O Jardim dos Frades –
Deambulações pelo Aqueduto da Prata

Marjoke Krom e Mariana Valente

marjoke.krom@gmail.com e mjv@uevora.pt

 

 

 

 

 

Quarto tempo: A pedra de toque

“Le dimanche dans la vie,(est le) moment qui délivre des urgences quotidiennes pour permettre un autre regard” (1)

Da Idade Média herdámos uma visão paradisíaca e poderemos afirmar com Sinclair que: “Nous faisons notre Éden chacun à notre façon. La vision paradisiaque nous habite.” (1) e ainda: “Le jardin secret du Moyen Age peut très bien se trouver derriére chez nous, si nos murs et nos haies sont assez hauts.” (2).

A uma errância física sucedia-se permanentemente uma errância espiritual. Com efeito, quando olhamos para a paisagem aparecem-nos elementos dessa paisagem mais tudo o que sabemos sobre ela. A presença de Cézanne não poderá deixar de emergir com as suas concepções sobre o espaço e, nomeadamente, sobre a multiplicação dos pontos de vista.  Como afirma Whitehead: a errância física é sempre importante, mas o poder das aventuras espirituais do homem é ainda maior – aventuras de pensamento, aventuras de sentimentos apaixonados, aventuras de experiência estética" (3) (Ilustração 18, paisagem de Cézanne)

Com esta intervenção quisemos, sobretudo, contar a vivência de uma relação afectiva com a paisagem-jardim, narrar como podemos aprender com a Idade Média a desenvolver a capacidade de nos deixarmos maravilhar e a desenvolver o impulso para a especulação, origem de todo o conhecimento.

Se continuarmos a prestar atenção ao eco das palavras do frade das Horas de Monsaraz, poderemos fazer nossas as suas palavras e assim incorporar todas as heranças da nossa cultura:

“Que por tudo ser de tudo tão diverso, basta que abramos os braços para que tudo o que diverso é possa caber dentro de nós e chamar-se nosso, tal como nós a tudo pertencemos” (4) (Ilustrações 19a, 19b, 19c e 19d - árvores)

Às palavras de um filósofo da Idade Média - Belas são as coisas que vemos mais belas as que compreendemos - poderemos juntar palavras de filósofos do século xx - a Ciência e a Arte são formas alternativas que nos ajudam “a exprimir a nossa alegria imaginativa na natureza.” (5)

Aos elementos sensíveis da paisagem poderemos juntar, hoje, as paisagens resultantes de aventuras intelectuais espantosas: científicas, técnicas e artísticas. Exemplo disso são as imagens de átomos, a árvore abstracta de Mondrian, a árvore inexistente de José Manuel Rodrigues, as paisagens de Cézanne, etc. (Ilustração 20)

Lévy-Leblond, físico teórico francês, conta-nos como a sua relação com a arte lhe permite dar espessura ao mundo, que nas suas complexas equações se tornou demasiado plano:

“A destabilização, a perda de referência que impõe a ambiguidade constitutiva de toda a obra de arte, é provavelmente o maior contributo que a convivência com a arte pode oferecer a quem está familiarizado com as certezas demasiado tranquilizadoras da ciência.... (Ilustração 21)

A inquietação em que mergulho nesta convivência (...) é tal que chego a trocar as atribuições de cada actividade, vendo na arte um meio de compreender e de transformar o mundo, e na ciência uma maneira de o contemplar e de o imaginar.” (6)

São estas imagens que nos libertam das urgências quotidianas e nos fazem incorporar outros olhares. (Ilustração 22 - Portas Duchamp)

Para encerrarmos esta deambulação espiritual recorremos às palavras do filósofo Michel Serres que tão bem traduzem a metodologia de um percurso físico e espiritual:

“Devotados à procura da verdade, não a atingimos sempre, se é que alguma vez a possamos atingir, através de análises ou de equações, através de experiências ou de evidências formais, mas sim também, algumas vezes, através do ensaio, e quando o ensaio não resulta, que o conto o faça, se puder: se a meditação falha porque não tentar a narrativa?” (7)

O tempo passou e a sua marca ficou....

Fonte mourisca
Notas
(1) H. Pena-Ruiz, Le Roman du Monde – Legendes Philosophiques, 405

(2) A. Sinclair, Jardins de gloire, de délices et de Paradis, 273

(3) Ibid, Ibidem, 270

(4) A. Whitehead, La Science et la MondeModerne,  239

(5) S.L. de Carvalho, As Horas de Monsaraz, 11

(6) A. Whitehead, Essays in Science and Philosophy, 45

(7) Lévy -Leblond, La Pierre de Touche, 182

(8) M. Serres, Le Tiers-Instruit, 249

 

Apenas

"Naturarte" e "Lápis de Carvão"
Comunicações aos colóquios em livros de cordel, publicados pela
Apenas Livros Lda.

Outros espaços da ciência no sítio:

Jardins

Naturalismo

Naturarte

Outros espaços da espiritualidade no sítio:

ISTA - site do Instituto S. Tomás de Aquino

Espirituais

Alquimia em Portugal - António Amorim da Costa

La Langue des Oiseaux - Richard Khaitzine

Associação de Socorros Mútuos Artística Vimaranense (ASMAV) - Guimarães
TriploV - Mapa - Cibercultura - Teatro - Zoo - Poesia - Letras - Surrealismo - CICTSUL

DIREITOS RESERVADOS
Sendo o TriploV uma publicação com fins exclusivamente culturais, cremos não usar indevidamente textos e imagens. Mas se tal acontecer, pedimos que o facto nos seja comunicado, para os retirarmos.

triplov@triplov.com
PORTUGAL

 
 
   

Última Actualização:
15-Sep-2006


hospedagem
Cyberdesigner:
M a g n o U r b a n o