Procurar textos
 

 

 

 

 






JOSÉ CASQUILHO
O Sancy:
mais de cinco séculos de história (1)

Homenagem a René Thom
 


O Sancy é um diamante famoso a sua trajectória ao longo da história ilustra alguns dos acontecimentos mais marcantes na Europa nos últimos 500 anos do milénio passado: a emergência da dominação dos
Habsburgos, a perda de independência de Portugal, o fim dos Valois em França, a guerra civil em Inglaterra, a revolução francesa, o romantismo, e finalmente a dominação do capitalismo financeiro do século XX a que sucede um remate socialista. O Sancy é um diamante originário da Índia e pesa cerca de 55 quilates, tem uma forma oval/pera, dir-se-ia uma amêndoa, e está talhado em rosa dupla. Encontra-se na galeria de Apolo do museu do Louvre, em Paris.

A história do Sancy

(IMAGEM: A derrota de Carlos o Temerário, representado caído sobre o cavalo, de escudo às listas azul e amarelo obtida na internet)

Alguns autores referem que o diamante pertenceu a Carlos o Temerário, Duque de Borgonha, filho de Filipe o Bom, da casa de Valois, e de Isabel de Portugal, única filha de D. João I.

Carlos - considerado o último grande representante do espírito feudal - perdeu a vida na batalha de Nancy, em 1477, e, como consequência, o ducado de Borgonha veio a integrar-se no Sacro Império Romano através do casamento da filha, Maria de Borgonha, com Maximiliano da Austria, de quem virá a nascer Filipe I de Castela. Carlos levou o diamante para a batalha, e assim, o Sancy testemunhou o acontecimento que veio fazer emergir os Habsburgos para o primeiro plano das famílias reinantes da Europa.

O diamante, recuperado como despojo do duque aqui, presumivelmente representado no peitoral direito - foi vendido por um soldado suíço a um clérigo que por sua vez o terá revendido a um negociante de Luzerna.


 

 

(Carlos o Temerário, duque de Borgonha, Metropolitan Museum of Art, N.Y., porm.)

Também se refere que em 1495 o diamante foi adquirido por D. Manuel I, o Venturoso, rei de Portugal, o soberano mais rico da Europa do seu tempo e vértice da modernidade e dos novos mundos. E em Portugal o diamante permaneceu durante o resto da dinastia de Aviz.

Num retrato datado de 1553, D. Joana de Habsburgo, irmã de Filipe II de Espanha, mãe de D. Sebastião, ostenta no toucado a cruz das princesas de Portugal e um pendente central onde a pedra do meio poderá ser, talvez, o diamante mais tarde chamado de Sancy.

 

 

 

(Joana de Habsburgo, de Cristovão de Morais, Musées Royaux des Beaux-Arts de Belgique, porm.)

Passado um quarto de século, a 4 de Agosto de 1578, dá-se a catástrofe da batalha de Alcácer Quibir. Morre D. Sebastião com 24 anos, o Desejado, sem descendência.

Sucede-se o governo breve do tio-avô, o cardeal-rei D. Henrique, muito ocupado a resgatar prisioneiros do reino de Fez e a negociar a sucessão do trono.

D. António, prior do Crato - filho bastardo do infante D. Luís, duque de Beja, irmão de D. João III apoiado pelo povo e por alguma nobreza, foi aclamado rei de Portugal, mas abandona Lisboa a seguir à batalha de Alcântara, em 1580. Venceram as tropas de Filipe II que assim conquistou a coroa de Portugal: durante 60 anos ficará nas mãos dos Habsburgos de Espanha.

D. António estabelece governo no exílio, a parte final passada em França (1), onde empenhou e depois vendeu o diamante a Nicholas de Sancy, embaixador da França na Turquia, no reinado de Henrique III, o último rei da dinastia dos Valois.

(D. Sebastião de Portugal, oficina de Alonso Coello,
Kunsthistorisches Museum, Viena )

Existe na Torre do Tombo uma carta de Sebastiani Pardin dirigida a D. António, datada de 1588 (2), onde se dá conta dos termos finais da transacção de um diamante com as armas do rei de Portugal. Assim, o diamante era um símbolo maior de Portugal e da casa de Aviz admite-se que constitua o corpo central da jóia com a cruz de Cristo que D. Sebastião transporta: por debaixo da cruz vê-se que está um diamante em forma de pera.

 
Notas

(1) Sabe-se que já anteriormente D. António tinha empenhado o diamante junto do conde de Leicester em Inglaterra cerca de 1582, mas conseguiu reavê-lo.

(2) ANTT, Referências: Arquivo de D. António, carta nº 43.