EL LIBRO DE MARAVILLAS
SEGÚN RAMON LLULL
Andrés Galera

CSIC, Madrid

Introdução 
EL LIBRO DE MARAVILLAS
Bibliografia
Notas

Introdução 

Atribuem-se a Raimundo Lúlio –Ramon Llull no idioma catalão-, ortodoxos testemunhos alquímicos como «Eu seria capaz de converter em ouro mares inteiros, se tivesse suficiente mercúrio». Recordamos esta citação apócrifa para reflectir sobre dois argumentos: a actualidade da alquimia e a errónea filiação alquimista atribuída ao ideário luliano.

Sobre o primeiro argumento seria suficiente dizer que a física de partículas já transformou em realidade o quimérico objectivo perseguido pelos alquimistas de converter o mercúrio em ouro. A conversão não tem o valor económico de antanho, pois os custos ultrapassam os benefícios, mas a experiência demonstra a identidade atómica que subjaz à aparente diversidade material da natureza, orgânica e inorgânica, de modo que, em teoria, é exequível transformar um elemento noutro, modificando a sua configuração atómica. Sob outra forma, esta era a hipótese defendida pelos alquimistas ao realizarem as suas falhadas transmutações. Hoje o processo é viável também no plano biológico; prosseguimos com experiências de intercâmbio da matéria que recordam as pretéritas combinações alquímicas, embora com resultados muito mais satisfatórios, pois sofisticadas técnicas de engenharia genética permitem o intercâmbio das características anatómicas e fisiológicas que possuem os organismos. Esta operação é simples, consiste em extrair do dador o correspondente fragmento génico e uni-lo ao material genético do receptor, de onde se expressará seguindo a correspondente pauta química. No plano unicelular, desenvolvemo-nos com desembaraço, mas o mesmo já não ocorre relativamente à complexidade bioquímica do pluricelular. Desconhecemos ainda numerosos aspectos do problema e, salvo todas as distâncias ideológicas e tecnológicas, não estamos muito longe de alguns enunciados formulados no século XVI por Gian Battista della Porta, designados como magia natural. Compartilhamos com ele ideais e interesses, e as nossas são a versão moderna de algumas das suas imaginárias experiências. Por exemplo, Porta não tem dúvidas em aceitar que é possível obter frutos compostos misturando sementes que pertencem a diversas espécies vegetais.

 
II Colóquio Internacional Discursos e Práticas Alquímicas (1999)

IN: Discursos e Práticas Alquímicas. Volume II (2002) - Org. de José Manuel Anes, Maria Estela Guedes & Nuno Marques Peiriço. Hugin Editores, Lisboa, 330 pp. hugin@esoterica.pt

APOIOS
DOMINICANOS DE LISBOA
 

 





 



hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano