da Sociedade Portuguesa de Autores, do Centro Interdisciplinar da Universidade de Lisboa e do Instituto São Tomás de Aquino. Directora do TriploV.

LIVROS

“Herberto Helder, Poeta Obscuro”. Moraes Editores, Lisboa, 1979;  “SO2” . Guimarães Editores, Lisboa, 1980; “Eco, Pedras Rolantes”, Ler Editora, Lisboa, 1983; “Crime no Museu de Philosophia Natural”, Guimarães Editores, Lisboa, 1984; “Mário de Sá Carneiro”. Editorial Presença, Lisboa, 1985; “O Lagarto do Âmbar”. Rolim Editora, Lisboa, 1987; “Ernesto de Sousa – Itinerário dos Itinerários”. Galeria Almada Negreiros, Lisboa, 1987 (colaboração e co-organização); “À Sombra de Orpheu”. Guimarães Editores e Associação Portuguesa de Escritores, Lisboa, 1990; “Prof. G. F. Sacarrão”. Lisboa. Museu Nacional de História Natural-Museu Bocage, 1993; “Carbonários : Operação Salamandra: Chioglossa lusitanica Bocage, 1864”. Em colaboração com Nuno Marques Peiriço. Palmela, Contraponto Editora, 1998; “Lápis de Carvão”. Apenas Livros Editora, Lisboa, 2005; “A_maar_gato”. Lisboa, Editorial Minerva, 2005; “À la Carbonara”. Lisboa, Apenas Livros Lda, 2007. Em co-autoria com J.-C. Cabanel & Silvio Luis Benítez Lopez; “A Boba”. Apenas Livros Editora, Lisboa, 2007; “Tríptico a solo”. São Paulo, Editora Escrituras, 2007; “A poesia na Óptica da Óptica”. Lisboa, Apenas Livros Lda, 2008; “Chão de papel”. Apenas Livros Editora, Lisboa. 2009; “Geisers”. Bembibre, Ed. Incomunidade, 2009; “Quem, às portas de Tebas? – Três artistas modernos em Portugal”. Editora Arte-Livros, São Paulo, 2010. “Tango Sebastião”. Apenas Livros Editora, Lisboa. 2010. «A obra ao rubro de Herberto Helder», São Paulo, Editora Escrituras, 1010; "Arboreto». São Paulo, Arte-Livros, 2011; "Risco da terra", Lisboa, Apenas Livros, 2011; "Brasil", São Paulo, Arte-Livros, 2012; "Um bilhete para o Teatro do Céu", Lisboa, Apenas Livros, 2013; Folhas de Flandres,  Lisboa, Apenas Livros, 2014.

ALGUNS COLECTIVOS

"Poem'arte - nas margens da poesia". III Bienal de Poesia de Silves, 2008, Câmara Municipal de Silves. Inclui CDRom homónimo, com poemas ditos pelos elementos do grupo Experiment'arte. “O reverso do olhar”, Exposição Internacional de Surrealismo Actual. Coimbra, 2008; “Os dias do amor - Um poema para cada dia do ano”. Parede, Ministério dos Livros Editores, 2009. Entrada sobre a Carbonária no Dicionário Histórico das Ordens e Instituições Afins em Portugal, Lisboa, Gradiva Editora, 2010; «A minha vida vista do papel», in Ana Maria Haddad Baptista & Rosemary Roggero, Tempo-Memória na Educação. São Paulo, 2014.

TEATRO

Multimedia “O Lagarto do Âmbar, levado à cena em 1987, no ACARTE, Fundação Calouste Gulbenkian, com direcção de Alberto Lopes e interpretação de João Grosso, Ângela Pinto e Maria José Camecelha, e cenografia de Xana; “A Boba”, levado à cena em 2008 no Teatro Experimental de Cascais, com encenação de Carlos Avilez, cenografia de Fernando Alvarez  e interpretação de Maria Vieira. 

 

 




 



hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano